sexta-feira, 22 de novembro de 2013

Capítulo 15

(Observação da autora no dia 23/09/2018 - Corrigi possíveis erros ortográficos deste projeto chamado "O Colégio Interno". Já é possível relê-lo de forma mais adequada. Não sei se será lançado em livro algum dia, mas não alterei qualquer palavra ou enredo, apenas erros).


Capítulo 15

– Nelson – Disse a Melissa, de cabeça baixa – Desculpa. Desculpa, Vânia. E ainda bem que regressaste.
– Obrigada. – Disse a Vânia.
– Nelson. – Chamou a Melissa.
– Sim?
– Será que dá mais uma oportunidade?
Ele respirou fundo.
– Não, Melissa, não dá.
– Desculpa. – Disse ela, saindo do refeitório.
A Vânia olhava espantada para o Nelson.

***

Enquanto isso, a directora estava no gabinete com o Duarte.
– Menino Duarte, não tenho outra solução senão expulsá-lo deste colégio.
– Não, directora, não pode.
– É a única solução, os meus alunos não podem se relacionar dessa forma com as minhas alunas. Vai contra as regras do colégio.
O Duarte respirou fundo.
– Tudo bem, eu vou.
– E, pelo caminho, chame a Vânia para aqui, por favor.
O Duarte saiu do gabinete da directora. Encontrou a Vânia com o Nelson na saída do refeitório.
– A directora chama-te. – Informou ele.
– Foste expulso? – Perguntou o Nelson.
O Duarte apenas olhou para ele com um olhar cortante, depois saiu.
– Nelson, estou com medo. – Admitiu ela.
– Conta a verdade à directora. Já não adianta esperar. – Disse ele, abraçando-a.
Ela afirmou com a cabeça e foi ter com a directora. Chegando ao gabinete, bate à porta e é concedida a entrada. Ela entra calmamente, fecha a porta e senta-se na cadeira.
– O que queria de mim, directora?
– O que se passou consigo, menina Vânia? Desapareceu e só agora de noite é que voltou a aparecer. Por acaso não saiu do colégio, ou saiu?
– Não, directora. Eu estive trancada na cave do colégio.
A directora colocou a mão na boca, apavorada.
– Quem a meteu lá?
– Não me lembro muito bem, mas foi uma mulher de cabelo preto.
– Reconheceu?
– Não, directora. Há alguém que nos assusta. A mim e à Melissa. É a mesma mulher de cabelos pretos.
– Isso é muito estranho, mas quando houver mais alguma coisa estranha, avise-me.
– Ok, directora.
E a Vânia saiu do gabinete da directora. Caminhou por entre o corredor e viu o Nelson no quarto dele.
– Então... como correu? – Ele estava sentado na sua cama a ver um álbum de fotos.
– Contei sobre a rapariga de cabelos pretos. Contei a verdade.
Ele sorriu.
– Preciso de falar contigo. – Ela sentou-se na cama dele.
– Deixa-me adivinhar, é sobre nós?
Ela afirmou com a cabeça.
– Tu provaste que o Duarte não valia nada.
– Eu pensei e vi que ele não prestava. Tenho que agradecer à Fabiana pelo que fez.
– Tu mudaste, Vânia.
– Achas que sim?
Ele afirmou.
– Bem, tenho de ir. Tenho de falar com a Fabiana.
Ele agarrou-lhe o braço.
– Espera!
– Nelson. – Disse a Vânia, calmamente – Eu tenho de ir.
– Não, tens tempo. Nós precisamos de conversar.
– Eu mudei por causa de ti, mas o tempo não volta atrás. Os erros estão feitos.
– E eu faria um se dissesse sim à Melissa.
A Vânia olhou para ele.
– Acho que está na altura de te dar uma hipótese. – Disse ele, beijando-a.
Nesse momento, aparece a Fabiana com a Estela, a Melissa e os irmãos do Nelson.
– Ups. – Disse a Estela, desviando o olhar.
– Eu sei. – Sussurrou o Fábio para a Estela – Quase gostava mais dela quando estava sob o poder do Duarte. Mas acho que será melhor assim. O Nelson vai doer menos que o Duarte.
– Fabiana, amigos, peço desculpa, eu tinha ficado meio doente com o Duarte. – Disse a Vânia, levantando-se da cama do Nelson.
– Eu também, Vânia. Sejam felizes. – Disse a Melissa.
– O quê? – A Vânia não estava a perceber.
– Tu e o Nelson. Estou contente, aliás estamos todos contentes que vocês já fizeram as pazes.
– Obrigada.
O Nelson sorriu.
– Há alguém que precisa de conversar. – Disse a Fabiana, olhando para a Estela e para o seu ex namorado.
A Melissa empurra-os para fora do quarto.
– Falem no meu quarto. Até já.
Eles olharam um para o outro espantados e encaminharam-se para o quarto da Melissa e da Estela.
– Hum... então, diz-me lá, como é que lhe tentaste mandar o copo com água?
– Não sei, Estela. Na altura, pareceu-me boa ideia.
– Mas como é que sabias? – Perguntou ela – Isto é, como é que soubeste que eu não estava a fingir? Para ele ser apanhado desprevenido, sob um falso sentimento de segurança?
– Queres dizer, para além do facto de ele estar prestes a beijar-te? – O Fábio levantou a sobrancelha –Sem tu fazeres o mais pequeno gesto para o impedir? Sim, acho que compreendi o que estava a acontecer.
– Eu acabaria por me libertar. – Garantiu-lhe ela, com uma confiança falsa – mal sentisse os lábios dele.
– Não – Contestou o Fábio. Ele sorriu para ela – não o farias. Admite, Estela. Precisaste de mim naquele momento.
Os rostos dos dois estavam próximos. Em vez de ela se sentir meio estranha, o coração dela estava a vacilar.
– Pois. Acho que precisei.
– Fazemos uma boa equipa. – Observou o Fábio – Não achas? Quer dizer, temos que nos unir outra vez para descobrirmos quem é a mulher de cabelos pretos que nos atormenta.
Ela engasgou-se. Não conseguia evitar.
– É verdade. E desta vez não virá só atrás de nós, raparigas. Também, talvez, virá atrás de vocês. De ti e dos teus irmãos.
– Deve ser só uma engraçadinha!
– Fábio! – Protestou ela – Isto é a sério! Essa mulher pode estar a preparar-se para nos assustar a qualquer momento e estamos a perder tempo a celebrar a nossa vitória contra o Duarte. Temos de começar a prepararmo-nos! Temos de planear um contra-ataque ou algo para a desmascarar. Temos...
– Estela – Interrompe o Fábio – A mulher pode esperar.
– Mas...
– Estela – Voltou a cortar o Fábio – Cala-te.
E ela calou-se. Ela estava com ele. Além disso, ele tinha razão. A mulher assustadora de cabelos pretos podia esperar... ou talvez não.


Fim do Capítulo 15.

23 comentários:

  1. tá fixe!
    quero a segunda parte.

    ResponderEliminar
  2. tá lindo.
    posta logo.

    Beijos,
    Natasha Alyosha.

    ResponderEliminar
  3. Continua!
    Vamos falar da parceria amanhã, não te esqueças.

    ResponderEliminar
  4. Ele saiu do colégio,ele saiu do colégio!
    Amei!
    Posta logo.

    Beijos,
    Juh :)

    ResponderEliminar
  5. fixe!o duarte saiu da escola e vao agora descobrir a assombraçao.
    quero ver isso.

    ResponderEliminar
  6. Que lindo!Posta logo.Estou curiosa.

    ResponderEliminar
  7. Gostei do capítulo.O romance até nem foi mau.

    ResponderEliminar
  8. Estou já dentro da história!O Duarte vai embora e vão encontrar agora a menina de preto.
    Quero mais!

    ResponderEliminar
  9. posta depressa, estou curiosa.

    ResponderEliminar
  10. adorámos os casais a juntarem-se.até tens jeito para romance.

    ResponderEliminar
  11. Continua! Gostei da história ser "partida" em duas.

    ResponderEliminar
  12. Já fiquei curiosa para saber como será o próximo capítulo. Beijinhos!

    galerafashion.blogspot.com.br

    ResponderEliminar
  13. gostei do duarte a sair do colégio.

    ResponderEliminar
  14. Gostei!Quero ler essa segunda parte logo!

    Beijos :)

    ResponderEliminar
  15. Nossa, amei, onde está o próximo capitulo? ♥

    http://historiaimperfeita.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  16. Adorei!!!
    Acho que essa mulher assustadora de cabelos preto não irá esperar não... mas vamos ver o que irá acontecer...
    posta logo!
    bjsss

    ResponderEliminar

Obrigada pelo comentário, a sua opinião é importante para o escritor.