sexta-feira, 31 de maio de 2013

Capitulo 44 - A união faz a força e Capitulo 45 - Nunca se deve confiar num bêbado

(Observação da autora no dia 18/09/2018 - Corrigi possíveis erros ortográficos deste projeto chamado "Encontro com o 666". Já é possível relê-lo de forma mais adequada. Não alterei nada no enredo, porque é apenas a versão blogue. A versão em livro encontra-se na página "Livros" com o título "Encontro com o Passado" ).


Diana

– Juntarmo-nos aos outros dois senhores? Acho simplesmente uma perda de tempo. – Disse eu.
– Diana, é melhor juntarmo-nos. É mais fácil.
– Mais fácil? Ana, eu não estou de acordo.
– Diana, por favor! Faz isso pelo caso.
Eu olhei para a minha colega. Tinha que dar o braço a torcer. Ela tinha razão. Era melhor a quatro que a dois. A união faz a força!
– Está bem. Vamos lá juntarmo-nos.
A Ana pegou no seu telemóvel e ligou ao João. Estava visivelmente feliz.

João

– Sim Ana, o Henrique aceitou.
Terminei a chamada e olhei para o meu colega. Ele estava contente.
– Vamos apanhar o 666!
Parecia uma criança a rir-se depois de ter ganho um jogo.

Diana

Continuei a falar com a minha colega.
– A Andreia teve a falar comigo.
– Então? O que aconteceu?
– Ela disse-me algo estranho. Parece que ela sente-se ameaçada. A melhor amiga dela está a ser perseguida.
– Quem é a melhor amiga dela?
– A Bruna.
– Isso tem obra de ser o 666. – Disse a minha colega.
Concordei.

Capítulo 45 - Nunca se deve confiar num bêbado


Pedro Magalhães

O 666 soube da traição da Andreia. A Andreia vai sofrer.

Carolina

Fui levada por alguém numa carrinha. Essa pessoa queria que eu dissesse algo. Levou-me a uma casa abandonada e começou a fazer-me perguntas, enquanto me tentava embebedar.
– O que sabes sobre a Andreia?

***

Um tempo passou... eu tinha contado tudo o que a Andreia me tinha dito. Bem, nunca se deve confiar num bêbado.

Ana Rodrigues

Eu, a Diana e os dois policias encontrámo-nos para falar sobre o 666.

Pedro Magalhães

Recebi uma chamada do 666.
– Estou?
– Estou “filho”, parece que a tua amiguinha Andreia desrespeitou as regras.
– “Pai”, eu ia contar-te. Eu ouvi a conversa dela com a Carolina.
– Pois. Não quero ações tuas. Não quero que faças nada. Fica como se não soubesses de nada.
– Claro “pai”. Se é o que queres. Mas “pai”, como é que tu soubeste disso?


Fim dos Capítulos 44 e 45.

23 comentários:

  1. tá fixe.
    grandes perguntas no final sem resposta possivel ou que se pense de maneira provável.o 66 deve ter alguem a trabalhar para ele sem serem só os dois.

    ResponderEliminar
  2. Adorei os capitulos.
    Que curiosa para o próximo!

    ResponderEliminar
  3. tá lindo.
    Posta logo.

    Beijos,
    Natasha Alyosha.

    ResponderEliminar
  4. Gostei.
    Estou curioso para o próximo capitulo.

    ResponderEliminar
  5. gostei dos capitulos.
    boas perguntas sem resposta.Quero a continuação!

    ResponderEliminar
  6. adorámos os capitulos.
    posta logo.

    ResponderEliminar
  7. tá giro!
    fiquei surpreendida quando o pedro diz que nao sabe de nada sendo que ele disse que a andreia tinha sido descoberta.

    ResponderEliminar
  8. Gostei dos capitulos.
    Posta logo.

    Beijos.

    ResponderEliminar
  9. Eu imaginei a Ana (Martins)dando pulinhos ao falar ao telefone!Quando falou nos 'bêbados' lembrei dos irmãos que tem um 'caso'!
    Diana,está perfeito,como você!
    posta logo ;)

    ResponderEliminar
  10. amei <3
    Sua fic é mtmtmtmt boa mds
    Daqui a pouco você está até dando autógrafo çalsdkl
    Vou ser a primeira né? Porque eu sou VIP alçdskçlasdk
    sqn
    então é isso ta fixe <3
    Bjão posta logo

    ResponderEliminar
  11. oiii flor amei o cap.
    a sua fic é super A+ :)
    divulga pra mim?? -----
    http://apenas-uma-girl-diferente.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  12. Uau, adorei!!!!!!!!
    Você tem o dom de fazer histórias que prende a atenção de um leitor. Agora vou ficar pensando nas perguntas final a noite toda :|
    Morrendo de ansiedade. Posta Logo!!!! Bjss.

    ResponderEliminar

Obrigada pelo comentário, a sua opinião é importante para o escritor.