AVISO...

Olá Pessoal!

Já avisei na Página do Facebook e decidi avisar no blogue também.

Na página Livros têm os links onde poderão comprar o livro "A Escola do Terror".


Aviso mais uma vez que tem alterações ao que está no blogue!


Obrigada.

sexta-feira, 28 de março de 2014

Capítulo 11

Olá Pessoal!
Espero que tenham tido uma boa semana. Agradeço pelos comentários. Sei que baixaram e entendo a razão. Espero que na próxima história regressem nem que seja para dizer se gostam ou não.

Aviso: Na próxima semana não sei se vou puder postar na sexta no entanto, se não puder posto no sábado. E a partir da próxima semana os posts serão às terças e aos sábados graças às férias.

Espero que gostem deste capítulo.

Atenção portugueses: Esta história está escrita nos termos do novo acordo ortográfico.

Capítulo 11

Dias passaram, eu e o Ricardo continuávamos sem discutir. E para felicidade minha e principalmente dele, as notas dele subiram. A média subiu. Ele teve mais positivas. Parece que as explicações fizeram efeito. A Marina continuou com as suas maldades. Bem, a Sílvia parece que estava a dizer a verdade. Mas ainda não falei com o Afonso.

...

Chegou a hora de almoço e preferi ir sozinha para o refeitório. Queria falar com o Afonso. Felizmente, ele estava sozinho quando cheguei. Coloquei o meu tabuleiro em cima da mesa e sentei-me ao lado dele. Ele sorriu para mim.
- Olá Catharina!
Era o único rebelde que me tratava pelo nome. Excluindo agora a “nova” Sílvia.
- Olá Afonso! Vim te perguntar se vocês estão a inventar alguma.
- Ah, sim. Parece que a Marina e a Stefanny estão a tentar alguma coisa para que tu te afastes do Ricardo. Mas como deves saber, tanto eu como a Sílvia estamos de fora. E como é lógico, o próprio Ricardo não sabe.
- Mas porquê? Eu pensava que a Sílvia estava com elas.
- A Sílvia já está farta delas. Ela já não aguenta tanta maldade e falsidade. E quanto a mim...ainda quero tentar ajudar o Ricardo por isso tento continuar no grupo.
Eu apenas afirmei com a cabeça. Ele olhou para o seu relógio que estava no pulso.
- A Marina deve estar a vir aí. Tenho que te deixar aqui. Até já Catharina.
- Até já.
Ele levantou-se, deu-me um beijo na testa, pegou no seu tabuleiro e foi sentar-se noutro lado. Eu fiquei a pensar. Tenho que ir falar com o Ricardo. Ele deve saber porque é que a Marina está a tentar humilhar-me.

Fica por aqui o capítulo 11.
Foi pequeno mas em breve compenso.

Bjs e até sexta ou sábado. Boa semana!

sexta-feira, 21 de março de 2014

Capítulo 10

Olá Pessoal! Espero que tenham tido uma boa semana.
Agradeço pelos comentários. O número baixou mas enfim...agradeço as críticas.

Vou responder aos comentários que necessitam de resposta, agradeço aos restantes e espero que continuem por aqui:

Vasco F.: Entendo.

Estela: Bem, o género da história não é romance, mas sim drama. Se já não quiseres seguir compreendo.

Sílvia: Em breve irei responder a essa pergunta. Obrigada.

Marina: Eu compreendo. Espero voltar a ler comentários teus em breve. Com uma outra história, talvez.

Escritor: Boa sorte com o blog.

Elena: Realmente a história é muito diferente das minhas outras histórias. Um pouco mais clichê. Não li o livro "Um Amor para Recordar". Não aprecio os romances de Nicholas Sparks. Li apenas dois livros dele mas o segundo nem sequer terminei de ler. Esta história é um pouco inspirada nos livros do escritor português, Camilo Castelo Branco. Principalmente "Amor de Perdição". Agradeço o comentário.

Bem, aqui está o capítulo 10. Quem ainda estiver aí, comente por favor.


Atenção portugueses: Esta história está escrita nos termos do novo acordo ortográfico.

Capítulo 10

Dias mais tarde estava no refeitório com a Laryssa quando a Marina passa por mim e manda-me um copo de água para a blusa. Fiquei sem reação. Vejo a Marina a rir juntamente com a Stefanny. A Sílvia por incrível que pareça estava séria assim como o Afonso e o Ricardo... o Ricardo estava sem expressão. Parecia sem reação como eu. Porque é que a Marina fez isto? Não deve ter sido pelo Ricardo. Vejo o Afonso a ir ter comigo.
- Anda comigo, estão todos a olhar - disse ele a pegar na minha mão.
Vejo a Sílvia a ir ter connosco.
- Não! Afonso, eu vou com ela à casa de banho.
Eu neguei com a cabeça.
- Não! Eu vou com a Laryssa. - disse eu não querendo prescindir da minha amiga.
- Ela pode ir connosco - disse ela puxando a mim e à minha amiga.
O Afonso ainda tentou dizer algo mas foi em vão. A Sílvia já estava a sair do refeitório comigo e com a Laryssa.
- Mas...- disse eu. Não sabia o que dizer na verdade.
Nós entrámos dentro da casa de banho. A Sílvia olhou para mim.
- Vá, podes chorar agora à vontade.
A Laryssa olhava para nós sem dizer uma única palavra. Estava sem reação.
- Eu não vou chorar. - disse eu muito segura de mim. Nem sei de onde tirei esta segurança toda.
A Sílvia olhou espantada para mim.
- Não vais? Foste humilhada pela Marina.
- E tu devias estar com a Marina. És amiga dela. Só estás aqui para me humilhar mais.
A Sílvia negou com a cabeça.
- A Marina não merece a minha amizade, ela está a tornar-se falsa e uma má pessoa.
Eu não estava a acreditar no que ela estava a dizer. Antes que pudesse lhe dizer alguma coisa a Laryssa interfere.
- Como é que vamos ter a certeza que não estás a mentir?
Pois, por acaso queria mesmo saber isso.
- Falem com a Marina. Ou então com o Afonso.
- Eles são todos uns... - começou a Laryssa.
Eu já sabia o que ela ia dizer por isso travei-a. O Afonso não era tão falso. Eu tenho a certeza que ele não é falso.
- Ok. Eu irei falar com eles.
- Posso andar convosco? - perguntou a Sílvia com receio da pergunta que fez.
A Laryssa olhou para mim.
- Podes mas ainda não vou ter plena confiança em ti. Considera-te uma convidada. - disse eu sem dar o mínimo de confiança.
Só vi ela a afirmar com a cabeça. 
Das duas, uma: ou ela está a preparar alguma com a Marina ou então deixou mesmo de ser amiga dela. De qualquer das maneiras é melhor ficar alerta.

Fica por aqui o capítulo 10.

Será que a Sílvia é de confiança?

Verão isso no próximo capítulo.

Bjs :)

Selo

Olá Pessoal!
Ganhei mais um selo. Obrigada pelo selo, Lally.


Perguntas:

1. Qual a história que mais gosta de sua autoria?
R: Sem dúvida, A Escola do Terror. As três partes.

2. Qual a história de minha autoria (de quem te passou o selo) mais gosta?
R: Eu era leitora da Lally mas ela acabou por excluir algumas histórias o que me deixou um pouco chateada. Não tenho preferida, ela escreve bem e é isso que importa.

Blogs:


sexta-feira, 14 de março de 2014

Capítulo 9

Olá Pessoal! Espero que tenham tido uma boa semana.
Ultimamente tenho tido algumas mensagens de pessoas que me dizem que a história está a ficar estranha e que não gostam dela, talvez por ter algum romance aos seus olhos.
Realmente, a história é diferente das anteriores mas nem por isso faz com que seja romance. Pode ter algum ou mostrar ter mas não é sem dúvida alguma um romance. O género desta história é drama e em breve vão tê-la.
Fiquem com o capítulo 9.

Atenção portugueses: Esta história está escrita nos termos do novo acordo ortográfico.

Capítulo 9

Alguns dias passaram depois do incidente no refeitório. Era mais um dia de explicações, ou seja, mais um dia de castigo, mais um dia a aturar o Ricardo. Na hora do costume apareci na sala. Ele, por incrível que pareça, já estava sentado à minha espera. Respirei fundo e fui ter com ele.
- Olá. - disse eu sentando-me numa cadeira ao lado dele.
- Olá nerd, estava a ver que nunca mais chegavas. Estava cansado de esperar.
- Vais ver que a espera não vai ser em vão. - disse eu tentando ser simpática.
Ele respirou fundo e ajeitou-se na cadeira.
- Ora bem nerd, vamos ter que conversar. - disse ele cruzando os braços.
- Sobre o quê? - perguntei sem saber porque razão ele queria conversar comigo.
- Se tu me vais ajudar a ter positiva temos que nos dar bem por isso... - ele estendeu a mão - Vamos fazer um pacto durante este tempo. Vamos ser amigos, vamos nos dar bem. O que achas?
Eu olhei para ele. Estava a pensar. Acabei por estender a minha mão e agarrar a mão dele.
- Só com uma condição de que não te vais apaixonar por mim. - disse eu.
Vi ele a rir.
- Óbvio que não.
Se foi estranho? Na verdade foi mas senti-me bem.

Observação da autora:
Será que o Ricardo não irá mesmo se apaixonar pela Catharina?!

...

Alguns dias passaram, eu e o Ricardo estávamos a cumprir o pacto. Nós desde aquele dia que não discutimos. 
Na aula de História, a Marina ficou comigo na mesma mesa e veio com conversas estranhas. De novo.
Nerd, não te apaixones pelo Ricardo.
- Porque razão o faria?
- Tu és nerd e ele pertence aos rebeldes, acabarás por ser gozada.
- Eu nunca me apaixono por rapazes que não prestam.
Vejo a Marina a sorrir.
- Que bom! Ele não presta mesmo. Pelo menos para ti.
Ela riu-se e eu fiquei mais séria do que estava. O que se há-de fazer? Eles são perfeitos um para o outro.

Fica por aqui o capítulo 9.
Espero que tenham gostado.

Bjs :)

sexta-feira, 7 de março de 2014

Capítulo 8

Olá Pessoal!
Obrigada pelos comentários.
Percebi que vocês ficaram um pouco chocados com o romance que parece transparecer na história, mas, como disse, a história não é romance e se parece é porque felizmente posso fazer algo virado para esse género. Os meus capítulos românticos passam mais por mistério que a romance por isso, até fico contente por dizerem isso.
Mas, na verdade, o meu objectivo é realmente outro: deixar-vos curiosos para o que vai acontecer nos próximos capítulos. Espero que isso esteja a acontecer.

Até estou a achar interessante esta história que vocês acham como sendo um romance porque neste momento estou "situada" no meio do meu trabalho de História (estou a falar da minha mente, obviamente) que é sobre Camilo Castelo Branco por isso acho fantástico! O ambiente da história também tem tudo a ver com o autor.

Atenção portugueses: Esta história está escrita nos termos do novo acordo ortográfico.
Capítulo 8

Tinha tocado para a primeira aula. Estava ao lado da Marina. Sim, era aula de Português. No princípio da aula ela veio com perguntas estranhas.
- Então nerd, que tal vão começar a ser as explicações com o Ricardo?
- Normais.
- Não te apaixones por ele, nerd. Ele tem dona.
Dona? Estou chocada como hoje em dia as meninas tratam os namorados. Claro que o Ricardo namora com a Marina não sei é se é algo sério.
- Eu sei. - disse eu simplesmente.
Tudo estava bem até a professora trocar a Marina pelo Ricardo.
- Olha a nerd! É o destino. - disse o Ricardo.
- Que destino? - perguntei eu.
- É o destino. O destino quer que fiquemos juntos e não só nas explicações.
Ele é louco!
- Não quer nada.
- Vais dizer que é coincidência?
- Claro que é.
- Claro nerd, eu vou acreditar. - disse ele a rir.
- Eh! Menino Ricardo e menina Catharina, estejam calados.
A professora apanhou-nos. Todos olharam para mim. Pronto, a nerd antipática começou a falar. Tenho de deixar de me influenciar por estes rebeldes. Principalmente o Ricardo.

...

A hora de almoço chegou e fui a correr com a Laryssa para o refeitório. Ela não parava de me fazer perguntas sobre o Ricardo. Mas porque é que todos pensam que eu e ele temos alguma coisa? 
Cheguei ao refeitório, coloquei o que queria no tabuleiro e quando fui para me ir sentar, escorrego e caio ao chão. Quase todos se riram de mim, em especial a Marina. O Ricardo olhava sério. A Laryssa ficou sem reação. Vejo o Afonso a levantar-se da cadeira e a ir ter comigo. Eu sabia que ele não era tão má pessoa. Ajudou-me a levantar e de seguida falou comigo.
- Estás bem?
Estava um pouco atordoada mas respondi:
- Sim.
- E quero que saibas que o pavimento não estava molhado quando eu e a Marina chegámos.
Sorriu para mim e voltou para o seu lugar. Então foi a Marina. 
A Laryssa levou-me à casa de banho. Eu não estava a acreditar! Porque razão a Marina fazia isto comigo? Nunca fui uma ameaça para ela. Ou talvez esteja a começar a ser...

Mais um capítulo que parece virar para o romantismo, atenção, apenas parece! Não sou apologista de romantismos em qualquer história, seja ela qual for.
Espero que tenham gostado.

Bjs :)

terça-feira, 4 de março de 2014

Capítulo 7

Olá Pessoal!
Obrigada pelos comentários.
Entendo porque vocês detestam o Ricardo e gostaram da vingança da Catharina.
Aqui está mais um capítulo.

Atenção portugueses: Esta história está escrita nos termos do novo acordo ortográfico.

Capítulo 7

Tinha passado um dia desde aquele incidente no colégio. É segunda-feira. Vou voltar a vê-los. Penso que aquilo que eu fiz ao Ricardo foi desumano mas por outro lado não me sinto culpada, ele merecia.
Vesti-me, tomei o pequeno-almoço e fui para o colégio. Quando ainda ia a atravessar o parque de estacionamento pareceu-me que estava a ouvir a voz da diretora. Era verdade, entrei dentro do colégio e ouço a diretora a falar. Paro e olho para o meu relógio de pulso. Lindo, um minuto atrasada. Ouço a diretora a chamar-me. Recomecei a andar e fui ter com ela.
- Menina Catharina! Ainda bem que veio. Tem algo para fazer.
Engoli em seco. Olhei ligeiramente para a Marina. Ela sorriu para mim. O sorriso falso como sempre.
- Vai ter que ajudar o Ricardo a tirar boa nota com a ajuda das suas explicações.
Olhei de relance para o grupo da Marina. O Afonso ria discretamente. A Marina e as amigas olhavam sérias para a diretora e o Ricardo...bem, o Ricardo, com um ar de zangado, com os braços cruzados. Não deve estar pior do que eu que vou ter que o aturar todas as horas da explicação. 
Afirmei com a cabeça para a diretora e a diretora voltou para a sua sala. Pronto, o grupo da Marina vai se embora excepto o Ricardo que vai ter comigo.
- Agora tenho de ficar contigo nos meus tempos livres. Devia ter te denunciado à diretora.
Eu afirmei com a cabeça.
- Sim, sempre era melhor que estar contigo. Tenho a mesma opinião.
Ele fez-me parar de andar.
- Sai da minha frente! - Pedi eu.
- Nerd, tu não estás a entender. Depois de a polícia me apanhar tive hoje de manhã de falar com a diretora. Ela colocou-me nas explicações. Eu até cheguei a perguntar se a nerd que me ia ajudar a ter boa nota era boa mas não. Eras tu.
Olhei para ele, séria. Até me pus a imaginar como terá sido a conversa:

“- Menino Ricardo vai ter que ter explicações para subir as suas notas. E vai ter uma ajuda.
- Obrigado diretora, sempre é melhor do que limpar casas de banho.
- Não me dê ideias menino Ricardo.
- Claro que não diretora, mas diga, quem é a ajuda? É uma menina?
- Sim.
- É boa?
- O nome dela é Catharina. E não é para ti. É da tua turma.
- Catharina? A nerd?”

- Hei! Nerd!
O Ricardo chamou-me. Na verdade estava com ar de quem estava a sonhar.
- Para quem dizia que estava mal por ter de me dar explicações até está contente.
- Pára! - Disse eu a bater-lhe no ombro.
Ele riu. Bem, até que ele não é mau de todo. Ah? O que estou para aqui a dizer? Ele é rebelde. Devo ter batido com a cabeça em algum lado.

Aqui está.
Espero que tenham gostado.

Bjs :)