quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

Desafio de Setembro (Parte 2)

Olá, Pessoal!
Aqui está a segunda parte do Desafio de Setembro que fiz para a página de Facebook Ficwriter facts.

Primeira parte: Desafio de Setembro (Parte 1)



"Olhei para o relógio. A Susana estava a demorar muito tempo. Voltei ao quarto para saber o que fazia ficar tão demorada. Suspirei de aborrecimento assim que soube. Estava simplesmente a arrumar a sua mala.
- Para quê tanta coisa? - Perguntei, impaciente.
- Uma mulher prevenida vale por duas, nunca ouviste dizer?!
"Mulheres..." - Pensei."



" ... Eu era apenas um simples cavaleiro. Nas batalhas era apenas um no meio de muitos. Queria ser importante. Não pretendia ter um título de nobreza mais alto, mas gostaria de me tornar conhecido por entre os cavaleiros. Preparei-me para a última batalha onde iria lutar para ser "alguém".
Fui lá e consegui. Senti-me vitorioso. Apaixonei-me, casei... enfim... acho que isso vai ficar para outras folhas. Irei explicar-te com mais pormenor sobre esta batalha em breve, mas agora vou descansar, querido neto.

Com todo o amor,
O teu avô,
Sir Arthur Spencer."


"Durante todas as noites eu e ele encontrávamo-nos no farol. Era um amor proibido e queríamos ter um lugar apenas nosso. Um dia, os nossos pais descobriram e levaram-no para longe da cidade. Fiquei destroçada...
Dois anos depois, soube que ele iria voltar. Nessa noite aproximei-me do farol. Queria ficar apenas sozinha, mas não me quis aproximar demasiado daquela torre enorme. Nesse momento vejo uma luz a sair de dentro da estrutura e tive a confirmação. Ele estava ali. Ele tinha voltado. Mas não só para a cidade. Voltou para mim."



"Deixei a minha mascote com a minha vizinha. Tinha alguns compromissos durante a manhã e pensei deixar com uma pessoa adorável que gostava de animais. Fiz a minha vida de forma despreocupada e quando voltei a casa fiquei chocada. O sofá meio rasgado, coisas no chão... Tudo desarrumado. Quando fui à sala, a minha vizinha tinha pegado no meu animal e estava a gritar com ele. Abri bem os olhos espantada com o que estava a ouvir e a ver.
- O que é que se passa aqui? - Perguntei, recuperando do choque inicial.
- Ele fez isto tudo.
- Está a maltratar o meu animal. O que for que ele tenha feito não é necessário reagir dessa maneira.
Tirei ele das mãos dela e aconcheguei a minha mascote ao meu peito. Nunca mais irei deixá-lo com a vizinha. Pelo menos não essa!"



"Estava um dia de sol incrível e decidi ir à praia. Estendi a toalha e comecei a ler um livro, calmamente. Momentos depois, ouço vozes perto de mim. Levanto a cabeça e vejo dois rapazes a jogar voleibol um pouco próximos da minha toalha. Um deles percebe a minha reação e troca um olhar comigo. Nessa altura, esse mesmo rapaz leva com a bola de voleibol na cabeça. Não tive tempo para me rir da situação porque acabei por ver a bola bater nas minhas pernas. O rapaz ficou muito envergonhado e aproximou-se de mim, agarrando a bola que estava na areia.
- Desculpa. - Falou.
- Não há problema. - Respondi, sorrindo, embora tivesse estado chateada por breves momentos..."



"Enquanto estava a arrumar o meu quarto, ouvi o som de vidro a partir. Respirei fundo. Com certeza era a Sofia outra vez. Será que ela não entende que a nossa relação terminou? Não pode entrar assim na minha casa.
- Sofia, podes ir embora. Não temos regresso. – Gritei a ela do meu quarto para que ela ouvisse na sala. Continuei a ouvir passos – Sofia?
Ao ir à sala, vi uma pessoa de cara e mãos tapadas e com um objeto a apontar para mim. Não entendi bem o que era. Talvez uma faca ou um revólver. Soube que era impossível gritar porque os meus vizinhos não estavam em casa naquele sábado à noite. O meu corpo simplesmente não respondeu por breves segundos. Estava chocado.
Momentos depois, estava a ser agarrado pelo pescoço. Tentei saber quem estava por detrás da máscara, mas não consegui. O anónimo atacou-me com o objeto (que nesse momento descobri ser uma faca) enquanto tentava encurralar-me apertando-me o pescoço.
A última coisa que vi foi sangue, antes de sucumbir."


" - Pronta?
O meu pai pegou na minha mão, calmamente. Sabia que era o meu sonho dançar com ele antes da sua morte. O meu pai estava com uma doença rara que o levaria à morte. Quando a nossa família soube, eu estava noiva e tinha o sonho de ir de braço dado com o meu progenitor até ao altar.
Estava emocionada quando ele girou comigo pelo salão.
A noite foi calma e tive finalmente o meu casamento. O casamento que eu sonhava e esperava ter...
No dia seguinte de manhã estava no quarto com o meu agora marido quando recebi uma chamada da minha mãe. A má noticia já era esperada, mas eu não imaginava que seria tão depressa. Não naquele momento. O meu pai tinha morrido na noite do meu casamento. Ele foi embora, mas não sem antes concretizar o meu sonho.
Obrigada, pai! Obrigada por tudo!"


"O meu irmão aproximou-se de mim. 
- Espero que estejas feliz. Não gosto do homem que vai casar contigo, mas se estares feliz eu estou feliz por ti.
- Obrigada. Estou feliz, Frederico. Acredita em mim.
Ele trazia algo na mão que estendeu na minha direção.
- Isto era da nossa mãe. Ela tinha deixado para ti antes de morrer.
- Obrigada. - Eu virei-me e ele colocou-me aquele efeito de florzinhas no meu cabelo.
Depois de agradecer ao meu irmão. preparei-me para caminhar até ao altar."

E terminou aqui, no dia 15.

Também irei revelar os meus Desafios de Outubro, Novembro e Dezembro.

Irei preparar um post com todos os desafios feitos este ano!

Beijos!

Sem comentários:

Enviar um comentário

Obrigada pelo comentário, a sua opinião é importante para o escritor.