segunda-feira, 28 de setembro de 2015

Capítulo 7

Olá Pessoal!
Obrigada pelos comentários.

Sílvia: Não poderei responder a essa tua pergunta, de momento.
Elisa Rodrigues: Obrigada pela opinião. Irei ter isso em conta nas minhas próximas estórias.

Espero que gostem deste capítulo. A estória tem drama adolescente, concordo, mas o drama que eu estou a falar é diferente.

Capítulo 7

Nessa noite, a Carla pôs-se diante do espelho de corpo inteiro que estava no seu quarto. Naquele dia não conseguia tocar nem cantar, não tinha cabeça para treinar para o concurso de música adolescente. Ela ficou apenas a olhar com um ar triste para o seu próprio reflexo. Depois de quase uma hora de experiências, tinha de encarar a dura e bruta realidade. Não havia maneira de ir bonita sem parecer reles. O vestido azul bonito parecia muito simples e ninguém iria perceber que ela queria ser cantora no futuro.
- Isto é ridículo, tenho coisas mais importantes com que me preocupar do que com um ridículo festival! – Disse ela.
Mas depois lembrou-se que seria a mais mal vestida da festa. E voltou a pensar no traje a levar.

***

Dias mais tarde, a tensão estava alta na sala onde decorria a aula de preparação para os exames. A Raquel tentou mostrar-se confiante quando começou a entregar os testes de anos anteriores para treino que os alunos já tinham feito à alguns dias atrás.
- Lembrem-se que este foi apenas o vosso primeiro teste de treino. Vamos fazer muitos mais até ao último dia. – Disse ela.
- Isso é uma maneira de dizeres que os resultados estão péssimos? – Perguntou o João, pousando em seguida a cabeça na mesa, triste.
- Não, nada disso! – Apressou-se a Raquel a dizer – Alguns resultados até foram altos.
- Que resultados? Qual foi o resultado mais alto? – Perguntou rapidamente a Patrícia.
- Isso não tem importância! – Exclamou a Raquel, sendo justa.
- Isso quer dizer que alguns foram péssimos! Estou tramado! Vou chumbar de certeza! Nunca me dei bem com exames. Fico tão nervoso que as palavras não saem, sinto-me mal e não consigo respirar e...
- Luísa, vê lá se calas o teu namorado! Só há lugar para uma “Drama Queen” na nossa família! – Atirou a Patrícia para a irmã.
- Eu dou-te a rainha do drama! – Exclamou a Luísa e, virando-se para o namorado – Por favor, acalma-te João!
Todos tiveram de fazer um esforço para não se rirem.
- E qual foi o resultado mais baixo? – Perguntou a Patrícia, virando-se de novo para a Raquel.
- Acho que isso também não tem importância. – Respondeu a Raquel, sendo justa novamente.
- Discordo. Essa informação é valiosa para o nosso sucesso. E podias também ver a média que esse exame teve e fazer comparação com os nossos resultados.
A Raquel ficou apenas a olhar para ela, boquiaberta. Como é que ela era capaz de dizer uma coisa daquelas?!
- Não tenho tempo para isso. – Limitou-se a dizer – O mais importante é cada um estudar e tirar o seu melhor.
- Discordo novamente. O mais importante é conseguir ter a nota mais alta.
Todos ficaram calados ao ouvir aquela resposta da Patrícia. Até que o Luís decidiu quebrar o silêncio.
- Patrícia, o que eu entendo é que tu tens os teus valores muito abaixo da média. – Murmurou ele.
A Raquel olhou para o Luís, repreendendo-o do que acabou de falar e continuou a entregar os exames. Assim que a Patrícia recebeu o teste, sorriu.
- Está melhor que aqueles que fiz. Mas ainda não é suficiente. – Disse ela, voltando o seu olhar de novo para o seu caderno.
O João espreitou para o exame da Patrícia.
- 18,5? Deves ser uma génio! – Ele parecia escandalizado.
- É provável, sim. De certeza. – Concordou ela, não dando atenção a ele. Continuou a olhar para o seu caderno, mas por momentos lembrou-se de algo e levantou o olhar para a Raquel – E se formasses um grupo mais avançado? Com alunos mais... - Pensou bem na palavra – inteligentes?
- Aqui somos todos por igual, Patrícia. Estamos aqui a ajudarmo-nos uns aos outros. Se achas que já és boa na matéria podias me ajudar a dar um bracinho de ajuda aos que estão com mais dificuldades. – Explicou a Raquel. Embora a voz dela suasse calma, por dentro estava a fumegar de raiva.
- Acho que vou ter que passar mais tempo a estudar sozinha. – Respondeu a Patrícia, revirando os olhos ao ouvir o que a Raquel lhe disse.
- Nem todos os génios tinham grandes notas na escola. – Atirou a Raquel, entregando o exame ao João.
- Eu sabia! Durante o exame estava muito nervoso. É sempre a mesma coisa!
- Estar nervoso não serve para nada! – Disse-lhe a Patrícia – Acontece que há pessoas inteligentes e outras não.
A Raquel ficou parada perto da mesa do professor a olhar para a Patrícia. A irmã gémea da Luísa irritava-a severamente. Ainda há pouco tempo ajudava o João a estudar a segunda guerra mundial, após terem treinado mais um pouco para Shakespeare. Bem se viu o quanto ele se esforçava por estudar e perceber a matéria. História não era o seu forte. Até lhe agradeceu por ter tido um 12,6 no último teste. Não ia deixar uma idiota como a Patrícia destruir tudo o que ele conseguiu concretizar. Nem ele nem os restantes colegas, principalmente a Marta.
- Acho ridículo o que acabaste de dizer. Existem pessoas que estudam mais, mesmo que já saibam a matéria, e acabam por aprender muito mais. – Disse ela.
- É como no teatro. Podemos já saber o nosso papel, mas se treinarmos de novo e pesquisarmos mais sobre a personagem em questão, aprende-se muito mais. – Concordou a Luísa.
A Patrícia olhou séria para a irmã.
- Continuem a acreditar nisso! Eu, felizmente, sou inteligente e trabalho muito.
A Luísa olhou para o seu relógio de pulso.
- Bem... não tenho paciência para isto! Vou ensaiar o Shakespeare. – Disse ela levantando-se da cadeira e colocando a mochila no ombro.
- Vais-te embora?! – Perguntou o Luís.
- Claro, - Disse ela virando-se para ele – Não tenho paciência para ouvir estas coisas. O teatro em primeiro lugar! – E, virando-se para a Raquel – Desculpa.
- Ok. – Foi o que apenas a Raquel respondeu.
Se fosse uma boa explicadora, convenceria a Luísa a ficar, mas como não o é...

Nesse momento, o director Diogo e padrasto da Marta aparece na porta.
- Como está a correr? – Perguntou ele – Estão bem encaminhados?
- Eu ia-me encaminhar para fora da porta. Tenho que ensaiar. – Disse a Luísa.
- Espere menina Luísa! Vai embora da aula de preparação para os exames?
- Sim. Vou-me embora de vez.
- Só fazes é bem! – Murmurou a Patrícia.
A Raquel apressou-se a explicar fazendo de conta que não ouviu o que a irmã gémea da Luísa disse.
- A Luísa tem um problema com os horários.
- Vou ter que sair. – Disse a Luísa.
O director viu a folha do exame da Luísa e pediu-lhe para ver. Ela deu ao director, contrariada.
- 8,5? Não achas que é baixo?
- Isso não contribui em nada para o meu futuro. – Respondeu ela.
- Contribui e demais! – Exclamou a irmã gémea dela.
A Luísa olhou para trás, para a irmã. De seguida, afastou-se do director e saiu da sala.
- Raquel, posso falar contigo lá fora por um instante? – E virando-se para os restantes alunos – Continuem a estudar, voltamos já!
A Raquel começou a respirar fundo. Não era bom sinal quando o director a mandava falar a sós com ele.
- Não podes deixar a Luísa sair das aulas de preparação para os exames. Viste a nota que ela teve neste primeiro exame escrito?
- Eu sei, mas as aulas não são obrigatórias.
- Tenho confiança que tu vais conseguir convencê-la a regressar. Ela mostra ser uma grande aluna, mas está sempre a pensar no teatro e no seu futuro e isso faz ela baixar a nota. Confio em ti para fazeres esse trabalho!
- Obrigada, director. – Foi o mínimo que a Raquel pôde dizer.

Termina aqui o capítulo 7.
Espero que tenham gostado.

Já atualizei as próximas postagens para os próximos três capítulos desta estória. O mês de Outubro será um tanto complicado.

O Capítulo 8 vem na Quinta-Feira, 01 de Outubro.
O Capítulo 9 vem na Quinta-Feira, 08 de Outubro.
O Capítulo 10 vem na Segunda-Feira, 12 de Outubro.

Após o dia 12 de Outubro, o post pode demorar.

Beijos.

segunda-feira, 21 de setembro de 2015

Capítulo 6 (Parte 2)

Olá Pessoal!
Obrigada pelos comentários. Vou responder, uma vez mais, a alguns que necessitam resposta.

Anónimo (Penúltima pessoa a comentar): Obrigada pelo comentário e pela disponibilidade. É importante para mim receber comentários de todas as pessoas que lêem.

Anónimo (Última pessoa a comentar): Para saber isso vai ter que comprar o livro porque o ano estará apenas lá! Também penso ser a única portuguesa a escrever estes géneros. Não sei o que poderá acontecer no futuro, tudo dirá depois do livro. Obrigada pelo comentário. Foi muito bom ler as suas palavras.

Ninguém está a entender ao certo onde se encontra o drama, mas o "drama adolescente" que falam não é o que está presente na estória.
Só espero que não acabem surpreendidos com o que aqui está. Estou apenas a avisar que haverá drama!
Espero que gostem desta última parte do capítulo.

Capítulo 6 (Parte 2)

No dia seguinte, o Luís, o Ricardo e o João estavam no bar da escola a tomar o pequeno-almoço.
- Posso sentar-me ao pé de vocês? – Perguntou a Carla, interrompendo a conversa deles.
Estava de pé junto da mesa deles, com o tabuleiro do pequeno-almoço nas mãos.
- Claro. – Disse o Ricardo, prontamente.
Todos lhe saudaram. Nesse momento, vêem a Luísa a chegar também.
- Olá! – Disse ela num tom de voz alegre – Preparados para o festival?
O Ricardo teve de se conter para não suspirar. Será que ninguém conseguia falar de mais nada a não ser daquele festival ridículo?
O Luís respondeu à Luísa.
- Podes ter a certeza que sim. Já tenho o smoking!
- Pois… - a voz da Luísa esmoreceu – Eu já contei à Carla o meu problema e preciso de ajuda, rapazes! – Disse ela, sentando-se ao lado deles.
- Ajuda para quê? – Perguntou o Ricardo – Parece que tens o teu futuro delineado.
- Sei que quero seguir representação, mas queria ir para hotelaria e turismo porque viver apenas da representação é um tiro no escuro. – Respondeu ela, num tom dramático – Preciso de conselhos. Tenho várias ideias para roupa e são todas tão boas que não sei qual delas hei-de escolher!
- Bom... em que é que pensaste? – Perguntou o João.
- Primeiro, lembrei-me de ir vestida de actriz famosa. – Explicou a Luísa – Tenho até um troféu que pode muito bem parecer um Óscar. Depois pensei em ir vestida de hospedeira de bordo. E fico-me por aqui.
- Desculpa dizer-te, mas... e que tal se fores vestida de mimo? – Perguntou o namorado, tentando ser engraçado.
- João, existem sempre pessoas com opções de carreira limitadas! O que não é o meu caso. – Atirou ela.
- Isso são muitas opções de escolha, Luísa! – Disse ele, tornando-se sério.
- Por isso é que eu pedi uma opinião, João! – Exclamou a Luísa, respirando fundo – Que fato devo levar?
- O de actriz famosa. – Respondeu o Luís – É o que parece o mais acertado.
O Ricardo e o João acenaram com a cabeça.
- Os teus trajes vão sair horrendos! – Exclamou uma voz atrás da Luísa. Era a Marta a aproximar-se deles com o seu tabuleiro. A Luísa mostrou-se ofendida.
- Tu tens que os ver!
- Não preciso de ver. As ideias são muito boas, mas os trajes não. Originalidade precisa-se!
A Luísa cruzou os braços.
- Qual é a tua ideia?
- Agora não tenho tempo para te ajudar. A tua irmã já me dá problemas que cheguem!
- O que é que aconteceu? – Inquiriu o Luís.
- Eu pedi ajuda a ela para ser a minha modelo. Tudo o que preparasse seria para ela. Mas a Patrícia tem ideias muito escandalosas.
A Luísa riu.
- Quem te deu a ideia da minha irmã ser a tua modelo?
- A Raquel. Originalmente tinha pedido ajuda a ela.
- Mas ela está a treinar para o Shakespeare. – Contou o João.
- Claro que está! – Exclamou, chateada, a namorada.
- Mas enfim... vou tentar que ela continue a ser a minha modelo. Eu já te ajudo no traje, Luísa. – Disse a Marta, respirando fundo de seguida.
A Luísa virou-se para a Carla.
- E tu, Carla? Que fato é que vais levar?
A Carla hesitou.
- Ainda não tive tempo para pensar nisso – Disse, por fim – Sei que quero qualquer coisa que tenha a ver com música, mas ainda estou a tentar decidir o que será.
- Acho bem! Seguir a carreira na música! Como vai os treinos para o concurso de música adolescente?
- Bem. Acho que a Raquel deveria aderir.
- Também acho que sim. – Concordou prontamente a Marta – Temos que obrigá-la a fazer isso!
- Bem, amigos, gostava de continuar aqui, mas tenho de sair. Vemo-nos na aula. – Disse a Luísa afastando-se deles com o seu tabuleiro.
- O mais certo é vestir qualquer coisa com ar de ter saído de Hollywood! – Exclamou o João, abanando a cabeça. A Luísa já estava bem longe e não ouviu o que ele tinha dito.
- Ela é tua namorada, devias saber. – Falou o Luís, brincalhão.
- A Luísa é um bocadinho obsessiva com isso do teatro. – Concordou o Ricardo – Mas até acho bem ela saber exactamente aquilo que quer.
- Ela não sabe o que quer, Ricardo! Ela esteve a dizer que queria seguir Hotelaria e Turismo. – Disse a Marta, e voltando-se para a Carla – Estás bem? Pareces muito calada.
- Estava só a pensar no meu traje. – Respondeu ela.
- Pois, a roupa fabulosa de cantora que vais arranjar. Tens alguma coisa?!
- Sim, tenho um vestido azul muito bonito. Estou a pensar levá-lo. – A Carla sabia que o vestido era ridículo, mas era a única solução que tinha para ir para o festival.
O João, o Luís e a Marta afastaram-se e ficaram apenas o Ricardo e a Carla.
- É verdade, não te cheguei a contar o que me disse a psicóloga da escola. – Disse ele para uma Carla pensativa.
Ela fez por sorrir e acenar, apenas. Não ouviu uma única palavra do que o namorado disse. Estava demasiado distraída a tentar imaginar como havia de ir vestida de cantora... e parecer bonita.

Termina aqui o capítulo 6.
Espero que tenham gostado.

O Capítulo 7 vem na Segunda-Feira, 28 de Setembro.

Beijos.

quinta-feira, 17 de setembro de 2015

Capítulo 6 (Parte 1)

Olá Pessoal!
Obrigada pelos comentários. Vou responder, mais uma vez, a alguns que necessitam resposta.

Juliana Dindarova: As duas "vilãs"!
Elisa Rodrigues: Não tenho segredo! A verdade é que depende da história (estória) que tenha no blog no momento. Se for boa tenho uma boa resposta, se a maioria não gostar perderei seguidores e leitores.

Espero que estejam a gostar de História de uma Adolescente - Parte II.

Eu informei os meus leitores fantasmas (pessoas que lêem e não comentam) na minha Página do Facebook (se clicar irá parar à publicação) para que comentassem para eu tivesse alguma resposta ou opinião:

"Caro leitor fantasma!
A sua opinião sobre o enredo é importante para a autora. É fundamental para eu poder ter inspiração e continuar a escrever. A estória é de todos os leitores e não apenas da autora. Críticas e sugestões são sempre bem-vindas!
Obrigada pela sua atenção e faça o favor de clicar em comentar e dizer alguma coisa."

O número de visualizações está a ser muito superior aos comentários e confesso que esta é a primeira vez que está a subir tanto! Por favor, leitores fantasmas, comentem!
Termino aqui as minhas notas.

Aqui está a primeira parte do capítulo 6.

Capítulo 6 (Parte 1)

A Carla estava com o Ricardo, após as aulas. Os dois foram comer uma pizza. Tinham falado sobre as aulas de preparação para os exames e concordado que mal podiam esperar para fazer o exame para terminar toda aquela angústia. Tinham falado também sobre o espectáculo do Romeu e Julieta, onde a Raquel e o João seriam os protagonistas, e decidido que teriam que começar a ensaiar os seus papéis. A Carla sabia que, mesmo com a boa conversa, o namorado não estava muito bem. Parecia preocupado.
- Estás preocupado? – Decidiu perguntar-lhe. Ele afirmou com a cabeça.
- Os meus pais disseram-me que receberam uma chamada. Posso entrar numa empresa. Não me devia preocupar já que sempre quis ser modelo mas... agora que estou no último ano de secundário, o futuro parece muito mais perto do que antes. Não sei o que fazer.
- Ainda temos algum tempo para decidir isso.
- Algum... mas o tempo tem-se esgotado aos poucos. Vou ter que escolher alguma coisa.
- Mas seguir a moda não era o que querias?
- Mas isso pode terminar. Não vou ser modelo toda a vida!
- Entendo... Então, estás a pensar vestir o quê no dia da festa?
- Não sei. Talvez opte por um smoking, um pouco diferente do Luís, já que ele sabe que vai ser advogado num futuro próximo.
- Se isso te faz sentir melhor, ainda não consegui arranjar uma boa roupa para levar, e isso começa também a deixar-me preocupada.
- As pessoas dizem que devemos concentrar-nos naquilo que gostamos, mas se só me centrar na moda não vou ter grande coisa. Se calhar, o melhor é arranjar um emprego bem pago.
A Carla respirou fundo. Como é que havia de conseguir ajudar o namorado se ela também estava preocupada com o seu próprio futuro? Que roupa iria levar na festa?
- Não sei, Ricardo. Desculpa. – Disse ela, pegando nas suas coisas e levantando-se da cadeira. – Se calhar, o melhor é ires marcar um dia com a psicóloga da escola. Eu não sou uma boa ajuda! Até amanhã.
E dizendo isto, despediu-se do namorado.

Termina aqui a primeira parte do capítulo 6.
Espero que tenham gostado.

Em breve irei colocar uma sondagem/enquete (PT-BR) para votarem qual é a próxima estória que vocês desejam ler no blog.
O Capítulo 6 (Parte 2) será postado na Segunda-Feira, 21 de Setembro.

Beijos.

sexta-feira, 11 de setembro de 2015

Capítulo 5 (Parte 2)

Olá Pessoal!
Obrigada pelos comentários. Vou responder, mais uma vez, a alguns que necessitam resposta.

Andreia Moreira: Oh, é uma pena! Quanto ao autógrafo, vou pensar ainda em alguma coisa quanto a isso. Talvez ainda possas vir a ter. Obrigada pelo apoio.
Elisa Rodrigues: Para quem está em Humanidades no Secundário provavelmente o exame de História é o mais difícil!

A pergunta da Elisa provavelmente também foi a vossa ao lerem o capítulo.
- Por que razão o dividi?
- Porque agora as coisas vão ficar um pouco mais "dramáticas". Vão entender isto mais à frente!

Agradeço às duas pessoas que viram o post anterior, Aviso, e que me responderam que queriam ir ao lançamento do livro "A Escola do Terror" e que estavam por Lisboa. É bom saber que vou finalmente conhecer pessoalmente dois leitores que estiveram comigo há mais de um ano.

Bem, espero que estejam a gostar desta história (estória). Aqui têm a última parte do capítulo 5.

Capítulo 5 (Parte 2)

No dia seguinte, depois das aulas, a Raquel e o João estavam a estudar a cena que iam representar, em casa da Raquel. Trabalharem juntos era realmente um tormento. A Raquel tinha se mentalizado que nunca mais iria colocar a sua cabeça no canto. O teatro seria diferente, um pouco.
Uma hora passou e eles ainda não tinham passado da primeira página. O João sempre fazia brincadeiras ou representava mal.
- João! Por favor! Eu preciso da nota. Imagina que a stora quer que esta peça seja para avaliação da disciplina? Preciso de ir com boa nota para o exame. E imagino que tu também queiras.
- Claro. Dá-me só um segundo para entrar dentro da personagem.
A Raquel respirou fundo e fechou por momentos os seus olhos. “Porquê eu como Julieta?!” – Pensou.
Quando abriu os seus olhos, viu que o João estava de novo a fazer uma brincadeira.
- João! – Repreendeu – Achas que é fácil para mim desempenhar alguma personagem? Não é! Mas eu preciso da nota. Sabes que mais? Amanhã vou falar com a professora de História e pedir-lhe para ficar com outra pessoa.
- Raquel, espera. Desculpa. Estou só nervoso, está bem? – Ele travou-a – Gostavas de ter visto a cara da Luísa quando lhe disse que vinha treinar o Romeu e Julieta.
A Raquel sorriu.
- Imagino. Ela ficou a olhar para mim. Séria.
- É a segunda vez que faço isto. A primeira tive com tanto medo do palco que desatei a correr.
- E achas que eu não tenho? Claro que eu tenho. Mas preciso da nota, João.
Nesse momento, alguém bate à porta. A Raquel vai abrir. Era a Marta.
- Olá Raquel! Precisava de falar contigo. – Ela viu o João – Olá João!
- Marta, eu estava a ensaiar com o João o Romeu e Julieta. – Começou a Raquel.
- Eu vou precisar de uma modelo para as minhas roupas. Estava a pensar em ti.
- Em mim? Desculpa, mas é impossível! – Respondeu ela. Depois, pensou – Mas tenta falar com a Patrícia. A irmã da Luísa pode ajudar.
- Eu pensava que ela estava muito atenta com o estudo para o exame e não me lembrei dela.
- Com certeza que ela vai te dizer que sim. Até amanhã. – Disse ela, empurrando a amiga para fora de casa. 
Ao fechar a porta, voltou a olhar para o amigo. O João riu-se.

Termina aqui a última parte do capítulo 5.
Espero que tenham gostado.

O Capítulo 6 também será dividido em duas partes, mas, neste caso, será devido ao tamanho do capítulo.
O Capítulo 6 (Parte 1) será postado na Quinta-Feira, 17 de Setembro.

Beijos.

segunda-feira, 7 de setembro de 2015

Aviso

Olá Pessoal!
Espero que tenham começado bem o mês de Setembro.

Sei que tenho alguns leitores que apenas mantenho contacto pelo blog e gostaria de saber se alguns de vocês poderiam ir ao dia do lançamento do livro "A Escola do Terror", caso estivessem em Lisboa (Portugal).

Caso queiram e estejam a viver em Lisboa podem comentar aqui no post ou mandar-me mensagem pela Página do Facebook: Diana Pinto.

O Capítulo 5 (Parte 2) virá na Sexta-Feira, 11 de Setembro.

Obrigada e beijos.