AVISO...

Olá Pessoal!

Já avisei na Página do Facebook e decidi avisar no blogue também.

Na página Livros têm os links onde poderão comprar o livro "A Escola do Terror".


Aviso mais uma vez que tem alterações ao que está no blogue!


Obrigada.

sábado, 18 de janeiro de 2014

História de Uma Adolescente

Olá Pessoal!
Esta foi a minha primeira história escrita, "História de uma Adolescente". Originalmente, tinha como subtítulo "A minha vida é só música e amor" mas retirei por parecer estupidamente escrito.
Espero que gostem e não vejam a infantilidade desta minha pessoa com 10/11 anos (possivelmente).

Capitulo 1


A Carla está no quarto dela a escrever e chega o pai António:
-Carla,a Luísa está lá á porta queres que a chame?
-Pai,eu sei que a mãe morreu faz hoje uma semana mas...
O pai não a deixa acabar a frase.
-Carla,não queiras piorar as coisas para ti.
-Porque é que não me deixas cantar?
-Por causa da tua mãe Carla.Ela teve um ataque no palco não queiras ficar como ela...morta.
Quase não conseguiu pronunciar a palavra.
-A Luísa está lá fora,chamo-a?
-Sim.

Capitulo 2

A Luísa entra no quarto da Carla radiante:
-Olá pessoal a Luísa chegou esqueçam os problemas.
-Se fosse fácil.
A Carla já não estava tão radiante como a Luísa.
-O que é que se passa Carla?A escola começa depois de amanhã e o que é que significa?
-Significa começar a trabalhar.
-Sim,mas o que fazemos antes disso?
-Dormir até tarde.-tentou adivinhar.
-Não,estás enganada.Vamos fazer uma...-fez suspance por uns segundos-MEGA FESTA!!
-Mas tu não sabes que o meu pai não quer que eu cante.-avisou a Carla.
-Mas não vai ser na tua casa vai ser na minha.
-A Amélia de certeza que vai falar com o meu pai.
-Não.Com um bocadinho de jeitinho ela não lhe diz nada.Vá aceita e tens direito a bolo e tudo.
-Ok.convenceste-me.-disse a sorrir.
-Amanhã ás 20:00 quero ver-te lá em casa ok?
-O que é que vou dizer ao meu pai?
-Diz que vais ter uma festa de pijama em minha casa não te esqueças,de pijama e para o caso de ele não acreditar leva o pijama para minha casa.
-Ok.Vais levar o Luís?-perguntou a Carla.
-Carla eu já não namoro com ele.
-Então o que aconteceu?
-Já não deu para continuar então acabámos.
-E dizes no mais natural do mundo.
-Sim,eu tenho mais conquistas.
-Sais-te cá uma coleccionadora de namorados.
-Devias fazer o mesmo para não ficares atrofiada.
-Eu não consigo olha como é que eu estou?
-Reage.
-Como é que queres que eu faça,acabou de morrer a minha mãe.-a Carla começou a ficar zangada.
-Mas tens de reagir,olha como eu estou mudada,tenta,de certeza que vais conseguir.
-Está bem.-disse já mais calma.
-Bem fica combinado amanhã ás 20:00 na minha casa adeus!
-Adeus!
E a Luísa lá saiu da casa da Carla.

Capitulo 3

O Ricardo e o João estão a jogar monopólio no quarto do Ricardo:
-Ganhei-te!-grita o Ricardo.
-Não vale fizeste batota.-queixa-se o João.
-Não interessa ganhei.
-Ricardo,agora estou a pensar,vamos para a mesma escola onde sempre tivemos mas com alunos novos,sabes,tenho a sensação que este ano vai ser especial.
-É sempre especial.
-Não,não estás a perceber no sentido mágico.
-Mágico?-diz o Ricardo atrapalhado.
-Sim.
-Nunca tinha pensado nisso,mas pode ser.
-Vamos a mais um jogo mas não faças batota.
Foi assim que os rapazes passaram a tarde.

Capitulo 4

A Raquel e a Marta estão a arranjar as unhas no quarto da Marta.
-Este ano vai ser uma miséria.-diz a Marta.
-Porque dizes isso?
-Oh Raquel é só mal vestidos ainda bem que estás comigo porque se não a minha vida era uma chatice.
-Até pode vir gente boa e com estilo.
-Gente boa,meu Deus!só se vê lá drogados com as calças ao fundo do cu.Chamas a isso estilo?
-É a moda.
-É a moda!Vê-se que não estás a par da situação Raquel.Vê as lojas.
Nesse momento chega a mãe da Marta,a senhora Rita.
-Olá meninas tudo bem?fui agora ás lojas de roupa e comprei isto!
-Elas olham para o saco.
-Calças de cintura alta meu Deus!mãe isto não tem estilo nenhum.-berra a Marta.
-Mas acabaste de dizer que só vias "drogados com as calças ao fundo do cu".-disse a Raquel.
-Para as raparigas é diferente.Bem a moda é a seguinte-fez uma pose teatral antes de começar-Calças de cintura descaída,botas de salto alto,Mimi-saias,vestidos curtos,topes é isto a moda!
-Desculpa filha vou já entregar isto ás lojas.-fez-lhe a vontade.
-Ainda bem já me está a dar vómitos.
E lá foi a pobre da mãe fazer-lhe a vontade.

Capitulo 5

No dia seguinte a Carla como combinado ia pedir ao pai para ir a casa da Luísa fazer uma festa de pijama e foi á sala pedir se a deixava ir.
-Pai,posso ir a casa da Luísa fazer uma festa pijama?
-Sim,mas vais dormir lá?
-Não,venho por volta das 11:00.
-Então não venhas mais tarde que essa hora.
-Ok pai,obrigada.
E lá foi ela...chegando a casa:
-Olá Carla o teu pai está bom?
-Sim e a Amélia?
-Também.
-Entra Carla vai começar a festa!
A música começou a tocar,a Luísa e a Carla começaram a dançar e a cantar menos a Amélia então ao reparar que ela não dançava a Luísa foi ter com ela.
-Dança Amélia.
-Creio que não menina Luísa.
-Não nada,dança.
Depois de tanta dança,tanta bebida e tanta comida acabaram por adormecer até ao dia seguinte.
-Meninas já são horas de ir para a escola.-grita a Amélia.
A Luísa acorda e olha para o relógio.
-Meu Deus já é tarde,Carla acorda.
-Que horas são?-perguntou ainda ensonada.
Nesse momento toca o telemóvel da Carla.
-Estou?
-Filha onde estás?não passaste cá a noite e já são 7:15 tens de ir para a escola.-era o pai.
-Pai,adormeci em casa da Luísa vou já para a escola adeus!
Desligou o telemóvel.
-Obrigada por me acordares Amélia o meu pai já estava a ter um ataque.
-Ok menina.
-Anda Carla.

Capitulo 6

O João tinha dormido em casa do Ricardo mas ás 7:15 o Ricardo ainda não tinha acordado.
-Estou cheio de sono.
-Então Ricardo ainda estás assim?
-O que é que é que queres fui para a cama tarde.
-Anda,hoje é um grande dia...
O Ricardo não o deixou acabar a frase.
-...de escola.-tentou completar a frase do João mas errou com a resposta.
-Não,de conhecer os alunos.
-Ah...
-Anda,veste-te eu fico à tua espera.




Capitulo 7

A Raquel também dormiu em casa da Marta e ás 7:15 a Marta também não queria sair da cama.
-Marta acorda é dia de escola.-avisa a mãe da Marta.
-Não te dizeram que acordando cedo tens olheiras?
-Tens de ir para a escola mexe-te.
A Raquel aparece no quarto.
-Marta acorda,o Ricardo vai estar na escola.
-Que bom,vou despachar-me.
A Marta sai do quarto e a mãe fica de boca aberta.
-Como é que conseguiste a tirar da cama?
-Então é fácil.Ricardo é o nome do rapaz que ela gosta se eu falar dele,ela quer logo vê-lo.

Capitulo 8

Em casa do professor de informática também andam a preparar o primeiro dia de aulas.
-O primeiro dia de aulas é um sofrimento.-diz o professor André.
-Vais-te habituar com o tempo.-diz a sua esposa Sofia.
-Os alunos já não são crianças são adolescentes é diferente e nem todos gostam de computadores.
-Vão-se habituar com o tempo.
-Adeus tenho de ir para a escola.
-Adeus!
E lá saiu de casa.
Entretanto na escola o professor Diogo e o professor Paulo estão a conversar sobre os alunos.
-Temos que dar cabo deles,eles que nem pensem em brincar isto é uma escola não um parque de diversões.-diz o director da escola,o professor Diogo.
-Tens razão temos de fazer com que não brinquem.-concorda o professor de historia.
-Trabalhos de casa reforçados,muitos trabalhos de aula.-diz o director da escola e professor de matemática.
-Este ano não vai ser para brincadeiras.
No bar da escola estão a Marta e a Raquel á espera que o bar abra.
-Será que isto nunca mais abre?estou cheia de fome.-diz a Marta esfomeada.
-Se acordasses cedo tomavas o pequeno almoço.
A Marta avistou o Ricardo e o João ao fundo do corredor.
-Olha o Ricardo acabou de chegar e traz o seu amiguinho idiota.Olá Ricardo!
-Olá Marta!
-Olha é a Marta e a sua amiguinha inseparável.-disse o João.
A Marta apressou-se a ir ter com eles.
-Olá tudo bem?em que turma estão?
-No 11ºA.-disse o João.
-Nós também,que coincidência.-disse a Marta.
-Marta eu e o João ah...precisamos de ir á secretaria por causa do cartão da escola portanto adeus!-ele estava a arranjar uma desculpa.
-Vou com vocês.-disse a Marta.
-Não podes,o bar já abriu e estás com fome.-disse-lhe a Raquel.
-Adeus.-disse o Ricardo.
Já muito longe da Marta e da Raquel o João fala com o Ricardo.
-Cartão da escola,estás a brincar não estás?
-Foi só uma desculpa para sair dali não me apetece falar com a Marta.
Capitulo 9


Entretanto a Carla e a Luísa chegam á escola e vão directamente para o bar.
-Esta escola parece interessante.-disse a Carla.
-É verdade.
A Marta vai ter com elas.
-Olá meninas como se chamam?
-Eu sou a Luísa e ela a Carla.
-Eu sou a Marta e ela a Raquel.São de que turma e a ano?
-11º A.-disse a Carla.
-Meu Deus!-grita a Marta.
-São nossas colegas.-diz a Raquel.
-Meu Deus!-grita de novo a Marta.
-Que se passa Marta?-pergunta a Raquel preocupada.
-Calças de cintura alta e esse casaco meu Deus que nojo!vocês não percebem nada de moda pois não?
A Luísa diz á Carla.
-Esta é esquisita.Ouve maluca estás a ofender-me.
-É quer nem duvides.-diz a Marta.
-Luísa pára!-pede a Carla.
-Quem pára é esta maluca que começou primeiro.
-Maluca ai é!
E deu uma estalada á Luísa.
A partir daí as duas começaram á bulha chegando o director da escola.
-Parem o que é que estão a fazer?
A Luísa e a Marta ficaram seguras pela Carla e pela Raquel.
A escola estava toda a ver.
-Foi ela.-gritou a Luísa.
-Não,foi ela.-grita a Marta.
-Quando se acalmarem vocês as quatro vão ao meu gabinete.-disse o director.
E dizendo isto saiu.
-Vocês são patéticas.-disse a Raquel.
-Logo no primeiro dia de aulas.Andem vamos ao gabinete do director.-disse a Carla.
No gabinete do director.
-Como me explicam o que aconteceu no bar?
-Foi um erro professor.-desculpou-se a Carla.
-Foi menina Carla um grande erro.Que vai ser pago caro.
-O que nos vai fazer?-pergunta a Raquel.
-Chamar a mãe da Marta e da Luísa á escola.
-Que alivio!-responde a Raquel.
-E a Raquel e a Carla de castigo uma semana a limpar a escola.
-O quê?-pergunta a Raquel.
-Nem mas nem meio mas,agora vão para a aula do professor de informática.

Capitulo 10

Na sala de informática:
-Olá alunos!-diz o professor André.
-Meu Deus parece que veio do céu!-diz a Marta e a Luísa ao mesmo tempo.
As duas apaixonaram-se pelo professor.
-Eu sou o professor André e vou ser o vosso professor de informática.Façam o favor de escrever num papel o vosso nome e o que sabem sobre informática.
A Carla fala baixo com a Luísa.
-O que se passa contigo,outra conquista?
-Sim.
A Luísa vira-se para trás e o João pisca-lhe o olho.Ao repara nisso o Ricardo fala com o João.
-Gostas da Luísa?
-Claro que não.E tu da amiga da Luísa?
-Acho que sim.
A professor ao perceber a conversa.
-Meninos calem-se.
A aula decorreu muito depressa e muito depressa o toque começou a tocar.
No final da aula o Ricardo vai falar com a Carla.
-Olá és a Carla não és?
-Sim.
-Eu sou o Ricardo.
Deram um aperto de mão.
-Estás aqui na escola há muito tempo?-perguntou a Carla.
-Um bocado e tu és nova aqui?
-Sim.
-Conta sobre a tua vida,vives com quem?-pergunta o Ricardo.
-Com o meu pai.
-E a tua mãe?
-Faleceu.
-Desculpa não queria...
A Carla não o deixou acabar a frase.
-Deixa estar.
-Então até já.-disse o Ricardo.
-Até já.
E foi assim o primeiro dia de aulas.

Capitulo 11

Depois das aulas a Luísa e a Carla foram para a casa da Luísa.
-Este dia correu bem.-diz a Luísa.
-Sim,então o João?
-O que queres dizer?
-Tu e o João estavam muito cúmplices,outra paixoneta da Luísa?
-Não,o João é um parvo.
-Pois é.-concorda a brincar,a Carla.
Entretanto no quarto do Ricardo,o João e o Ricardo falam sobre o primeiro dia de aulas.
-Que dia,estou esgotado.-diz o Ricardo.
-Pois,e a Carla a amiga da Luísa?
-Ah já sabes o nome da amiga da Carla?
-Sim,não viste o nome dela escrito na mesa da aula de informática.
-Sim mas falaste pessoalmente com ela?
-Claro que...não.
O Ricardo era muito amigo do João e ele notou que ele estava a mentir.
-Conta João tu sabes que eu não vou contar a ninguém.
-Pronto,está bem falei com ela.
-E então está a ir bem?
-Como assim?-o João sabia o que o Ricardo queria saber mas não deu o "braço a torcer".
-Tu e a Luísa estão...
-Não inventes não se passa nada e tu e a Carla?-tentou mudar o rumo da conversa.
-É mesmo,gosto dela nunca encontrei uma pessoa assim nem a Marta.
-Nem a Marta,estás a ficar doente...
-...Pela Carla.responde o Ricardo.
-Ah Ricardo eu não queria nenhuma resposta tua a minha frase era mesmo essa-explica o João.
-Ok,mas a sério nunca encontrei uma pessoa assim.
Voltemos ao quarto da Luísa para ouvir-mos a conversa delas.
-E o Ricardo?-pergunta a Luísa.
-Gosto dele é diferente dos outros rapazes.
-Diferente?mas eles são todos iguais,amiga.
-Não.O Ricardo é muito diferente.
-Como queiras.E do professor André?
-O que é?-pergunta a Carla.
-Gosto do professor André.Tu não o achas giro?
-Não,é um professor normal como os outros.Ah...Luísa ele é muito mais velho que tu.Não estás a pensar...
A Luísa não a deixou acabar a frase.
-Sim Carla.Vou ganhar outra paixoneta-diz vitoriosa.

Capitulo 12

Uma semana mais tarde na escola a Carla e a Raquel estavam a limpar o chão pela última vez pois era o último dia de castigo.
-Meu Deus isto está tão sujo.-diz a Carla.
-Ainda bem que acaba hoje o castigo do director.-disse a Raquel.
O Ricardo aparece atrás da Carla.
-Olá,querem que vos ajude?
-Não,o director não vai achar graça.-diz a Carla.
-Vocês é que sabem.
-Que mau!-diz a Luísa a passar por eles.
-Que se passa Luísa?-pergunta a Carla.
-A minha mãe está a falar com o director e não sei o que se passa.-explica a Luísa.
-Vai correr tudo bem miúda.-diz o Ricardo.
-Claro que sim acredita!-o João apareceu nesse momento.
-Desaparece João.-disse a Luísa.
-Ela adora-me.-alegra-se o João.
-Deve gostar de ti não haja dúvida.-chega finalmente o ex namorado da Luísa,o Luís.
-Dizeste alguma coisa?-pergunta o João.
-Não,nada.-responde o Luís.

Entretanto no gabinete do director,a senhora Rita e a senhora Amélia estão a levar queixas das suas filhas.
-Obrigado por terem vindo.-diz o director.
-O que se passou com a minha filha director?-pergunta a mãe da Marta,a senhora Rita.
-Bem,a menina Marta e a menina Luísa lutaram em pleno bar da escola e eu não quero dar este exemplo aos alunos mas eles já são crescidos e os pais têm de tomar conta deles não eu.
-Claro,senhor director não volta a acontecer.-diz a senhora Amélia.
-Ah...a menina Carla e a menina Raquel também foram cúmplices.
-A sério?-dizem as mães ao mesmo tempo.
-Sim,agora penso que está tudo dito podem ir embora.obrigado.

Entretanto no corredor a Raquel está a esfregar o chão quando uns rapazes da turma dela começaram a gozar com ela.
-Esfrega maluca.-diz o David.
-Lava,esfrega.-diz o Bruno.
E atira-lhe um pano a cara.Ela começa a correr e a chorar e vai para a casa-de-banho.
-Porque fazem-me tão mal o que fiz eu para merecer isto?

Capitulo 13

Entretanto na porta da escola a mãe da Marta e a dona de casa da Luísa pois, porque a mãe da Luísa morreu, estavam a conversar sobre o que o director disse.
-Eu não compreendo elas eram tão boas meninas. -disse a Amélia.
-É verdade. -concorda a mãe da Marta.
-Como é que puderam fazer isto. -disse a Amélia.
A Luísa e a Carla foram ter com elas.
-Olá.-disse a Luísa despreocupadamente.
-O que é que fizeste Luísa, isto não se faz. -grita a Amélia.
-Ela começou a irritar-me. -defende-se a Luísa.
-A minha Marta não é assim, só se irrita com a roupa. -disse a senhora Rita.
-Foi isso mesmo, senhora Rita.-diz a Luísa.
-Mas, qual vai ser o nosso próximo castigo? -pergunta a Carla.
-A Luísa vai ficar uma semana sem sair de casa a não ser para ir para a escola e tu Carla vou falar com o teu pai. -diz a Amélia.
-Oh, não! -dizem a Carla e a Luísa ao mesmo tempo.
-Tem de ser.
-Meu Deus eu não vou fazer nada á Marta ela é adolescente e isto é normal! -disse a Rita.
-A senhora é que sabe. -diz a Amélia.
Pouco tempo depois na sala de ginástica.
-Estamos feitas! -diz a Luísa.
-A Amélia não pode falar com o meu pai.
-E a culpa é minha desculpa Carla eu não queria mas aquela miúda está a irritar-me.
-De certeza que vou ficar um mês sem sair de casa.
-Coitadas das meninas!
A Marta chegou sem que elas tenham dado por isso.
-Não comeces. -avisa a Luísa.
-Acalma-te Luísa, eu falo. O que é que tu queres?
-Quero que vocês paguem pelo que me fizeram.
-Nós não te fizemos nada tu é que provocas-te.
-Ai é!
E lá começaram de novo á guerra o que vale é que o Ricardo e o João estavam lá e travaram.
-Parem. -disse o Ricardo.
-Parecem umas tontas. -diz o João.
-Foi ela que começou. -disse a Marta.
Elas estavam seguras pelo Ricardo e pelo João.
-Cala-te Marta tu foste a culpada. -culpa o Ricardo.
-Eu! Larga-me João.
O João largou-a.
Eu não acredito que estás a defender esta maluca, mas tu é que sabes!
A Marta saiu da sala de ginástica.
-Vocês não gostam muito da Marta, pois não? -pergunta o Ricardo.
-Já começa a ser um hábito estarem á guerra. -diz o João.
-Ela provoca. -responde a Luísa.
-Mas têm de resistir a ela. -diz o Ricardo.
-Vamos tentar. -diz a Carla.
A Luísa e o João vão-se embora da sala e ficam a Carla e o Ricardo.
-Podemos nos encontrar em minha casa hoje, ás 20:00?-pergunta o Ricardo.
-Claro.
-Até já.

Capitulo 14

No quarto da Carla ás 19:30.
-Estou feita se o meu pai sabe. -queixa-se a Carla.
-Carla, acho que tenho uma ideia. -diz a Luísa.
-Diz. -pede a Carla.
-Então é o seguinte: metemos comprimidos para a Amélia esquecer o que aconteceu é boa ideia não é?
-Tens a certeza que não a vais matar? - perguntou a Carla preocupada.
-Não os comprimidos são 100% confiantes.
-Então fica combinado.
Entretanto no quarto do Ricardo.
-Bem, são 19:40.-disse o Ricardo.
-Porque é que estás a ver as horas? - pergunta o João.
-Porque vou ter um encontro com a Carla ás 20:00.
-Então...
-Eras capaz de sair?
-Sempre ás ordens chefe. - brinca o João.
-Mas, antes, agora estou a pensar e...gostava de fazer uma banda e tu?
-Sim, um bocado. - concorda o João.
-Mas, vai-te embora falamos amanhã.
Entretanto no quarto da Carla.
-Amanhã pomos em prática o plano. Ai já são horas. - disse a Carla.
-Para quê?
-Vou ter um encontro com o Ricardo em casa dele.
-Ah...então boa sorte.
No quarto da Marta.
-Que idiotas, eu estou farta. - diz a Marta.
-Farta de quem? - pergunta a Raquel.
A Raquel também estava com ela.
-De quem haveria de ser, da Luísa e da Carla.
-O que é que aconteceu? - pergunta a Raquel.
-Lutei outra vez com elas.
-A sério?
-Agora foi com a parva da Carla.
-E o director?
-Não chegou a aparecer, o Ricardo e o seu amiguinho tonto salvaram-nos.
-Ainda bem.
A Raquel estava com má cara e a Marta notou.
-O que se passa Raquel?
-Fui outra vez gozada.
-Não pode ser.
-Agora foi no corredor quando estava a limpar a escola.
-Eles nem sabem o que lhes vai acontecer. Palavra de Marta.

Capitulo 15

Entretanto no quarto do Ricardo a Carla acaba de chegar.
-Olá Carla, entra.
-Olá Ricardo.
Iam dando um beijo na boca mas só deram dois beijos na cara.
-Ah...então como vai a tua vida? - perguntou o Ricardo.
-Vai boa e a tua?
-Também.
-Percebes alguma coisa da matéria de história? - perguntou a Carla.
-Sim, queres que te explique?
-Pode ser.
Passaram uma hora a fazer os exercícios.
-Percebeste? - pergunta o Ricardo.
-Sim.
-Bem, acho que já é tarde.
-Pois é, então adeus.
E foi agora que deram o beijo.
No dia seguinte no quarto do Ricardo o amigo João queria saber o que aconteceu.
-Olá Ricardo.
-Olá.
-Então o que aconteceu ontem?
-Expliquei-lhe a matéria de história.
-Só?
-E...beijámo-nos.
-Já? Oh...meu amigo estão a andar depressa.
-Não admitimos nada.
-Assim já estás a andar devagar. Mas porquê?
-Ela não insistiu.
-Mas deu a entender que ela...
O Ricardo completou a frase do João.
-...Também gosta de mim.
Entretanto no quarto da Carla a Luísa e a Carla também estão a falar do encontro.
-Foi mágico.
-Meu Deus! Mas porque não insististe?
-Porque não era o momento certo para começar a namorar, a ter um relacionamento.
-Mas gostaste dele?
-Sim.
-Então ele é o rapaz dos teus sonhos.
Capitulo 16

Entretanto no quarto da Marta.
-Raquel tu não achas que a Carla está a aproximar-se muito do Ricardo?
-E então?
-O Ricardo tem de ser meu namorado!
-Mas se durante este tempo não foi, não podes forçar.
-Não sabes o que dizes, o Ricardo vai ser meu nem que me mate, quer dizer, morta é que ele não me quer.
-Tu é que sabes.
-E o professor André?
-Tu gostas dele?
-Sim e a Luísa não vai ficar com ele.
-Tu é que sabes.
Ás 7:55 o Ricardo e o João chegam á escola.
-O que faço se a vir? - pergunta o Ricardo.
-Falas com ela e dizes-lhe a verdade.
-Que eu gosto dela?
-Sim. Olha ela vem aí. Vou ao bar. Adeus.
A Luísa e a Carla também vêm o João e o Ricardo e a Luísa esperta como é inventa uma desculpa para deixá-los sozinhos.
-Preciso de ir á papelaria vemo-nos nas aulas adeus.
-Adeus.
A Marta e a Raquel também chegam á escola e ficam a observar.
-Olha a parva da Carla vai ter com o Ricardo vamos ouvir. - diz a Marta.
-Olá Ricardo. - diz a Carla.
-Olá. Estás bem com aquilo que se passou ontem?
-Sim. Posso falar contigo depois da aula de história?
-Depois da segunda aula?
-Sim.
-Está bem. Pode ser na sala de convívio?
-Sim.
-Então fica combinado.
-Adeus.
A Marta depois de ouvir a conversa fala com a Raquel.
-Temos de descobrir o que se passa.
Nesse momento toca para a entrada e eles tinham de ir para as aulas.
-Então como correu? - pergunta a Luísa ao avistar a Carla.
-Inventaste a desculpa da papelaria para eu falar com o Ricardo não foi?
-Claro que sim.
-Vou falar com ele depois da aula de história.
-Então que tenhas sorte.

Capitulo 17

No final da aula de matemática a Marta foi falar com a Luísa e com a Carla na sala de ginástica.
-Vocês não ficam a rir, tu não ficas com o Ricardo e tu não ficas com o André. - dizia ela.
-Eu nem estou a namorar com o Ricardo.
-Mas isto é só um aviso.
A Carla sai da sala mas a Luísa nem por isso.
E tu não ficas com o professor André.
-Podes crer que sim.
As duas cantaram uma música muito malvada.
A Marta começou a ficar zangada e a Luísa reparou.
-E eu também te faço um aviso: não me batas porque se os alunos virem que és tu vais levar um castigo mas agora dos grandes.
A Luísa saiu da sala e a Marta ficou zangadíssima.
Tocou para a entrada e eles foram para a aula de história.
A aula decorreu bem mas o pior foi depois.
-Para trabalho de casa páginas 15,16 e 17 todas. Adeus! - Dizia o professor.
-Tantos trabalhos de casa. - Queixava-se a Luísa.
-É assim meninos isto não é para brincadeiras.
-Vou á sala de professores ter com o professor André. Vai falar com o Ricardo. - Disse a Luísa para a Carla.
A Marta estava a ouvir a conversa.
-O que faço agora? Vai vigiar a Carla que eu vou ter com o giraço. - Diz a Marta para a Raquel.
-Tu é que sabes.
Entretanto o João despede-se do Ricardo.
-Vou ao bar até já.
-Até já.
Na sala de convívio.
-O que se passa? - pergunta o Ricardo.
-É sobre o que aconteceu ontem.
-E então?
-Acho que não foi um erro.
-Como assim?
-Se tu gostares de mim não foi um erro.
-A sério?
-Sim.
-Eu gosto de ti.
-Eu também.
-Então podemos ser namorados?
-Sim. Bem agora anda que deve estar quase a tocar para a aula.
A Raquel esteve a ouvir toda a conversa.
-Esquece não vou dizer isto á Marta, ela não merece.
Entretanto na sala de professores.
-Professor André preciso de saber uma coisa. - era a Luísa.
-Diz Luísa.
-Professor, professor também tenho uma coisa para lhe dizer. -era a Marta.
-Diz Marta.
-Não percebo uma coisa, para que serve o anti-vírus?
-Que burra! O que é a Microsoft? - Pergunta a Luísa.
-Meninas é melhor pararem, falo com vocês noutra altura ou na próxima aula adeus!
-Parva - disseram a Luísa e a Marta ao mesmo tempo.

Capitulo 18


Depois das aulas a Luísa e a Carla estavam no quarto da Carla a falar.
-Então namoras com o Ricardo?
-Sim.
-Finalmente amiga. - Grita a Luísa.
O pai António ouviu a gritaria e foi ao quarto da filha ver o que se passava.
-Luísa fala mais baixo. - Pediu ele.
-Senhor António que novidade...
A Carla fez sinal á Luísa para não contar ao pai.
-O que é Luísa? - Perguntou o pai.
-Ah...a Carla já sabe os cantos á escola.
-Já tinha obrigação de saber. - Responde o pai.
E saiu do quarto da filha.
-O teu pai está a ficar agressivo.
-Sempre foi tu é que não reparaste.
-Que bom já namoras com ele. - Continua a Luísa.
Entretanto no quarto do Ricardo estão a falar a mesma coisa.
-Que bom já andas com ela.
-É verdade.
-Podia ser a Marta mas tudo bem.
-Agora só faltas tu e a Luísa.
-Não, e mesmo que goste dela ela tem...
O Ricardo não o deixou acabar a frase.
-Ex namorado é diferente.
-Está bem.
No quarto da Marta também estavam a falar do mesmo.
-Como correu? - Pergunta a Marta.
-Tudo bem. - Mente a Raquel.
-Não são namorados pois não?
-Não.
-Que bom.
Capitulo 19


No dia seguinte na porta da escola o Ricardo e o João estavam a falar.
-De quem estás a espera. - Pergunta o João.
-Da Luísa e da Carla.
-Porquê?
-A conversa da banda.
-Ah, está bem.
O Ricardo viu a Carla e a Luísa.
-Olá meninas.
-Olá Ricardo, olá João. - Disseram as duas ao mesmo tempo.
-Eu e o João temos uma proposta para vos fazer.
-O que é? - Perguntou a Carla.
-Querem fazer uma banda?
-Não sei.
-Aceita Carla. - Pede a Luísa.
-Está bem.
-Boa! - Diz a Luísa.
-Então até amanhã...
O João não acaba a frase porque o Luís chega á escola e fala com a Luísa.
-Olá Luísa.
-Desaparece.
Ele sai dali e o João finalmente acaba a frase.
-...amanhã em casa do Ricardo.
-Fica combinado adeus! - Responde a Carla.
A Carla e o Ricardo saíram.
-Gosto de fazer a banda e tu? - Pergunta o João.
-Também.
Entretanto o Ricardo fala com a Carla sobre o João e a Luísa.
-Olha para o João e para a Luísa. - Explica ele.
-É, a Luísa gosta do João mas não quer admitir.
-O João também não. E que tal se fizéssemos uma ajudinha?
-Óptimo.
Ficaram a ver o que dava.
-Tu não achas que o professor de história manda muitos trabalhos de casa?
-Sim. E o director, o professor de matemática.
Nesse instante tocou para a aula.
-Vou para a aula. - Responde a Luísa.
-Vou contigo.
A Carla fala com o Ricardo.
-Ricardo, isto não vai ser fácil.
-Eu sei mas temos de conseguir. Vamos para a aula.

Capitulo 20


No final da aula de matemática o Luís vai ter com a Luísa.
-Luísa, tenho de falar contigo.
-O que queres?
-Vamos para a sala de convívio.
Eles lá foram, a Carla e o Ricardo também ouviram a conversa.
-Eu não consigo, porque é que acabaste comigo?
-Porque não deu.
-Deu, tu é que não querias!
-É isso Luís não quero, agora adeus.
A Carla fala com o Ricardo.
-Que bom ela não gosta dele.
-É verdade!
-Agora vamos ver com o João.
-Vamos.
Entretanto na casa de banho das raparigas.
-Raquel sinto-me vitoriosa! - Diz a Marta para a Raquel.
Ouve-se a Raquel a puxar o autoclismo.
-Porquê? - pergunta a Raquel.
-Porque a Carla e o Ricardo não namoram e o André também está bom.
A Raquel com cara fingida.
-Pois!
A Marta reparou.
-Que se passa Raquel?
-Acho que tenho uma coisa para te contar.
-É coisa boa?
-Não, é má.
-Diz lá.
-Eu menti, disse que o Ricardo e a Carla não namoram e afinal é verdade.
-O quê?
-Não queria fazer-te mal.
-Mas assim é pior Raquel.
-Desculpa.
-Vou ter que fazer alguma coisa. Já sei. Vamos vigiá-los.
-Ai!
A Raquel vai outra vez para a sanita.
-O que se passa Raquel?
-Está a dar-me uma dor de barriga. Acho que vou para casa.
A Raquel na verdade estava a mentir queria é que a Marta fosse embora para fazer uma coisa.
-Então as melhoras. - Disse a Marta acreditando nela.

Capitulo 21


Na sala de convívio o Ricardo, a Carla, o João e a Luísa estavam a falar sobre a banda.
-Precisamos de outra pessoa para a banda. - Disse o Ricardo.
-Mas quem? - Pergunta a Luísa.
Na sala ao lado que era a de música ouviu-se um piano e eles foram ver quem estava a tocar e depararam-se com a Raquel a tocar.
-A Raquel toca piano? - Pergunta a Carla.
-Não sabia. - Responde o João.
Eles quando acabaram de ouvir bateram palmas.
-O que é que estão a fazer aqui? - Pergunta a Raquel.
-Tens uma voz fantástica e tocas muito bem. - Elogia a Carla.
-Não digam isso a Marta pode ouvir.
Afinal era este o segredo dela.
-Porquê? - Pergunta o João.
-Ela não gosta que eu toque, mas eu gosto é por isso que invento sempre uma desculpa para vir para aqui tocar.
-Mas se gostas, ela tem que aceitar, é tua amiga afinal. - Disse a Carla.
-Viemos fazer-te uma proposta. Queres fazer uma banda connosco? - Pergunta o Ricardo.
-Não sei.
-Aceita. - Disse a Luísa.
-Está bem.
-Fazes de pianista. E começas amanhã ás 20:00 na minha casa fica combinado?
-Sim.
-Então adeus.
E saem da sala.
O dia decorreu muito rápido e eles foram depressa para casa.
Entretanto em casa da Marta.
-Já tenho uma ideia melhor para eles acabarem.
A Marta estava a falar da Carla e do Ricardo.
-Ah desculpa tenho de ir embora.
-Para onde?
-Ah ter com uma amiga.
Saiu da casa da Marta e a Marta achou estranho o que ela disse.
-É impossível, ela só tem a mim como amiga.
Entretanto no quarto do Ricardo estavam todos á espera da Raquel mas ela acabou por aparecer.
-Já cheguei! - Disse ela já cansada de correr.
-Estamos todos então vamos começar com duas músicas. - Disse o Ricardo.
Lá foram eles cantar duas músicas...
...Acabando as músicas.
-Não foi mau para duas músicas. - Disse o João.
-Pois foi. - Concorda a Carla.
-Bem agora como já é tarde e têm de ir para casa boa noite e até amanhã. - Disse o Ricardo.
-Até amanhã. - Dizeram todos ao mesmo tempo.

Capitulo 22

No dia seguinte na porta da escola a Marta avistou o Luís e foi ter com ele.
-Olá Luís.
-Olá Marta o que se passa?
-Sabes alguma coisa da Raquel?
-Eu não e tu da Luísa?
-Da Luísa? Eu não falo com essa parva. Porquê?
-Porque ela anda desaparecida.
-O quê? Fugiu?
-Ela foge para ir ter com uma amiga.
-Ah, estava a ver que raptaram-na. Mas foi a desculpa que a Raquel disse-me ontem.
-A sério?
-Que estranho. Será que elas são amigas?
-Não sei.
-É assim hoje á noite vais ter a casa da Carla e eu amanhã vou ver o que vão falando.
-Ok. Até já.
-Até já.
Á noite como combinado o Luís ia a casa da Carla para saber sobre a banda.
O pai da Carla vai ao quarto dela para lhe dizer que está lá o Luís.
-está aqui o teu colega.
-Qual?
-O Luís.
-Olá Carla.
-O que queres?
O pai saiu do quarto.
-A Luísa. Ela está bem?
Ele estava a inventar uma desculpa.
-Está.
-Carla, porque é que a Luísa não quer saber de mim?
-Ela já não gosta de ti e tens de perceber isso.
-Como queiras adeus.
Ele saiu mas ficou na porta a ouvir a conversa.
O telemóvel da Carla tocou.
-Estou? Olá Ricardo o que se passa? ... reunião da banda amanhã?...ok até amanhã.
Desligou o telemóvel e o Luís saiu.
Capitulo 23


No dia seguinte na porta da escola o Luís e a Marta estavam a falar.
- Então sabes alguma coisa?
- A Carla e o Ricardo estão a fazer uma banda.
- O quê?A sério?
- Sim,que se passa?
Ele notou na cara estranha da Marta.
- Então, se a Carla e o Ricardo estão a fazer uma banda de certeza que os amigos deles também.
- Tem lógica.
- Agora a Raquel é que já não sei.
Falaram na Raquel e ela apareceu juntamente com o Ricardo, a Carla, a Luísa e o João.
- Esquece ela também entra. Temos de desmascará-los.
- Mas como?
- Quando estivermos por perto falamos.
- Está bem até já.
Ás 13:00 no corredor a Marta arriscou e foi desmascará-los.
- Parva,agora já não dizes nada aos outros?
- Ah.-diz a Luísa.
- Ah nada. Vocês estão a fazer uma banda e não dizem nada a ninguém.
- Luísa, o meu pai está cá na escola e isto é mau. - Avisa a Carla.
Aparecem todos no corredor.
- O que queres? - Pergunta o João.
- Quero que vocês digam a verdade.
- É verdade e então?
O pai da Carla vai ter com ela.
- Filha, sua mentirosa, enganaste-me.
- Pai eu não queria.
- Anda, hoje não vais mais á escola.
- Viste o que fizeste sua parva? - Diz a Luísa.
- Luísa anda. - Pede a Amélia.
- Eu não vou a lado nenhum enquanto esta parva não pagar pelo que fez.
- Eu só disse a verdade.
- Anda Luísa. - Pede mais uma vez a Amélia.
- Tu vais pagar-mas. - Disse a Luísa.
- Vamos Ricardo. - Pediu o João.
A Marta foi ter com a Raquel.
- Não grites comigo sei que fiz mal.
- E fizeste mesmo.
O director da escola acalmou os alunos.
- Bem, vamos continuar as aulas.
- Não temos mais nada a fazer aqui. - Reforça o professor Paulo.

Capitulo 24


No quarto da Carla o pai estava a falar com ela.
- Desiludiste-me.
- Pai eu não fiz por mal.
- Agora já é tarde demais para reparares o mal que fizeste. Vais ficar de castigo uma semana. Aproveita bem.
E dizendo isto saiu do quarto.
- Porque é que não me deixas cantar, só por causa da mãe?
Entretanto no quarto do Ricardo depois das aulas.
- Eu não sabia que o pai da Carla não a deixava cantar.
- É verdade. - Diz o João.
- Estou cansado João, por toda esta mentira.
- Quem deve estar pior é a Carla.
- E a Raquel, lembra-te dela, mas eu não posso mais vou acabar tudo.
- Mas não podes.
- Posso e vou fazê-lo.

No quarto da Marta.
- O que tu fizeste não se faz Raquel.
- Desculpa.
- Promete-me que não vais voltar a fazer isto?
- Pode ser, sim.

No dia seguinte na porta da escola.
- Marta, acho que não devias ter feito aquilo. - Era o Luís.
- Desvendar a verdade para a escola?
- Sim.
- Eu é que mando.
E saiu.

Na sala de convívio o Ricardo queria falar com a Carla, a Luísa, a Raquel e o João.
- Tenho de falar com vocês.
- Diz. - Disse a Carla.
- Em 1º lugar vou sair da banda.
- O quê? Não podes. - Disse a Luísa.
- Adeus banda. - Diz a Raquel.
- Eu já não aguento mais com tanta mentira.
- Ricardo, nós somos teus amigos e vamos até ao fim com a banda nem que haja só "Martas" e Luíses" a impedir.
O João quando disse a frase olhou para a Luísa e ela reparou que ele olhou para ela e disse:
- Eu já não namoro com ele, João, e quero falar contigo depois desta conversa.
- Eu já não consigo. - continuou o Ricardo.
- Então acho que acabou a banda. - Disse a Raquel.
- Não acabou só a banda Raquel, eu e a Carla acabámos.
A Carla depois de ouvir a frase dele foi-se embora.
- Estás a fazer um erro Ricardo, mas tu é que sabes. - avisou o João.
De seguida foram todos embora menos o João e a Luísa.
- João eu já não namoro com o Luís.
- E então?
- Agora são mais dois.
- E quem são?
- O professor André.
- E?
- E tu.
O João ficou de boca aberta.
- A sério?
Entretanto no corredor o Ricardo fala com a Carla.
- Carla espera.
- O que se passa Ricardo. - ela estava cheia de lágrimas.
- Tenta perceber, não é por ti, é por mim.
- Eu percebo Ricardo mas a única coisa que eu não consigo perceber é porque fazes isso aos teus amigos.
Ela foi-se embora.

Capitulo 25


Na porta da escola ás 19:00 a Carla, o Ricardo e a Raquel estavam a falar e deparam-se com a Luísa e o João juntos.
- O que se passa aqui? -pergunta a Carla.
- Olá temos uma novidade para vos contar. -diz a Luísa.
- Então qual é? -pergunta o Ricardo.
- Eu e a Luísa namoramos. -disse o João.
- Que bom! -diz a Carla.
- Agora o que falta são vocês os dois não é? -disse o João.
- Não, não é mas, adeus, o meu pai deve estar a chegar. -responde a Carla.
- Agora vais no carro dele não é? -pergunta a Raquel.
- Sim, adeus.
Dois dias mais tarde na escola à hora do almoço a Luísa está a falar com a Carla, o João, o Ricardo e a Raquel.
- Olhem tenho uma ideia para desmascarar a Marta.
- O que é? - pergunta a Raquel.
- Se falarmos com todos e dizermos que a Marta já cantou comigo está feito e vai ser amanhã porque é a reunião de pais.
- És um génio Luísa.
- É verdade então até amanhã.
No dia seguinte no bar às 10:00 a Luísa prepara-se para a "tacada".
- Olá Marta também não falas?
Todos olham para ela.
- O que queres idiota?
- Não me digas que tens falta de memória? Coitada! É a música que cantaste comigo na sala de ginástica.
- Isso não foi nada.
- É, tu é que não sabes.
A mãe da Marta aparece.
- Filha que vergonha.
- Mãe eu não fiz nada, olha está ali o culpado.
Apontou para o Luís.
- Eu, tu é que tiveste a ideia.
- Não deites as culpas para cima do Luís, Marta. - Disse a Raquel.
- Até a minha melhor amiga está contra mim. Mas ninguém vai acreditar em vocês.
- Mas que vergonha Marta, vamos embora. - Disse a mãe.
O director fala com a mãe da Marta.
- Quer que a leve?
- Não é preciso.
- Mãe não podes fazer isso.
- Posso anda.
- Bem vamos retomar as aulas meus alunos. - Disse o professor.
- Luísa estás desculpada. - Disse a Amélia.
- Obrigada Amélia.
- Nem penses que te vou desculpar. - Era o pai da Carla.
- Eu já sabia pai.
- Desiludiste-me.
- Deixe a menina António. -pede a senhora Amélia.
- Não. Eu vou-me embora, adeus.
- Adeus.
- Menina Luísa? - Era o director.
- Sim.
- Acho que a sua mãe não morreu.
- O quê?
- Venha.
- A sério? - Era a Amélia.
- Venham.

Capitulo 26

A Luísa e a Amélia estão no gabinete do director onde encontram lá a mãe da Luísa e a irmã gémea.
- Olá filha. - Era a senhora Inês.
- Mãe?
- Olá mana.
- Irmã?
- A senhora Inês?
- Sim Amélia.
- Eu não quero ouvir nada. - Diz a Luísa e sai a correr.
Á noite em casa da Luísa, a Amélia vai ao quarto dela dizer-lhe que a mãe está lá à porta de casa.
- Luísa a tua mãe está cá.
- Olá Luísa.
- O que queres?
- Contar-te a história porque é que eu estou aqui.
- Diz então.
- Então é o seguinte: tu sabes que eu e o teu pai estávamos nas montanhas e á 10 anos estávamos dados como mortos.
- Então porque é que estás aqui?
- Não cheguei a morrer, fiquei foi 10 anos a tentar sair das montanhas.
- Então e o pai?
- O teu pai não teve a mesma sorte morreu duas semanas depois.
- E quem era aquela rapariga que estava contigo no gabinete do director?
- É a tua irmã gémea, Patrícia.
- Mas eu não sabia nada dela.
- Ela estava noutra escola na Austrália.
- Tão longe!
- Achas que me desculpas?
- Acho que sim, quer dizer claro que sim.

Capitulo 27

A Luísa ligou para a Carla.
- Estou?
- Carla estou super feliz, a minha mãe que estava morta apareceu.
- Que bom!
- A única coisa que me chateia é que tenho uma irmã gémea igual a mim.
- Isso também é bom, quem me dera ter uma irmã
- Pois eu também dizia isso mas estou a ver que vou mudar a minha frase.
- Está bem, adeus.
- Adeus.

No dia seguinte na casa da Marta, o Luís foi a casa dela.
- O que se passa?
- Acho que o que fizeste foi um erro.
- Eles mereciam.
- Não mereciam, tu é que os provocaste.
- Eles querem meter-se na minha vida.
- É o Ricardo que tu queres não é?
- Exactamente, vês como chegaste lá.
- Eu também acabei com a Luísa e não fiz o que tu fizeste.
- Porque tu és parvo.
- Não, porque aceitei o destino, porque não ia magoar uma pessoa que eu adoro, e se o que tu sentes pelo Ricardo é amor, então não devias fazer isso a ele.
- Cá se fazem cá se pagam, ele não quer saber de mim, portanto paga.
- Isso não é amor, és incrível Marta tu não gostas de ninguém só gostas de ti.
- Não, e o amor pelo professor de informática.
- Ele é muito mais velho do que tu Marta.
- Mas eu vou conseguir.
- És incrível.

Capitulo 28

Na escola, no bar, o João estava a falar com a Luísa, quer dizer, ele pensava.
- Olá borboleta.
- Olá João tudo bem? A minha mãe já me falou de ti.
- Do que é que querias que falasse?
- Da escola por exemplo.
- Mas tu detestas as aulas.
- Eu gosto das aulas. Bem adeus.
- Que estranho!
No corredor da escola o Luís e a Raquel esbarraram um no outro.
- Caiu tudo para o chão. - Queixa-se a Raquel.
- Desculpa Raquel. Ah ainda bem que estás aqui. Queria pedir-vos desculpa pelo o que a Marta fez.
- Ah obrigada.
- E principalmente a ti.
- Ah obrigada mas porque é que estás a dizer isso.
Ela começa a corar.
- A Marta é uma parva ela nem sequer gosta do Ricardo. Só quer saber dela.
- Eu já sabia.
- Como? Já sabias, então porque é que andavas com ela?
- Era para ganhar popularidade mas estou a ser gozada.
- Com a Marta não admira. Bem espero-te no portão da escola quando sairmos, fica bem.
- Adeus.

Capitulo 29

Na porta da escola.
- Ai, outro dia, Sofia.
- É mesmo, quando é que estás em casa?
- Não sei a que horas estou.
- Adeus!
- Adeus!
Chega a Marta ao pé do professor.
- Olá professor André está muito bonito.
- Obrigada Marta.
- Será que quer sair comigo?
A Carla estava a ver e a ouvir a conversa e a Sofia estava a observar.
- O que queres dizer com isso?
- Ir a algum lado.
- Não posso adeus.
- Adeus!
A mulher foi falar com ele.
- O que se passa com aquela rapariga?
- Não é nada, só está com sono.
A Carla ao ver aquilo fala.
- Meu deus! O professor de informática é comprometido.
Entretanto na sala de história.
- Será que fizeram todos os trabalhos de casa?
- Professor eu não fiz. - Disse a Carla.
- Ai menina Carla não pode ser, vai repeti-lo duas vezes.
- Meu deus.
- É para quem não cumpre os trabalhos de casa. Os outros fizeram?
- Não fiz o exercício 1. - Disse a Marta.
- Repetes duas vezes. Os outros fizeram?
Todos fizeram um sim com a cabeça.
- Muito bem vamos começar a aula. Esta aula é dedicada aos reis.
- Que seca!
- O que disse menina Marta?
- Disse que gosto desta matéria. - Mente.
- Então vai escrever 100 vezes.
- O quê?
- É o teu trabalho de casa.
- Este professor é pior que os outros todos.
Mais tarde quando toca a Raquel vai falar com a Marta.
- Marta o que nos fizeste foi uma coisa muito má.
- Vocês mereciam.
- Tu também cantaste com a Luísa em segredo.
- Pois foi.
- Não podes fugir das tuas consequências.
- Ok. Peço desculpa.
- Agora vou embora adeus.
- Com quem?
- Com o Luís.
- O Luís?
- Sim ele está à minha espera à porta da escola.
- Ok. Adeus.
- Adeus.

Capitulo 30

Na porta da escola a Raquel vai ter com o Luís.
- Olá Raquel então estás despachada?
- Sim.
- Anda levo-te a casa.
- Obrigada.
Mais tarde no quarto da Marta, a Marta está a falar ao telemóvel com a Raquel.
- Tenho namorado.
- Quem é? - Pergunta a Marta.
- O Luís.
- A sério?
- Sim.
- Foi depressa.
- Adeus. Tenho de ir.
- Adeus.
A Marta desliga o telemóvel e começa a falar.
- E eu sem namorado, a andar a brincar meu deus fiz tanta coisa só para ter um amor.
Entretanto o telemóvel da Luísa toca.
- Estou? Raquel?
- Sim, já tenho namorado mas vais ficar zangada.
- Não, vai conta.
A Carla também estava com ela.
- Pronto, eu conto é o teu ex namorado Luísa.
- A sério? Que bom fico feliz por vocês.
- Ah obrigada.
- Eu já não gosto do Luís eu só quero que ele encontre a pessoa certa para ele
- Parabéns! - Disse a Carla.
- Obrigada.
A Luísa desligou o telemóvel e comenta com a Carla.
- Estás a ver, há sempre coisas boas neste mundo.

Capitulo 31

No quarto do Ricardo, o João e o Ricardo estavam a falar.
- Acho que vou dormir.
- Não fazes as pazes com a Carla?
- Não sei.
- Ela não tem culpa de tu estares revoltado.
- Eu sei.
- E tu gostas dela.
- Vou pensar.
Toca o telemóvel do Ricardo.
- Estou?
- É a Raquel. Tenho namorado.
- Quem é?
- O Luís.
- O ex namorado da Luísa? - Pergunta o João.
- Que surpresa.
- É verdade rapazes.
- Felicidades.
- Adeus.
O Ricardo desligou o telemóvel e o João preparou-se para lhe ligar.
- Continuo a achar que devias falar com a Carla.
- Vou pensar nisso.
- Ah Ricardo tu não achaste hoje a Luísa estranha?
- Não porquê?
- Ela estava esquisita.
- Tens que falar com ela.
- É isso mesmo que vou fazer.

Capitulo 32

No dia seguinte no corredor da escola, o João avistou a Luísa e foi falar com ela.
- Ontem estavas esquisita Luísa.
- Eu nunca estou esquisita.
Nesse instante aparece a irmã gémea da Luísa.
- Olá Luísa, Olá João.
- O que é que tu estás aqui a fazer? - Disse a Luísa.
- Ela é a tua irmã gémea? - Pergunta o João.
- Sim. Não me digas que ela é que era.
- Ontem falei com o João e descobri que tens namorado.
- Que raiva!
A Patrícia apresentou-se.
- Olá eu sou a Patrícia a irmã gémea da Luísa.
- Olá Patrícia.
Deram um aperto de mão.
- Não te zangues Luísa acontece a toda a gente. - Tranquiliza-a a irmã.
- Mas não a mim.
- A nós. - Corrige a irmã.
- Que raiva!
A Luísa foi-se embora e o João pede permissão à irmã d Luísa para ir ter com a Luísa.
- Eu vou com ela patrícia adeus.
- Adeus. Ah e não te esqueças, diz a ela que estou na vossa turma a nossa mãe não lhe contou.
O João ficou boquiaberto. Coitada da Luísa.
- Ok. Adeus.
Á tarde na sala de convívio a Marta queria falar com a Raquel, o Ricardo, a Carla, o João e a Luísa.
- Preciso de falar com vocês.
- O que se passa? - Perguntou a Carla.
- Tenho de vos pedir desculpa pelo que fiz, fui uma besta. Agora adeus.
A Marta saiu da sala.
- Obrigada Marta. - Disse a Luísa.
- Que bom! - Disse o João.
- Ah, acho que fui um...
- Parvo. - o João concluiu a frase do Ricardo.
- Sim eu não devia ter acabado com a banda.
- Ainda bem que percebeste.
- Nós precisamos de ti no grupo. - Disse a Raquel.
- Sabes a quem mais tens de pedir desculpa? - Disse o João.
- Sim, à Carla.
- Então vai rapaz não faças cerimónia, nós vamos embora.
Eles saíram mas ficaram à porta da sala.
- Desculpa Carla eu fui um parvo.
- Pois foste mas ficas desculpado.
- Obrigado.
- Mas agora temos de ver quem está ali escondido atrás da porta.
A Carla tinha reparado.
- Olha apanharam-nos. - Disse o João.
O Luís passou por ali e viu que eles estavam a festejar.
- Olá, já percebi o vosso festejo parabéns a Marta ficou mais mansa.
- É verdade Luís. - Disse a Raquel.
- Obrigada por ajudares Luís, ah e tu e a Raquel fazem um lindo par.
- Obrigada Luísa. ah e tu e o João também fazem um lindo par.
- Obrigada e desculpa por tudo o que te fiz. - Disse o João.
- Está tudo bem.

Capitulo 33

À noite no quarto da Carla, o pai foi falar com ela.
- Carla posso entrar?
- Sim pai.
- Queria falar contigo sobre a música.
- Eu sei que tu não queres que eu cante.
- Não é isso, podes cantar, percebi que se tu gostas muito de música tens de seguir isso e não quero que tu deixes de cantar por causa da tua mãe pode ser que não aconteça a ti uma crise no palco e já te ouvi cantar e és muito boa.
- A sério pai?
- Sim podes cantar.
- Obrigada pai.
- Agora vou fazer o jantar adeus.
Quando o pai saiu ela foi ligar para a Luísa.
- Estou? Carla?
- O meu pai já me deixa cantar.
- A sério? Que bom. Vou ligar ao Ricardo adeus.
O telemóvel do Ricardo tocou.
- Estou é a Luísa, Ricardo, o pai da Carla já a deixa cantar.
- Que bom! Vamos ligar à Raquel adeus.
O João também lá estava.
O telemóvel da Raquel toca.
- Estou?
- É o Ricardo, o pai da Carla já a deixa cantar.
- A sério! - era a voz do Luís.
- Sim.
- Adeus.
- Falamos amanhã adeus.

Capitulo 34

No dia seguinte na sala de convívio.
- Sabem uma coisa já não sou gozada.
- Que bom Raquel! - Disse o Ricardo.
- Vou fazer uma festa à felicidade, em minha casa querem vir?
- Claro. - Dizeram todos ao mesmo tempo.
- Então no Sábado pelas 20:00 em minha casa e podem convidar toda a gente da escola até os pais.
- Então até lá.

Os dias passaram depressa até Sábado e chegou a hora esperada, a Luísa e a Amélia estavam a preparar a sala para a festa e eis que chegam os convidados.
- Olá mãe entra e mana, eu já me estou a habituar a ti vai ser fácil aturar-te.
- Ah que vergonha - disse a Patrícia.
- Olá Carla, Olá Ricardo entrem.
- Olá João.
- Olá borboleta eu estou a acompanhar estes "marmanjos" para ver se não arranjam sarilhos.
- Que bom entrem.
- Olá senhor António.
- Olá Luísa viste a Amélia?
- Está na cozinha.
- Obrigado.
- Olá Raquel, Olá Luís espero que gostem desta festa.
- Obrigada Luísa. - Disse o luís.
E foram entrando o professor André com a esposa, a Marta com a senhora Rita e o director e o professor Paulo... entre outros quando chegaram todos, a Luísa foi para o centro das atenções e disse.
- Olá a todos espero que gostem desta festa...
O pai da Carla e a Amélia foram ao palco para falarem.
- Eu e a Amélia vamos casar.
- A sério que revelação importante.
- Meu deus! - Disse a Carla.
- Eu também me vou casar. - Disse o director - Com a Rita.
- O quê? - Gritou a marta.
- Bem acalmem-se esta festa não vai acabar mal. Vamos música.

Capitulo 35

Três meses mais tarde.
- Tudo correu bem.
- E para não ter problemas deixei de ir para professor. - Disse o professor André.
- Depressa arranjas outro trabalho. - Disse-lhe a esposa Sofia.
O professor André teve um final feliz.

- Estou na miséria, não tenho ninguém mas eles vão pagar-mas. - Disse o professor Paulo.
O professor Paulo já não teve a mesma sorte.

- Estou feliz tenho tudo para ser feliz, duas filhas lindas.
- E?
- E o namorado de uma delas.
A mãe da Luísa apareceu e o João vai viver com a Luísa, a irmã e a mãe e então o que aconteceu à Amélia?
- Agora vamos para lua-de-mel.
- Adeus amigos.
Foi com o pai da Carla fazer a lua-de-mel.

- Neste ano consegui concretizar 2 coisas.
- Quais foram?
- Esquecer a Luísa e ter um amor.
O Luís e a Raquel também ficaram felizes e a Marta?
- Marta nem penses que este ano vou fazer-te as vontades vais ficar de castigo.
- O quê?
- Muito bem Rita. Fica de castigo um mês, ela merece.
A mãe da Marta casou-se com o director da escola porque a Rita divorciou-se do marido e a Marta teve a vida feita num inferno.

- Isto foi um ano... - disse a Luísa.
- Mágico. - concluiu o João.
O  Ricardo riu-se.
- Foi um ano em cheio. - disse a Carla.
- Eu estou cansada. - disse a Raquel.
- Conseguimos fazer uma banda. - disse o Ricardo.
- A sorte esteve connosco. - disse o Luís.
- Força banda! - disseram ao mesmo tempo.

Fim

1 comentário:

  1. Adorei a fic, demorei um tempinho para ler inteira, mas amei. Era é muito linda e bem escrita, parabéns.

    Bjos

    http://emmeumundodiferente.blogspot.com.br

    ResponderEliminar

Obrigada pelo comentário, a sua opinião é importante para o escritor.