domingo, 22 de fevereiro de 2015

Capítulo 8 - A Festa (Segunda Versão)

(Observação da autora no dia 05/10/2018 - Corrigi possíveis erros ortográficos deste projeto chamado "Memórias Aterradoras". Já é possível relê-lo de forma mais adequada. Não sei se será lançado em livro algum dia, mas não alterei qualquer palavra ou enredo, apenas erros).

Atenção: Capítulo com conteúdo sexual. Esta versão tem a descrição que faltava na primeira versão.

Capítulo 8 - A Festa

Tudo esteve preparado para a festa que iria ocorrer naquela noite. O Bruno e o César eram os cantores de serviço e as três raparigas tentavam seduzir os seus três "amigos". Um deles tentava namoriscar com a Raquel, a loira. A Monalisa e o João Paulo bebiam e tentavam passar um bom bocado, na companhia de novas pessoas.

Raquel afastou-se do local onde todos estavam a divertir-se com o rapaz. Foram para uma cabana que estava ali perto.
– Eu percebi que querias alguma coisa de mim, André. – Falou Raquel para o rapaz.
– Parece que fui bem explícito. – Disse ele.
Os dois aproximaram-se. A Raquel tinha a certeza dos seus sentimentos por André. E sabia também o quanto o rapaz gostava dela. Não que quisesse magoá-lo de todo, mas sendo o último ano, sabia que ele acabaria por esquecer-se dela. Eram adolescentes e universitários.
– Toca-me. – Pediu ela, enquanto se despia devagar. A Raquel mostra-se segura de si e pouco percebe que está prestes a cometer um erro. O coração do pobre rapaz dispara e o sangue é bombeado para todo o seu corpo, em míseros segundos. Um desejo quente e intenso invade o corpo dele, enquanto o mesmo toca no corpo de Raquel. O pedido dela parecia quase uma ordem para os ouvidos de André. Como o amor pode ser traiçoeiro! Em poucos segundos, ele estava já com as suas costas contra uma das paredes da cabana, saciando o desejo dela. Ou o quer que fosse.
– Gostas? – Perguntou a Raquel, uns segundos mais tarde.
– Sim. – Respondeu ele, gaguejando a palavra com uma voz rouca.
– Toca-me. – Pediu ela, mais uma vez, mas, em segundos, faz ele afastar-se dela. Ela podia perfeitamente, neste momento, pensar claramente no que estava a fazer, mas, em vez disso, perguntou:
– Queres ver algo sensual?
– Sim.
O pobre rapaz, não estando já o mais excitado possível, ainda cedeu às ordens de Raquel. A rapariga, suavemente, deslizou as alças do seu pequeno fato para baixo.
– André... toca-me. – Voltou a pedir ela, enquanto dançava sensualmente e tirava lentamente a sua roupa.
– Sim. Como queres que te toque?
Raquel aproximou-se dele e André começou a tocar-lhe nos ombros, descendo depois até ao peito. A respiração dele ficou presa por breves segundos, possivelmente para tentar acalmar o desejo que sentia e que, claramente, era mais visível que o dela.
– Assim?
– Sim. – Respondeu ela, baixando as alças do seu sutiã.
– Oh, Deus! – Exclamou ele, não conseguindo tirar os olhos do corpo da universitária.
Pela primeira vez, o André tinha a Raquel "na mão", tal como ele queria. Pensava ele.
– Põe-te mais sensual para mim. – Pediu, já não conseguindo acalmar o seu próprio desejo. Queria beijá-la e possuir o seu corpo.
– Sim... – Sussurrou ela, não tendo a capacidade de perceber o que a próxima atitude dele iria causar-lhe.
André aproximou-se mais dela. A falta de espaço entre os corpos foi incomodativa para Raquel. Neste momento, ela começou a perceber o que tinha acabado de causar.
– Espera! – Disse ela, um pouco alarmada.
Ele não fez caso. O seu desejo era muito para puder aceitar este pedido. Aproximou-se dela e beijou-a. A Raquel quis afastar-se. Na verdade, ela não queria fazer amor com ele, apenas quis excitá-lo, de alguma forma. Deu-lhe uma ideia diferente.
– Não, não. Pára! Não, André. Pára! – Gritou ela, tentando afastar-se dele, sem êxito. Neste momento, era André quem estava a apertá-la contra a parede e não ele no lugar dela, a tentar arrefecer o seu desejo, encostando as suas costas na parede fria da cabana.
A seguinte atitude dele foi de obsessão. Tendo a certeza, neste momento, que ela estava apenas a excitá-lo, André tentou tapar a boca de Raquel, mas ela deu-lhe um estalo. O ar de erotismo terminou para dar lugar ao ódio. Depois de uns segundos parados devido ao barulho e à dor que o estalo causou, ele afastou-se furioso da universitária e saiu da cabana.

Dentro do local onde ocorria a festa, os outros dois amigos notaram a falta do André.
– O que será que terá acontecido?
André aproximou-se dos amigos.
– O que é que te aconteceu? – Perguntou um deles.
– Vocês tinham razão! Não poderia dar-lhe nem que estivesse em coma. Idiota! Prostituta! – Exclamou ele, chateado.
Os dois amigos olharam-se e riram-se.
– Eu sabia que ela não iria querer nada contigo. Tu não nos deste ouvidos.
– Ela usou-me! – Disse o André, cruzando os braços.
Um dos amigos colocou-lhe a mão no ombro.
– Não fiques assim! É o nosso último ano, daqui a umas semanas já não a vês. Elas são loucas! Só querem nos excitar e deitar fora.
– Nem praticar o acto sexual elas querem! – Disse o outro amigo – Deve ser para se armarem em virgens! Mas elas já devem ter perdido a virgindade com outros fora da faculdade.
André riu-se.
– Vocês têm razão! Ela não me interessa. Só me usou! Não me devia ter apaixonado por aquela prostituta! Mas agora vamos esquecer isso, ainda temos uma festa pela frente!
– É assim que se fala! – Disseram os amigos, dando-lhe um copo com vodka.

Entretanto, Raquel, que ainda estava a vestir-se, ouve um barulho perto da cabana.
– André? – Fez uma pausa – André? És tu?
Ela aproximou-se para a porta e espreitou. Não viu ninguém. Mas ela sabia que tinha ouvido algo.
– Olha, André, se és tu... lamento ter-te batido. Vamos, a sério. – Raquel achou que fosse uma brincadeira dele e riu-se – André? Estou-te a ver... sai daí! André? – Fez uma pausa – Vamos, a sério. Está frio. Por favor! – Fez uma outra pausa – Bem... sabes que mais? Já me desculpei.
Ela voltou para dentro da cabana com frio e já um pouco assustada. Quando entrou lá dentro, uma pessoa com uma máscara preta atacou-a com uma faca. A Raquel gritou por socorro.
– Não me faças mal! Não!
Ela tentou correr mas a pessoa fechou a porta da cabana e agarrou-a.
– Deixa-me ir! Deixa-me ir, por favor!
A pessoa começou a atacá-la, a ferir-lhe o braço. A Raquel gritava. Segundos depois... silêncio.


Fim do Capítulo 8 (Segunda Versão).

23 comentários:

  1. Melhor que a primeira versão.

    ResponderEliminar
  2. Prefiro esta segunda versão.
    Continua!

    ResponderEliminar
  3. posso ser muito puritana, mas apreciei mais esta versão. percebeu-se melhor a reação do andré.

    ResponderEliminar
  4. Com esta versão eu percebi melhor a coisa boa que foi a morte da Raquel. Optem por essa versão.

    ResponderEliminar
  5. Acho que os leitores sensíveis leriam bem esta versão sem qualquer problema.

    ResponderEliminar
  6. Muito melhor que a primeira versão.

    ResponderEliminar
  7. Esta versão foi muito melhor que a primeira.
    Prefiro esta.

    ResponderEliminar
  8. tá lindo.
    posta logo.

    beijos,
    Natasha Alyosha.

    ResponderEliminar
  9. adorámos!
    preferimos esta versão.

    ResponderEliminar
  10. Acho que deveriam ter ficado com esta versão.

    ResponderEliminar
  11. Aquele momento estranho em que a segunda versão é melhor que a primeira.
    Eu prefiro essa. Mil vezes essa.
    Posta logo.

    Beijos.

    ResponderEliminar
  12. Acho esta versão muito melhor que a primeira.

    Beijos :)

    ResponderEliminar
  13. o capítulo ficou muito melhor.

    ResponderEliminar
  14. Acho que esta versão ficou muito melhor.
    Posta logo.

    Beijos :)

    ResponderEliminar
  15. Essa versão foi melhor! Sou muito puritana e gostei.

    ResponderEliminar
  16. Com esta versão deu para dar mais raiva à Raquel.

    ResponderEliminar
  17. Se eu não lesse a palavra "possuir" nunca iria associar ao Vasco.
    Eu gostei muito dessa versão.
    Devia ter sido postada em primeiro lugar.

    ResponderEliminar
  18. Estou naquele momento em que não sei se a Raquel devia morrer ou não. Eu gostava dela mas sei que ela fez mal ao André.
    Essa versão foi melhor que a primeira.
    Posta logo.

    Beijos,
    Juh :)

    ResponderEliminar
  19. O assassinato da Raquel foi muito bem escrito, gostei. Não sentia nada em relação a ela, então estou indiferente quanto à sua morte.
    A primeira versão ficou muito confusa e sem sentido, esta ficou bem melhor.
    Beijos.

    ResponderEliminar

Obrigada pelo comentário, a sua opinião é importante para o escritor.