quinta-feira, 28 de agosto de 2014

Capítulo 1

Olá Pessoal!
Agradeço pelos comentários à apresentação dos personagens e da sinopse. A história realmente é diferente. Não sei se muitos vão gostar mas enfim...vou postar à mesma e quem quiser ler, leia.
Agradeço à Amanda por ter gostado desta nova história. Espero não desiludir.
Enfim...aqui está o capítulo 1.

Capítulo 1

A Maria e a Zélia eram grandes amigas. Viviam juntas. Elas tinham criado duas personagens para cantarem. Elas queriam ser cantoras e, então, criaram duas novas personagens com a ajuda de perucas e maquilhagens para não serem reconhecidas.
Existia um acampamento que ocorria no verão. Era chamado de o Acampamento de Verão Musical. Era para lá que todos os aspirantes a artistas de palco iriam nessa época. Era um sonho.
A Maria estava com a Zélia em casa.
- Maria, sabias que o acampamento de Verão Musical deste ano já está a ter inscrições?
- Eu não sabia mas o que nós temos a ver com isso?
- Nós podemos nos inscrever. O que achas?
A Maria olhou para a amiga apavorada. Cantar, dançar e representar? As duas? Num acampamento em que todos irão ver? A Zélia devia estar louca.
- Zélia! Tu estás louca? Nós não sabemos cantar. – Gritou a Maria.
- Calma Maria. Eu sei que nós não sabemos cantar mas a Marcela Lima e a Teresa Cristina sabem cantar muito bem.
- Sim, mas há um problema. A Marcela e a Teresa somos nós e nós temos testes durante esta semana e por acaso a semana de inscrições também é esta semana.
A Zélia não viu qual era o problema.
- Mas nós podemos faltar aos testes.
A Maria exaltou-se.
- Zélia, tu deves estar doida! Os testes são os finais e não podemos faltar. Além do mais as pessoas não podem saber que somos nós que cantamos, senão nunca mais nós vamos cantar.
- Está bem, Maria. Nós podemos nos inscrever depois dos testes e nessa altura as pessoas vão continuar a não saber que somos nós.
- Então nós inscrevemo-nos amanhã depois de fazermos os testes, está bem?
A Zélia deu pulos de alegria.
- Maria, é por isso que te adoro!
A Maria sorriu.
- Mas, tem cuidado com as esperanças Zélia. Podemos fazer as audições mas isso não quer dizer que vamos passar e ir para os EUA.
- Maria, a esperança é sempre a última a morrer. O que vale é tentar. E eu tenho a certeza que vamos conseguir.
A Maria abanou a cabeça. A Zélia pensava que a vida era fácil. Embora tendo a mesma idade que a amiga, a Maria parecia ter mais mente que a Zélia. Era muito mais observadora e percebia quando podia avançar ou não e embora isso possa até ser um defeito ajudava muito no futuro. A Zélia era uma pessoa muito “cabeça no ar”, que acha que tudo ia dar certo. É uma optimista. Uma grande optimista. Mas neste caso era um optimismo em excesso.

Entretanto na casa de uma família de cantores o tema era exactamente o mesmo: o Acampamento de Verão Muscial.
- Ivo, vais te inscrever certo? – Perguntou Laura ao irmão.
- Onde, mana?
- No Acampamento de Verão Musical, claro.
O Ivo sorriu como se pedisse desculpa.
- Não sei mana. Eu não estou com a mínima vontade de ir para esse acampamento.
- Mano, tu pediste aos teus fãs que ias lá estar. – Disse a Laura, triste.
- Está bem, eu vou. Mas só com uma condição.
- Que condição? – Perguntou a irmã com uma réstia de esperança.
- O João e o Mário também vão.
- Mas eles já foram para o acampamento uma vez.
- Sim, mas eles podem ir para trabalharem lá.
A Laura sorriu.
- Então, está bem.

Entretanto, o telemóvel da Maria toca.
- Estou?
- Olá querida irmã!
Os olhos da Maria brilharam.
- Vanessa! Que bom que és tu. Como vão as coisas aí em Nova Iorque?
Vanessa era a irmã mais velha da Maria.
- Muito bem, e contigo? Novidades?
- Sim, tenho novidades. Novidades não. Novidade. A Zélia anda aí com uma história de acampamento.
Nessa altura, a Zélia interrompeu.
- Maria, estás louca! A Van não sabe que nós cantamos. – Disse ela, baixo.
Van era a alcunha mais conhecida da Vanessa.
A Maria colocou a mão na cabeça.
- Tinha esquecido. – Disse ela, baixo também.
Este era um dos defeitos da Maria. Esquecia-se facilmente das coisas. E não era nenhuma doença.
A Vanessa falou.
- O que é que a Zélia tem a ver com o acampamento?
- Ah, a Zélia gosta muito da Laura e parece que ela vai cantar na abertura do acampamento.
- Mesmo! – A Vanessa parecia maravilhada – Não sabia. Eu liguei para te avisar que eu vou voltar para Portugal no mês que vem.
- Que bom mana! Eu estou a morrer de saudades tuas.
- Também eu. Tenho de ir agora. Diz à Zélia que lhe mando um beijinho, ok?
- Ok. Xau. Beijinhos.
A Maria terminou a chamada.
- Zélia, a Van mandou-te um beijinho.
A Zélia estava visivelmente chateada.
- Maria, eu queria falar com ela. – Disse, cruzando os braços.
A Maria sorriu.
- Para a próxima eu passo-te o telemóvel.

Entretanto com a família de cantores. O João e o Mário tinham chegado a casa.
- João, tu e o Mário vão trabalhar no acampamento com o César.
O João e o Mário eram irmãos do Ivo e da Laura. O César era primo deles.
O João olhou surpreendido para a Laura.
- O quê? Eu não vou trabalhar naquele acampamento ridículo!
A atitude do Mário foi diferente.
- Eu acho boa ideia. Nós podemos ficar mais perto do nosso primo.
- E onde está ele, Laura? – Perguntou o João.
- Ele quem? O César?
- Sim.
- Ele está a organizar as coisas do acampamento.
- E nós vamos trabalhar em quê? – Perguntou o Mário.
- Pergunta ao César.
O Mário pegou logo de seguida no seu telemóvel. A Laura riu da atitude rápida do Mário.
- Olá primo, tudo bem aí no acampamento?
- Olá, está tudo bem. Porquê?
O João pega no telemóvel da mão do Mário.
- Primo, ajuda-nos. A Laura quer que eu e o Mário trabalhemos aí.
- E isso não é bom?
- É claro que não. – Disse o João.
- Pois eu dou o maior apoio. E já sei onde vocês vão trabalhar.
O João arrepiou-se. O Mário perguntou:
- O que foi?
- O César disse-me que já sabe onde nós vamos trabalhar.
- João, tu vais trabalhar como professor de dança. – Disse o César.
O João ficou espantado.
- O quê? Como professor de dança? Não, isso não!
- E eu? – Perguntou o Mário encostado ao telemóvel.
O João deu o telemóvel ao Mário.
- Vais dar aulas de guitarra. – Respondeu o César.
“Professor de dança? Não vou nem morto”. – Pensou o João.

Aqui está.
Bem, espero ter dado uma primeira boa impressão.
Digam o que acham.

Boa leitura!

19 comentários:

  1. Não gostei da história.
    Desculpa Diana, volto para uma próxima história.

    ResponderEliminar
  2. esse João é demais! acho que vou gostar dele.

    ResponderEliminar
  3. Gostei do capítulo.
    Vou continuar aqui :)

    ResponderEliminar
  4. Adorei o capítulo.
    E é bem grande. Gostei muito.
    Posta logo.

    Beijos :)

    ResponderEliminar
  5. adorámos!
    posta depressa!

    ResponderEliminar
  6. acho que vou continuar porque gostei da atitude do joão.

    ResponderEliminar
  7. Eu gostei. Como o Anónimo falou no post anterior,tens que fazer aquilo que gostas, se gostas, continua.
    Posta logo.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  8. O que interessa é a boa escrita e melhorares a cada dia. O resto esquece.
    Continua!

    ResponderEliminar
  9. Esse João é o meu melhor personagem mas acho que também vou gostar da Maria.
    Posta logo.

    Beijos,
    Juh :)

    ResponderEliminar
  10. Eu gostei. Acho que,mesmo mudando o género, está bom.
    Continua!

    ResponderEliminar
  11. Eu só gostei da atitude do João mas vou continuar aqui à espera do segundo capítulo e ver se gosto, ou não.

    ResponderEliminar
  12. Eu acho que vou ficar aqui por mais um capítulo. Gosto do João.

    ResponderEliminar
  13. Não gostei muito das duas meninas, vamos ver se isso muda. Mas o João é divertido, já gosto dele!
    Beijos!

    ResponderEliminar
  14. Eu gostei do capítulo. E é grande!
    Espero pelo próximo capítulo no sábado.

    Beijos.

    ResponderEliminar
  15. Eu gostei do capítulo.Quem não gostou,vai embora.simples.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  16. Nem acredito que nem li a outra.
    Péssima pessoa que sou :(
    Estou curiosa para saber porque elas não contam que cantam...
    Gostei, Beijos

    ResponderEliminar
  17. Novamente venho a dizer, essa escrita não é nada parecida com a daqui do Brasil. Minha professora diz que não falamos, português e sim brasileiro.
    Mudou o gênero das fics, gostei. Posta logo :)
    Não fui com a cara da Maria, já a Zélia é um pouco parecida comigo...

    ResponderEliminar

Obrigada pelo comentário, a sua opinião é importante para o escritor.