AVISO...

Olá Pessoal!

Já avisei na Página do Facebook e decidi avisar no blogue também.

Na página Livros têm os links onde poderão comprar o livro "A Escola do Terror".


Aviso mais uma vez que tem alterações ao que está no blogue!


Obrigada.

terça-feira, 24 de dezembro de 2013

Capítulo 22 e Capítulo 23

Olá Pessoal!
Este ano não posto o capítulo à meia-noite como fazia todos os anos pois a história não é do agrado da maioria dos leitores. Muitos abandonaram o blog e a quebra do número de visualizações é visível. Sou capaz até de dizer que esta história, "O Colégio Interno", foi a que menos gostaram. Curiosamente, foi a história que mais trabalho me deu a escrever!
Mas enfim...esta história está prestes a terminar. Não vou continuar a postá-la em 2014. Pretendo terminar no final de Dezembro. Muitos de vocês não apreciam a história e não tem cabimento eu postar à meia-noite. Muitos de vocês ainda estão a pensar que todas as histórias serão iguais à "A Escola do Terror" ou "Encontro com o 666" mas estão enganados! Eu, como escritora, preciso de inovar e embora fique decepcionada com este ano que está a acabar (digamos que não foi o melhor) não tenho que estar sempre a fazer cópias das minhas antigas histórias que, aliás, fizeram muito sucesso. Embora o mês de Dezembro tenha sido melhor, com novos seguidores e algumas visualizações, acho que foi apenas graças à parceria que estou a fazer com o Vasco F. pois caso contrário não teria visualizações novas. E não fiz isto de propósito para receber visualizações, a minha parceria com o Vasco F. já estava a ser pensada antes de tudo isto acontecer.
Enfim...depois deste desabafo, desejo-vos um Feliz Natal!

Capítulo 22

Quarta feira...o detective encaminhou-se de novo para o café a fim de ter a certidão de nascimento da mãe da professora. No fim do dia, foi analisá-la. E para espanto descobriu algo no mínimo estranho. A mãe da professora tinha falecido.
“Como é que isto pode ter acontecido?”
Pegou nas outras certidões e viu algo que suscitava as suas questões. O local de nascimento da mãe da professora de Espanhol e do dono do terreno era o mesmo. Povoa do Varzim. Coincidência? O detective achava que não. E as suas ideias/opiniões de detective davam uma resposta muito óbvia. A professora poderia estar a fazer uma vingança. No dia seguinte iria falar com a directora. Teria que visitar a Povoa do Varzim a fim de saber informações sobre o passado do dono do terreno e da mãe da professora Emília.

No dia seguinte, o detective estava a falar com a directora.
- Queria sair da escola, retirar-me por umas semanas. Será possível?
- Claro. Neste momento, de preferência, antes dos testes dos alunos. Mas porquê?
- Preciso de ir para o norte, mais precisamente para a Povoa do Varzim.
- Ora muito bem. Vamos pôr baixa médica?
- Claro.
- Quanto tempo necessita?
- Não tenho tempo exacto mas mais de duas semanas.
- Muito bem. Três semanas chegam?
- Claro que sim. Obrigado.
- Pode ir já amanhã.
- Obrigado.
Apertou a mão da directora e saiu do gabinete.

Capítulo 23

Um dia passou, o detective estava a preparar a sua viagem para a Povoa do Varzim. Na escola, estava mais um dia de aulas. Sexta-feira, sem a aula de informática. Quanto aos alunos, esses estavam felizes mas confusos. O Tomás, o antigo amigo do Duarte, estava a namorar com a Melissa. Estranho...e talvez medo mas até agora estava a correr bem. Mais confusões tinham aparecido, canetas desapareceram, papéis com ameaças entre outras coisas...

As três semanas passaram e o detective regressou ao colégio. Tinha novidades para contar à directora e a directora também a ele.
- Encontrei informações valiosas. -disse ele.
- Eu tenho que lhe contar uma coisa.
- Claro diga.
- Uma das alunas da turma da menina Vânia, está desaparecida.
O detective ficou estático.
- Como é que isso aconteceu?
- Não sei bem, ninguém sabe. A menina chama-se Daniela.
- Fique tranquila, irei resolver o caso. Agora quanto à minha viagem, estive a questionar os idosos que ainda moravam lá e descobri coisas interessantes.
- O quê?
- A mãe da professora Emília e o dono do terreno eram vizinhos e parece que se apaixonaram. Namoraram durante um tempo, quando aparece uma rapariga, filha de pais milionários que esteve a passar férias ali. Parece que o dono do terreno acabou por se casar com essa rapariga deixando a mãe da professora. Um idoso disse-me que a mãe dela estava grávida e decidiu fugir daquela vila, indo para Lisboa. O local de nascimento da professora Emília é Lisboa. O idoso achava que a mãe dela iria ser maltratada se os vizinhos e principalmente ele, o dono do terreno, soubessem. Isto tudo vem a comprovar o que eu pensava.
- Então o que vai fazer agora?
- Questionar o dono do terreno e tentar provar que foi a professora Emília que fez desaparecer a aluna.
A directora afirmou com a cabeça.
- Tenho a sensação que a professora Emília está a fazer uma vingança. Como não teve o apelido do pai é bem provável que queira destruir a sua maior fonte de rendimento que é este colégio. Se não houver alunos não haverá trabalho, sem trabalho não haverá dinheiro. O colégio só funciona se tiver alunos.
- Claro.
- Quanto à aluna desaparecida, vá à PSP e comunique o caso.
- Eu já falei para o meu amigo, ele disse a mesma coisa.
- Ligue para ele e vá à esquadra, se quiser, eu tomo conta do colégio ou o professor de Literatura fará isso.
- Eu não ficarei muito tempo. Volto daqui a umas horas.
A directora foi à esquadra e os alunos continuaram as aulas.

Aqui estão os dois capítulos.
Está mais que sabido que algo está a acontecer. A professora de Espanhol está a vingar-se do pai, mas será que foi ela que fez desaparecer a aluna?

Saberão em breve.

Bjs :)

22 comentários:

  1. Eu entendo isso Diana,mas eu gosto da história.
    Posta depressa.

    ResponderEliminar
  2. tá lindo.
    posta logo.

    Beijos,
    Natasha Alyosha.

    ResponderEliminar
  3. Que perfeitos Diana!
    Feliz Natal!
    Eu vou continuar aqui porque sou tua fã :)

    Beijos,
    Juh :)

    ResponderEliminar
  4. Olha que lindos!
    Feliz Natal e que continues com os êxitos!

    Beijos.

    ResponderEliminar
  5. É a professora a culpada!não tenho mais nada a dizer.

    ResponderEliminar
  6. feliz natal diana e espero que postes depressa.parece que nao mas vou ter saudades da historia.

    ResponderEliminar
  7. adorei os capitulos.vou ter saudades da história mesmo que pareça que não.
    espero pelos últimos ansiosamente.

    ResponderEliminar
  8. Feliz Natal!
    Gostei dos capítulos!Isso está muito mistério.A professora fez tudo por vingança?Tinha medo de ter uma professora assim.

    ResponderEliminar
  9. Agora isto já me faz algum sentido.Estou ansiosa para o final da história.

    ResponderEliminar
  10. Gostei dos capítulos e até é uma história que eu gosto.É diferente eu sei mas gosto dela.

    ResponderEliminar
  11. Acho a história diferente mas isso não quer dizer que seja má. Gosto da forma como ligaste as personagens!
    Parabéns!

    ResponderEliminar
  12. adorámos!
    queremos mais capitulos!
    feliz natal!

    ResponderEliminar
  13. feliz natal!e não fiques triste.eu gosto da história,é diferente mas gosto.

    ResponderEliminar
  14. Quero mais, feliz natal :)

    http://historiaimperfeita.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  15. Ah, já vai acabar a história? Espero que comece a escrever outra logo.
    Feliz natal. Beijinhos!

    galerafashion.com

    ResponderEliminar

Obrigada pelo comentário, a sua opinião é importante para o escritor.