AVISO...

Olá Pessoal!

Já avisei na Página do Facebook e decidi avisar no blogue também.

Na página Livros têm os links onde poderão comprar o livro "A Escola do Terror".


Aviso mais uma vez que tem alterações ao que está no blogue!


Obrigada.

sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

Capítulo 3 - A Viúva Negra

Olá Pessoal!
Obrigada pelos comentários. É bom saber que estão a receber bem esta história.
Como vos correu a semana?! Espero que tenha vos passado bem.
Esta semana, França (e todos os restantes países mas principalmente França) foi abalada com um ato terrorista, um ato de roubo à liberdade de expressão: Je Suis Charlie. Não quero me pronunciar muito sobre o assunto. Deixo apenas aqui uma referência.

Enfim...aqui está mais um capítulo. Neste capítulo, junta-se a comédia do Vasco aos "meus mistérios e suspenses".
Espero que gostem.

Capítulo 3 - A Viúva Negra

Foi essa vaca que tinha acabado de sair da mãe que foi passar a dormir connosco, na cama. A razão? A mãe morreu no parto e o pai morreu passado uns dias. A vaca ficou órfã e a Beatrice quis levá-la para a nossa casa para tomarmos conta dela. 
Pensámos em ter filhos mas ela não engravidava. Acho que foi naquela altura que percebi porque é que ela não engravidava quando era "prostituta", imaginando eu que ela seria. Mas, por ordem de Deus, ela acabou por ficar grávida, exactamente numa altura em que era impossível cuidar de uma criança. A vaca já ocupava todo o nosso tempo. Comia as minhas meias, chegou a comer uma nota da minha carteira. E a Beatrice ainda ficava chateada comigo dizendo que ela iria ficar com dores de barriga. Eu é que ficaria com dores de cabeça por ela ter comido o meu dinheiro! E com isto, o nosso bebê veio num momento "grandioso" da nossa vida!
Quando o David nasceu, o nosso filho, ela bebia o leite dele. Depois passou a comer o almoço e o jantar dele. Foram dias complicados! Até se metia na nossa vida sexual, chegando mesmo a interromper o acto. Havia de ter paciência para aquela vaca!
Mas o pior veio depois, o David tinha que ir à escola e ali no Tennesse não existia nada. Tivemos que viajar de novo para a cidade e a Beatrice fez questão de levarmos a vaca connosco. Tentei convencê-la a não o fazer mas foi uma tarefa impossível! Ela levou a vaca consigo, passámos pelos guardas que não conseguiram lembrar-se de nenhuma proibição relativa a vacas e a mesma acabou por ir connosco.
Respirei de alivio sabendo que a minha antiga vida iria regressar! Em algumas semanas, estava a retomar a minha vida de realizador. A Beatrice tinha mudado imenso. Já não saía para nenhuma festa, não queria beber um copo, nada! Só vivia para a vaca que crescia cada vez mais na nossa casa. E enquanto ela vivia para a vaca, eu tinha a minha vaca! Acabei por desistir do nosso casamento. O caso que mantive com a Catarina foi de poucos meses. A Beatrice nem me perguntava sobre as minhas noites tardias e os meus desaparecimentos, acho que ela já sabia disso. Mas, de qualquer forma, eu sentia-me bem. A Catarina era divertida e parecia não se importar com o amante que tinha por breves momentos. Passámos algum tempo juntos até que a Beatrice decidiu falar comigo. Já tinha chegado tudo aquilo!
- As pessoas já estão todas a falar. Eu sou uma tola que finge que não vê o que andas a fazer.
- Eu sei. - respondi. Deveria estar chateado, mas estava aliviado.
- Isto não pode continuar. Não aguento mais.
- Eu sei. - repeti.
- Tens a noção de que o meu pai já te teria mandado matar? Não estou a brincar!
- Acho que apenas posso dizer que merecia.
- Agora estás a exagerar. Imagino que aquela tua amante foi a culpada! Sei que estou magoada mas não vou tentar matar-te nem nada do género. As pessoas queriam que eu o fizesse mas não o vou fazer. Não sou pessoa disso. Sei que tu tens o direito de querer outra pessoa.
- Não estás a perceber, eu ainda...
- Cala-te e ouve - continuou ela - Tudo o que te peço é que me contes tudo. É o mínimo que me deves!
Contei-lhe. Da Catarina, de uma das actrizes da minha peça de teatro, da bibliotecária, da dona do supermercado e da nossa vizinha do 3º andar, onde fui descoberto pela última vez.
- Aquela prostituta! - falou ela se referindo à nossa vizinha - Aquela sonsa! Eu bem vi ela a arquear-se toda debaixo do teu nariz no dia em que a convidámos para jantar cá em casa, mas nunca me passou pela cabeça que ela montasse a cavalo tão bem para vir comer o meu marido!
Ela culpava mais as mulheres do que eu! O que era, no mínimo, curioso.
- Não te preocupes, não te vou fazer nada! Eu própria estava mais perto da vaca do que de ti, depois do nosso casamento. - falou ela, com uma expressão séria.
Separámo-nos e cada um foi à sua vida. Ela foi viver para o Tennesse com a sua vaca e eu fiquei a viver na cidade com a minha namorada. Visitava-a para estar com o David, o nosso filho, e parecia ter uma relação estável com a Beatrice. Soube que ela teve outra vaca e que nunca mais a vi com nenhum homem. Comprou mais uns 7 gatos, pois os outros tinham morrido. Estava mesmo desenhada como a minha cabeça visualizava: era uma viúva negra! Sem homem, cheia de gatos, vacas, cabras, galinhas. Passado uns meses, ela disse-me que tinha répteis em casa. Não fiquei surpreendido. A vida dela já eram os animais.

...

Umas semanas passaram e nunca mais vi a Beatrice. Também não via o David o que me deixava preocupado. Eles tinham fugido do Tennesse. Apenas vi os seus sete gatos dentro de casa. Acho que protegiam a casa pois assim que cheguei levei uma arranhadela de um deles. Nenhum gato gostava de mim! Pelo menos os dela, e nunca percebi porquê. Falei com a minha psiquiatra sobre isso e ela ficou preocupada, tal como eu.
Finalmente dias depois percebi, por uma amiga da Beatrice, porque ela não tinha nenhum homem: Ela matou todos os que se casaram com ela!
Não acreditei no que ela disse embora a minha cabeça já desenhasse uma Beatrice viúva negra, tal como estava farto de dizer...

Se eu pudesse ter previsto o futuro...

O dono deste diário foi morto no dia 23/12/2013 por envenenamento - Beatrice Aguiar.

João Paulo soube da morte do amigo pela própria tia, a Beatrice. João Paulo ficou em choque e decidiu interná-la numa psiquiatria. Beatrice acabou por morrer dentro do hospital psiquiátrico, as provas indicavam ser suicídio.

Aqui está. Pronto.
Espero que tenham gostado. O narrador desta parte da história acabou por morrer.
O próximo capítulo terá narrador presente e será postado no dia 16 de Janeiro, Sexta-Feira.

Beijos.

22 comentários:

  1. Continua.Eu gostei muito.

    ResponderEliminar
  2. ele traiu-a com uma data delas. engraçado.

    ResponderEliminar
  3. Ri mas depois chorei.
    Pensei ao início que quem morria era a Beatrice.
    Posta logo.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  4. É mesmo a viúva negra!
    Posta logo.

    Beijos,
    Juh :)

    ResponderEliminar
  5. adorei!
    a diana apareceu em grande.

    ResponderEliminar
  6. Acho que essa morte tem algo mais.

    Beijos :)

    ResponderEliminar
  7. Acho que essa junção vai ser boa.

    ResponderEliminar
  8. Gostei do primeiro impacto com o mistério.
    Vou aguardar o próximo capítulo.

    ResponderEliminar
  9. Gostei do primeiro impacto com o mistério.
    Vou aguardar o próximo capítulo.

    ResponderEliminar
  10. Gostei da junção dos dois géneros.

    ResponderEliminar
  11. tá lindo.
    posta logo.

    Beijos,
    Natasha Alyosha.

    ResponderEliminar
  12. Gostei do capítulo.
    Agora deve ser um mistério à volta da morte da personagem.

    ResponderEliminar
  13. Gostei muito deste capítulo. Achei muito boa essa junção, aguardo ansiosa o próximo capítulo :)

    ResponderEliminar

Obrigada pelo comentário, a sua opinião é importante para o escritor.