sábado, 18 de janeiro de 2014

À Busca de um Sonho I (Continuação)

Olá, Pessoal!
Esta é a segunda parte e última.

Capitulo 30

No Algarve, cinco adolescentes estavam preocupados.

- Têm alguma ideia de onde esteja a Mimi? -perguntou a Teresa.

- Não. -responderam os rapazes.

- Calma aí. -pediu a Mariana.

- O que se passa? -quis saber a Teresa.

- Se é verdade o que ela escreveu de não estar no Algarve então só pode estar num sítio. -explicou a Mariana.

- Qual? -perguntou o Luís.

- Só deve estar em Lisboa. -disse ela.

- Sim mas onde? -perguntou o Pedro.

- Tenho uma ideia. -disse a Teresa.

- Espero que seja uma grande ideia senão amanhã vamos limpar. -disse a Mariana para a Teresa.

- Mariana, tu sabes a palavra passe que a Mimi usa no Messenger? -perguntou-lhe a Teresa.

- Eu acho que me lembro.

- Então vamos ao computador.

Depois de terem ligado o computador, o luís apressou-se a perguntar qual era a ideia que a Teresa tinha pensado.

- Ela deve ter no Messenger alguma coisa.

- E se não tiver? -perguntou o Carlos.

- Se não tiver estamos mal, muito mal.

Entraram no Messenger da Mimi e não foi preciso muito para descobrirem onde ela estava: no seu nick do Messenger estava lá o seguinte: “Estou farta disto, vou para casa da Patrícia em Lisboa, preciso de paz”.

- Aqui está. -disse a Teresa.

- Como é que ela se lembrou da patrícia, a nossa colega? -perguntou a Mariana.

- Ela é uma génio como a Mimi e era a única colega que consegue guardar segredos. -respondeu a Teresa.

- Próxima paragem: Lisboa! -gritou o Pedro.

- Não Pedro. -negou o Luís.

- Não o quê? -quis saber o Carlos.

- Eu preferia ir sozinho.

- Tu estás louco! Isto é um grupo temos de ir todos. -disse a Teresa.

- Mas eu queria ir sozinho.

- Para quê? Para ela te mandar embora? -perguntou o Carlos.

- Não, para ela me desculpar. -respondeu ele.

- O quê? Achas que ela vai te desculpar? E já agora desculpar do quê? -quis saber o Pedro.

- De tudo.

- Tu é que sabes mas isto devia ser em grupo. -disse-lhe a Mariana concordando com a Teresa -tens aqui a morada.

- Podem ficar descansados que eu trago-a de volta. -tranquilizou o Luís.

- Está bem. -disse a Mariana.

- Teresa, importas-te que eu peça aos teus seguranças para me levarem a Lisboa?

- Não me importo. Podes ir à vontade. Eles até sabem onde é a casa da Patrícia.

- Obrigada. Até logo!

- Até logo. -disseram eles.
Capitulo 31

O Luís foi ter com os seguranças da Teresa no outro hotel e eles levaram-no Lisboa. Enquanto o descapotável ia fazendo o seu percurso, a temperatura pelo caminho ia descendo. O Luís parecia satisfeito por ir à procura da Mimi pois saberia que agora ficaria tudo bem entre eles. A viagem durou 4 horas e o Luís estava pronto para trazer a Mimi de volta para o Algarve. A Patrícia vivia numa vivenda com os pais e era rápido o Luís descobrir a casa. Chegou a casa da Patrícia e bateu. Quem foi abrir a porta foi a Patrícia que o atendeu.

- Está aqui a Mimi? -perguntou ele.

- Não.

O Luís entrou à pressa sem que a Patrícia pudesse impedir.

- Aqui está ela. -disse ele.

A Mimi estava sentada no sofá da sala a ver televisão.

- Que fazes aqui? -perguntou a Mimi.

- Vim levar-te para o Algarve. -respondeu o Luís.

- Eu não saio daqui. -disse a Mimi.

- Se não saíres daqui eu também não saio -disse virando-se para a Patrícia -tem mais um quarto?

- Trata-me por tu se faz favor e tenho mais um quarto. -respondeu a Patrícia.

- Está bem. Obrigado. -disse ele.

- Como é que tu vieste? -perguntou a Mimi ao Luís.

- Os seguranças da Teresa levaram-me.

- Tu não podes me levar. -disse-lhe ela.

- Porquê?

- Porque eu não quero ir-me embora.

O Luís virou-se para a Patrícia e pediu-lhe para sair. Quando ela saiu, o Luís sentou-se ao lado da Mimi.

- Todos nós queremos que voltes.

- Até a Teresa? -quis saber a Mimi.

- Sim, até a Teresa.

- Mas eu não vou, não quero ter pesadelos.

- Por isso é que vim. -disse-lhe o Luís.

- Vieste para quê? Para eu saber que vocês não se esqueceram de mim?

- Nós precisamos de ti, Mimi.

- Mas se a culpa é toda minha de vocês não conseguirem fazer a banda eu vou-me embora. -disse a Mimi.

- Não éramos capazes de fazer uma banda sem ti.

- Eu não contribuo nada para a banda.

- Estás enganada. Nós vamos esforçarmo-nos para que a banda funcione. -disse-lhe o Luís.

- Eu não consigo, desisti.

- Não digas isso.

- Eu não quero ter pesadelos. -disse-lhe ela.

- Há umas semanas atrás eu queria marcar contigo um encontro para falarmos sobre a nossa vida lembras-te? -perguntou o Luís.

- Sim e eu recusei.

- Mas nós temos de falar.



Capitulo 32

Entretanto no Algarve estava tudo a correr mal. O Ricardo, o ex namorado da Teresa, tinha estado no hotel onde ela estava com os amigos e o novo namorado. Tinha havido uma discussão. Mas o Ricardo não vai desistir da ex namorada.

- Agora que a Mimi se foi embora é que chegam os problemas, já viram isto? -disse-lhes a Teresa.

- Porque é que não me disseste que tinhas um ex namorado? -perguntou-lhe o Pedro.

- Porque quase toda a gente tem. -respondeu ela.

- Mas entre namorados ninguém pode mentir. -disse-lhe ele.

- Eu sei, desculpa. -pediu ela.

- Está bem.

- Como estará a conversa do Luís com a Mimi? -perguntou o Carlos.

- Não deve estar boa, se tivesse boa já estávamos cá. -disse-lhe a Mariana.

O telemóvel da Teresa tocou.

- Estou? São os pais da Mimi ah Olá senhor Miranda como vai? Ah já sabe? Com todo o respeito senhor Miranda mas a sua mulher foi a principal responsável pelo desaparecimento da Mimi. Pede desculpa? Só agora? Ah falou com a sua mulher. Já percebi. Obrigada senhor Miranda. -desligou o telemóvel e olhou para os amigos.

- A mãe da Mimi pede desculpa pelo que fez e diz que a Mimi já pode fazer a banda.

- A sério? -perguntou a Mariana.

- Sim. Finalmente. -disse a Teresa.

Nesse momento batem à porta. A Teresa foi abrir e deparou-se com o Luís e a Mimi.

- O que é isto? Já chegaram? -perguntou a Teresa sem acreditar.

- Só passaram 5 horas. -disse o Carlos.

- Tenho novidades para vocês. -disse o Luís.

- São más? -perguntou o Carlos.

- Não. -respondeu a Mimi.

- Primeira novidade: Eu e a Mimi já nos entendemos e namoramos. Segunda novidade: Ela vai para a banda. -disse o Luís.

- Calma aí -pediu o Pedro -vais mesmo para a banda?

A Mimi fez um “sim” com a cabeça.

- Boa! -disse o Pedro.

- Mimi antes de tudo isto recomeçar eu queria pedir desculpa. -pediu a Teresa.

- Eu aceito as desculpas. -disse a Mimi.

- Temos uma novidade para vos contar. -disse a Mariana.

- Qual? -perguntou o Luís.

- A mãe da Mimi pede desculpa à Mimi e diz para ela recomeçar com a banda. -disse a Mariana.

- A sério? -perguntou a Mimi.

- Sim. -respondeu o Carlos.

- Ainda bem. -disse a Mimi.

- Agora só há um pequeno problema. -disse o Pedro.

- Qual? -perguntou o Luís.

- O ex namorado da Teresa apareceu. -explicou o Pedro.

- Isso é mau. -disse a Mimi.

- Pois é. O que faço? -perguntou a Teresa.

- Fala com ele e diz-lhe que não vai valer de nada que sejam namorados de novo e pergunta-lhe se podem ser amigos. -disse-lhe a Mimi.

- Exacto. Obrigada. Vou ligar-lhe.

- O quê? -perguntou o Pedro -tu tens o número dele Teresa?

- Acalma-te Pedro. Ele é só um ex namorado e além disso tens de confiar nela. -pediu-lhe o Carlos.

- Pois é. Desculpa Teresa. -pediu o Pedro.

- Está bem. -disse ela saindo da sala juntamente com o Pedro.

- Na relação do Pedro e da Teresa há só uma coisa que interessa: a desculpa. Depois disso fica tudo bem. -disse o Carlos ao Luís e à Mimi -foi uma relação que nunca consegui entender.

- Mas porque fugiste? -perguntou a Mariana.

- Fugi por causa de tudo o que se passa na banda. -disse a Mimi.

- Mas eu não compreendo porque fugiste. -disse a Mariana.

- Por causa disso mesmo.

- Mas isso não te dava para fugires do Algarve.

- Ai não? Então e os pesadelos?

- Pois.

- Agora vamos ter com o representante. -disse o Luís.

- Vamos à noite ao bar KS3 ter com o representante. Não é agora. -disse o Carlos.

- Claro que não. -disse o Luís.

- Já liguei ao Ricardo e ficámos amigos. -disse a Teresa indo para onde os amigos estavam.

- Que bom! -exclamou a Mimi.

- Agora só falta esperar pelas 21:00.

- Não. Não se esqueçam que eu e a Mariana amanhã íamos ser empregadas. -relembrou-lhes a Teresa.

- Empregadas? -perguntou a Mimi.

- Sim. Tu desapareceste e eu fiquei rotulada de a irresponsável porque era eu que tomava conta de vocês.

- Temos de falar com os pais da Teresa. -disse a Mariana.

Capitulo 33

Correram para o hotel onde se encontravam os pais da Teresa, falaram com o recepcionista e de seguida foram ao quarto dos pais da Teresa. O pai abriu a porta e viu a Mimi.

- O que é que a Micaela está aqui a fazer?

- Pai, não me metas de castigo, a Mimi regressou.

- Pois parece que sim. Não vão ficar de castigo. -disse o pai.

- Ainda bem. Obrigada senhor. -agradeceu a Mariana.

- De nada. A tua mãe já te deixa fazer a banda, Micaela? -perguntou ele.

- Já mas quem me disse foi a Mariana.

- Isso é bom. Quando é que vão falar com o representante? -perguntou o pai da Teresa.

- Hoje no bar KS3. -respondeu o Carlos.

- Ainda bem. Vão acabar a banda em Setembro não é? -quis saber o pai da Teresa.

- Nem pensar. Vamos continuar com a banda até sermos velhos não é? -disse a Mimi olhando para os amigos.

- Exactamente. -disse o Pedro a responder por todos.

- Está bem. Eu depois falo com a minha mulher. Adeus.

- Adeus.

Os seis adolescentes observaram o pai da Teresa a fechar a porta e de seguida voltaram ao quarto das raparigas no outro hotel. A banda iria começar ou recomeçar. Estavam prontos para serem famosos.

Capitulo 34

As 21:00 não tardaram a chegar e prepararam-se todos para irem ao bar KS3. A Teresa chamou os seus seguranças para os levarem ao bar. Os seis adolescentes estavam vestidos com roupas descontraídas e esboçavam largos sorrisos. Depois de todos se terem acomodado no descapotável seguiram pela estrada fora até ao bar. Ao longo de todo o percurso os adolescentes não conversaram mas estavam contentes. Quando chegaram à porta do bar, dois seguranças da Teresa saíram do interior do descapotável e contornaram o carro chegando à porta de trás do veículo. Um dos seguranças abriu a porta e um outro estendeu a mão à Teresa que estava ao pé da porta. Teresa deu a mão ao segurança e saiu do descapotável seguida pela Mimi e pela Mariana. Quando foi a vez dos rapazes saírem do carro, o Pedro olhou para a mão do segurança que estava estendida e o segurança ao ver o olhar do Pedro e apercebendo-se que ele era um rapaz tossiu falso e baixou a mão rapidamente. Fez um gesto com a outra mão pedindo-lhe que passasse. Pedro desviou o olhar que estava pousado no segurança e saiu do descapotável. De seguida os outros dois rapazes também saíram. Os três rapazes deram a mão às raparigas e lá foram os seis para dentro do bar deixando os seguranças para trás. Quando entraram, ficaram espantados. Havia balões, panfletos, fitas e no pequeno palco estava colado um papel enorme, vermelho que dizia: “hoje, há concerto! Os 3+3 vão actuar depois de terem acontecido alguns problemas. Apareçam, vai ser um grande concerto.”

- O que é que se passa aqui? -perguntou espantada a Mariana.

- É o dia mais esperado por toda a gente, especialmente os fãs, os vossos fãs.

O representante tinha ouvido a pergunta da Mariana e apareceu de dentro do balcão. Os seis adolescentes estavam espantados.

- Como soube que nós iríamos cá? -quis saber o Pedro.

- A mãe da Micaela disse-me o que se passou. -respondeu ele.

- Então isto tudo quer dizer que vamos dar um concerto? -perguntou ainda espantada a Mariana.

O homem fez um “sim” com a cabeça.

- E na próxima semana têm um concerto em Lisboa. -continuou ele.

Os adolescentes ficaram mais espantados ainda.

- O quê? -perguntou o Carlos sem conseguir acreditar -isso quer dizer que temos de viajar até Lisboa para fazermos um concerto?

- Sim -respondeu o homem -agora chega de perguntas e preparem-se para o concerto.

Passou-se meia hora, as pessoas já tinham entrado e estavam à espera da banda até que o barman anunciou:

- E agora senhoras e senhores chegou o momento de ouvirem o espectáculo dos 3+3.

Os rapazes foram os primeiros a aparecerem à frente das pessoas com os seus instrumentos. De seguida apareceram as raparigas e juntos começaram a cantar, dançar e tocar. Antes de começarem a cantar, a Micaela engolia em seco e fechou os olhos por alguns segundos. Este era o seu sonho tinha a certeza. Depois de umas músicas cantadas foi a vez dos duetos que dois adolescentes pertencentes aos 3+3 fizeram. Quando foi a vez da Micaela e do Luís a plateia ficou ao rubro. O Luís e a Micaela cantavam para um bar cheio de gente mas com os olhos apenas um para o outro. Interpretaram a canção de forma carinhosa e à medida que a música avançava para o final, todos perceberam que era uma canção para duas vozes que nasceram para cantar juntas. Quando terminaram, houve um momento de silêncio depois o bar irrompeu em aplausos. Até os outros membros da banda bateram palmas embora pensassem que a Micaela e o Luís tinham-lhes tirado a popularidade. No meio de todos aqueles gritos e aplausos e arrebatada pela reacção do público, a Teresa apresentou o nome dos seus amigos. A Teresa fez sinal aos rapazes para tocarem e em muito pouco tempo os 3+3 tinham transformado o bar num pavilhão e num autêntico concerto. Cantavam sobre ser amigos, acreditar uns nos outros e serem muito sinceros. Quando a música acabou todo o bar era uma grande festa. Quando o concerto acabou a mãe da Mimi foi ter com a filha.

- Pensei que não te estavas a divertir aqui.

A Mimi sorriu mas antes que pudesse responder a mãe continuou:

- Afinal tens boa voz e afinal enganei-me.

A Mimi sorriu. Era incrível o que se estava a passar, era mais do que ela podia ter sonhado e estava a acontecer tão depressa.

- Obrigada por perceberes mãe.

- Foi difícil mas percebi. -disse a mãe a rir-se.

As duas sorriram uma para a outra. Mimi não tinha dúvidas, este foi o melhor verão de sempre.

Capitulo 35

A noite foi inesquecível e a Mimi não teve um único pesadelo. No dia seguinte a diversão continuou quando o representante foi ter com eles ao hotel onde estavam hospedados e lhes disse que tinham de viajar para Lisboa pois os fãs de Lisboa queriam que eles fizessem um concerto no pavilhão atlântico. Era dia 22 de Agosto e eles decidiram ir no dia seguinte de viagem para a capital. Depois de terem conversado com o representante foram para a piscina do hotel. Lá, entregaram-se a um alegre convívio com as pessoas que os reconheciam. Até cantaram e dançaram um pouco. A tarde continuou animada e à noite os 3+3 estavam na rua a olhar para as estrelas a gozar o seu merecido triunfo.

- Que grande animação! -exclamou o Carlos.

- Amanhã vamos embora para Lisboa. -disse o Luís.

- Temos de dizer adeus ao Algarve. -disse a Teresa.

A Micaela sorriu com ar sonhador.

- Parece que o nosso sonho tornou-se realidade.

A Mariana fez um sim com a cabeça.

- Durante umas férias conseguimos fazer uma banda. É incrível. -lembrou ela.

Todos se riram. Depois houve um momento de silêncio até que o Pedro disse:

- Este foi o melhor verão de sempre.

Todos fizeram um sim com a cabeça. E lá foram eles pela rua fora contra tudo e todos. A noite não podia ter sido mais perfeita. Tinham uma nova etapa à sua frente e os 3+3 iam a caminho, o que quer que o futuro lhes reservasse.


E esta foi a primeira parte.

Bjs :)

Sem comentários:

Enviar um comentário

Obrigada pelo comentário, a sua opinião é importante para o escritor.