AVISO...

Olá Pessoal!

Já avisei na Página do Facebook e decidi avisar no blogue também.

Na página Livros têm os links onde poderão comprar o livro "A Escola do Terror".


Aviso mais uma vez que tem alterações ao que está no blogue!


Obrigada.

sexta-feira, 17 de abril de 2015

Novas informações

Olá Pessoal!
Espero que esta semana tenha sido fácil para vocês.
Confirmei ontem que haverá continuação da parceria com a Letícia Alvares. Haverá Por Trás da Cena. Só pedimos paciência.

Bem... tal como vos disse no post anterior, têm aqui os novos dias de post.

Excerto/trecho do Capítulo 13: Sexta-Feira, 1 de Maio.
Atenção: Será só postado na Página do Facebook.

Capítulo 13: Sexta-Feira, 8 de Maio.

E é isto.
Vi os comentários e irei responder no post com o capítulo 13.

Beijos e até lá.

segunda-feira, 6 de abril de 2015

Capítulo 12 - A Voz

Olá Pessoal!
Espero que tenham tido uma boa Páscoa.
Obrigada pelos comentários. Parece que estão indecisos entre o velho e a Monalisa no entanto, com o capítulo anterior e já lendo a conversa sobre espíritos malignos, já acham que a Monalisa é uma vitima.
Acho que vão ter a certeza que ela é uma vitima com este capítulo.

Quanto aos votos para a próxima história, História de uma Adolescente - Parte II está a vencer. Está com três votos a mais que Memórias Guardadas. Quem ainda não votou ainda vai a tempo.

Avisando que esta história vai terminar no capítulo 15 (mas só no 15 será desvendado o verdadeiro assassino, por isso fiquem ligados!).

Capítulo 12 - A Voz

- Tu e a tua tia eram muito próximos? - perguntou Monalisa, de mão dada com João Paulo.
- Muito, na verdade. Custou-me um pouco a morte dela mas...ela tinha morto alguém, não era?
- Pois. Eu entendo.
- Bem... eu queria ir ver como estavam as coisas por lá com o Bruno e o César.
Ela colocou a mão na testa.
- Esqueci-me de dizer ao Luís que já te tinha encontrado.
- Eu vou ter com ele, eles devem estar lá. - disse ele.
- Não, eu vou à procura dele e tu ficas aqui.
- Não, de maneira nenhuma. Depois vou ter que ir à tua procura outra vez. Fica aqui que eu já vou ter contigo. - disse ele, afastando-se.
Ela ficou ali, sozinha, em pé...e a ouvir o seu nome vindo de uma voz feminina.
- Sai da minha cabeça! - gritou ela.

"Tens que me ajudar! Preciso de ti ou morres!"

- Não quero saber!

"Deverias saber! É do teu futuro que estás a falar"

- Sai da minha cabeça! - disse ela a chorar e a sentar-se no chão.

***

Entretanto, todos estavam reunidos numa outra sala a jogar a mais um jogo.
- Porque te ris? - perguntou a Luísa.
- Porque são todos uns idiotas. - respondeu o César.
A Cátia mudou de assunto.
- Vocês viram a Raquel? Já há algum tempo que não a vejo.
- Não te preocupes. De certeza que está com alguém. - respondeu a amiga, bebendo um pouco de cerveja.
O César bebeu um pouco de cerveja e chamou o amigo.
- Bruno! Amo-te!
- O que é que disseste?! - disse o amigo - Não sou homossexual, amigo! Lamento. Isso é de tanto beberes!
Todos se riram, incluindo o César.

***

- Eu vi a tua tia, João! - falou a Monalisa assim que o João voltou a ir ter com ela.
- Mas isso é impossível! Ela não está viva! Ela morreu! - exclamou ele, também transtornado.
- Ela está aqui. - afirmou ela.
- Não! Pára de ver coisas! Pára de tentar iludir-me. Ela está morta! Pensa que ela está morta e deixa de te tentares massacrar. Ela morreu! O teu marido morreu. Estão mortos. Os dois. Queres ir embora? É isso?
- Não, não quero! - disse ela, a chorar.
- Então tenta pensar noutra coisa. Vamos ter com eles e passar o resto da noite a divertir-nos.
Ela apenas afirmou com a cabeça.


Aqui está. Pronto.
Espero que tenham gostado.
O que acharam disto tudo?

- A Monalisa parece desestabilizada psicologicamente?
- Será que está certa?
- A Monalisa ouviu realmente a voz da Beatrice, a tia já falecida do João Paulo?
- A Raquel já está a deixar os colegas preocupados. Ela morreu mas...por onde andará o corpo dela?

Não sei quando será postado o capítulo 13, mas também pretendo postar um trecho/excerto do capítulo na Página do Facebook portanto, em breve faço um post com essas datas.

Beijos.

sexta-feira, 3 de abril de 2015

Capítulo 11 - A Desaparecida

Olá Pessoal!
Vi as vossas perguntas sobre a possível morte do João Paulo quando postei o excerto/trecho na página do Facebook e decidi não revelar a verdade. Quanto aos espíritos malignos... deixo a vosso critério.

Queria que vocês começassem a votar na próxima história:
Dupla Fatal;
Memórias Guardadas;
OU
História de uma Adolescente - Parte II. (A primeira parte pode ser lida AQUI, caso ainda não tenha lido).
Para puderem tomar a decisão têm o género delas na página "Histórias".

Aqui têm o capítulo 11 (finalmente).
Espero que gostem.

Capítulo 11 - A Desaparecida

- Monalisa? - perguntava João Paulo.
Entrou dentro do local da festa, que continuava vazio e onde o Simão foi morto.
- Monalisa?
Depois de revistar o local, onde não tinha encontrado nada, saiu, assustando-se logo de seguida com passos que iam em sua direção. Ele aproximou-se do barulho. Era o Luís, um dos rapazes universitários.
- Assustaste-me!
- Tu é que me assustaste. - disse ele - Que fazias aqui?
- Estava à procura da Monalisa. Viste-a?
- Não, tu viste o Simão? Estava à procura dele.
- Também não o vi. A rapariga loira também anda desaparecida.
- A Raquel? Sim. Não sei o que se passa com eles.
- Continua a procurar. - falou o João Paulo afastando-se do Luís.
Ele continuou a procurar. "Onde será que ela se meteu?" - pensou. Encontrou uma casa ali perto e abriu a porta. Estava tudo escuro lá dentro. Alguém acendeu uma vela.
- Vê-se melhor cá de dentro!
- Peço desculpa, a porta estava aberta e... - ele olhou para o homem. Era um senhor já idoso, com os seus 60 e tal anos. Um pouco assustador - ...procuro uma amiga minha. Pensei que talvez estivesse aqui.
- Uma amiga tua? Tem nome?
- Monalisa.
O velho não teve tempo para responder. A Monalisa tinha aparecido perto dele, com a voz um pouco sumida. Esteve a correr.
- Vamos! - exclamou ela, levando-o pelo braço.
O velho ficou a olhar para o chão, a rir-se.

- Que horror! Assustou-me completamente! - disse ele - Onde estavas?
- Estava... - Monalisa não sabia o que responder.
- Estás bem?
- Sim, estou bem.
- Que se passa com este homem? Que faz ele aqui? - perguntou ele.
- Parece que é o dono destas terras.
- Há algo de muito estranho neste lugar. Acho que me arrependo de ter vindo para aqui esquecer o meu... - fez uma pausa - passado.
- Estiveste lá dentro? Com o homem?
- Sim, estava muito amável e simpático, e de repente pôs-se a dizer disparates. - Ele riu-se - Talvez estivesse a gozar comigo. Ele tem ar de louco. A aparência dele é assustadora.
- Porque é que ele iria gozar contigo? - perguntou ela.
- Não sei. Talvez seja apenas algo para nos assustar. Sabes que muita gente gosta de fazer isso. - ele ficou preocupado com a reação dela - O que foi?
- Acreditas na vida depois da morte?
O João Paulo achou estranha a pergunta dela.
- Queres dizer na reencarnação?
- Não, em espíritos malignos. Coisas dessas.
- Que queres dizer? - João Paulo não estava a entender nada.
Ela aproximou-se dele.
- Como se alguém nascesse malvado, ou louco, e ao morrer o seu espírito ou alma continuasse viva só que na pele de outra pessoa.
Ele riu-se.
- Não. Não acredito nisso. Além disso, não acredito em espíritos malignos, fantasmas e coisas dessas. Tu acreditas?
A Monalisa riu-se.
- Não. Claro que não. Apenas perguntava.
O João Paulo ficou sério.
- Eu sei que sentes a falta do teu marido. Tenho a noção disso mas...
Ela interrompeu-o.
- Não, não é nada disso. Vamos mudar de assunto.
Ele olhou para Monalisa.
- Tens a certeza?
Ela respirou fundo.
- Eu já não penso no meu marido. Não sei... Eu não penso nele como pensava que iria pensar.
- É o tempo que passaste aqui? Fez-te esquecer?
Ela sorriu.
- Acho que não foi isso. Acho que foi mais a quantidade de pessoas que entraram na minha vida. Tu principalmente.
- O que é que estás a querer dizer? - disse ele a parar de andar.
- Acho que me apaixonei por ti. Provavelmente. - responde, a parar à frente dele.
O João Paulo ficou chocado por breves segundos.
- Não fazia ideia, Monalisa. Estou um pouco chocado, admito.
- Eu sei que sim. - disse ela a recomeçar a andar.
- Espera! - pediu ele, agarrando o braço dela.
Ele aproximou-se dela e beijou-a. O velho, que estava ali perto, viu-os com uma expressão séria.

Aqui está. Pronto.
Já esperavam que algo acontecesse entre o João Paulo e a Monalisa?

O Capítulo 12 vai ser postado na Segunda-Feira, 6 de Abril.

Beijos e Boa Páscoa.

quarta-feira, 1 de abril de 2015

Capítulo 11 de Memórias Aterradoras

Olá Pessoal!

Hoje decidi avisar-vos que o capítulo 11 da história Memórias Aterradoras irá ser postado no dia 3 de Abril, Sexta-Feira.

Para quem ainda não leu, deixei um trecho/excerto do Capítulo na página de Facebook: AQUI

Peço que aguardem.

P.S - Não, não é mentira!

Beijos.