sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

Capítulo 4 (Parte 1)

Olá Pessoal!
Obrigada pelos comentários.

Saberão agora se a senhora "G" foi realmente baleada!

Espero que gostem.

Capítulo 4 (Parte 1)

Narrado por Bruno Soares

Não. Eu tinha atirado no segurança. O tiro era meu. Sinceramente, o que eu estava a fazer a salvar a vida da "G". Ela é a maior assassina de hoje.
Ela saiu da casa e olhou para mim.
- Pode sair daí. – Disse ela séria.
- Que tal um "obrigada por salvares a minha vida" ou "que fazes aqui?"
- Eu sei que estás a seguir-me desde que saí da festa. - Falou ela deixando o afastamento ao tratar-me pela primeira pessoa.
- A sério? Então tu tens uma câmara em casa?
- Sim. Vi tudo. – Disse ela encaminhando-se para o seu carro.
- Podemos conversar? – Perguntei eu a segui-la.
- Achas que eu sou idiota a ponto de ficar aqui a falar contigo? Depressa a polícia aparece aí e eu não vou de certeza ser presa. – Disse-me ela enquanto continuava a andar.
- Não estava a falar de conversarmos aqui. – Eu ainda a seguia mas sinceramente, confesso, que estava a ser complicado – Posso ir para a tua casa?
Vi que ela parou subitamente e virou-se para mim.
- Acompanha-me. – Disse ela – Se conseguires.
Entrámos os dois dentro dos nossos carros e ela encaminhou-me para a casa dela. Ela saiu primeiro do seu carro e esperou que eu saísse do meu.
- Apresento a minha casa! – Disse ela a sorrir – Mas acho que já a conheces.
Ela abriu o portão e nós entrámos. Decidi sentar-me no sofá. Ela atirou a mala para cima de uma mesa que estava perto do local onde me tinha acabado de sentar.
- Há quanto tempo trabalhas assim? – Perguntei. Ela percebeu o que eu quis dizer.
- Algum tempo.
- Como consegues chegar a casa dessa maneira? Nessa tranquilidade. Mataste quatro pessoas só hoje.
- Tu mataste uma, não podes julgar-me! - Ela fez uma pausa – Queres algo para beber?
Percebi que ela queria mudar o rumo da conversa, mas eu não deixei. Não respondi à pergunta dela.
- Mas tu fazes isso todos os dias. Como é que consegues dormir sem teres um peso na consciência? Não deves dormir tranquila.
Ela olhou para mim zangada.
- Vai-te embora da minha casa! – Ordenou-me ela.
Já estraguei tudo.
- Gabriela, eu não queria...
- Acabou! Vai-te embora antes que perca a cabeça.
- Podes pelo menos passar-me o teu número? – Era um perfeito idiota ao fazer uma pergunta destas numa altura destas mas enfim...
Ela pegou num bloco pequeno de notas que estava na mesa onde tinha colocado a mala e pegou numa caneta que estava em cima do bloco e escreveu o seu número. Em segundos entregou-me.
- Adeus. – Disse ela empurrando-me para fora de casa dela.
Antes de sair certifiquei-me se o número que ela me deu era verdadeiro. Mesmo dela. Era verdade. Ela olhou para mim séria e empurrou-me.
- Fora! – Exclamou ela fechando a porta de casa.

E termina aqui.
Espero que tenham gostado.
Parece que a ideia do Bruno não correu como o esperado!

O Capítulo 4 - Parte 2 ainda não sei quando virá. Irei avisar-vos em breve.

Beijos.

24 comentários:

  1. Pelo menos conseguiu o número dela!

    ResponderEliminar
  2. Recuso-me a pensar que o Bruno é idiota. Deves estar a escrever algo que no final vai mudar muita coisa.

    ResponderEliminar
  3. gostei :)
    ainda não entendi o que o bruno quer fazer.

    ResponderEliminar
  4. para policia ele está pouco profissional.

    ResponderEliminar
  5. Acho que eles ainda vão falar outra vez.

    ResponderEliminar
  6. Gostámos do capítulo!
    O Bruno defendeu-a? Será que gosta dela?

    ResponderEliminar
  7. Ele deve ser um pouco idiota, pouco profissional.
    Ela claro que soube que ele estava a espiá-la.

    ResponderEliminar
  8. Ele é inteligente ao ponto de fazê-la acreditar que trabalha nos mesmos ramos que ela.
    Continua!

    ResponderEliminar
  9. ele parece ser um tonto!

    ResponderEliminar
  10. Ele foi esperto em ter o número dela hahaha!

    ResponderEliminar
  11. Nunca pensei que fosse ele a atirar no segurança.

    ResponderEliminar
  12. Eu tinha essa sensação que ela iria saber que estava a ser vigiada.

    ResponderEliminar
  13. Como é que agora o Bruno vai falar com ela?
    Essa parte dos seguidores perdidos está a acontecer na maioria dos blogs. Não sei ainda qual é o problema.

    ResponderEliminar
  14. Não pensava que ela o mandasse embora.

    ResponderEliminar
  15. ela mandou-o embora?! Ela não vai continuar a falar com ele?

    ResponderEliminar
  16. As pessoas dos comentários acima têm já uma ideia do Bruno mas eu ainda não sei se ele é inteligente ou não.

    ResponderEliminar
  17. Foi ele que atirou no segurança?! Ele endoideceu de vez!
    Posta logo.

    Beijos,
    Juh :)

    ResponderEliminar
  18. Ele gosta dela?
    Estou para saber o que ele vai dizer ao colega que ficou plantado no local da festa.

    Beijos.

    ResponderEliminar
  19. Acho que no lugar dela não lhe dava o meu número. Nesse aspecto, esta senhora G foi um bocado "burra". Enfim... O infiltrado não deveria estar nada à espera disto. Admira-me que tenha agido com tanta naturalidade. Haverá alguma coisa no seu passado que o ajuda em momentos assim? Afinal, ele matou um homem...

    ResponderEliminar
  20. Ainda me é uma incógnita o Bruno!
    Posta logo.
    Beijos.

    ResponderEliminar

Obrigada pelo comentário, a sua opinião é importante para o escritor.