sábado, 21 de dezembro de 2013

Capítulo 20 e Capítulo 21

Olá Pessoal!
Os dias de postagem vão mudar tal como avisei na página do Facebook. Vão passar a ser às terças e sábados pois já estou de férias.
Hoje vão ser dois capítulos. Considero como sendo pequenos mas têm muita informação.
Agradeço pelos comentários e pelos parabéns no dia 15. É muito bom saber que os meus leitores não se esquecem de mim nem no dia do meu aniversário.
Espero que gostem.

Capítulo 20

Sábado chegou, às 16:00, o detective estava no café com o inspector.
- Boa tarde! -saudou o inspector.
- Boa tarde!
- Daniel Machado. Esperava pela sua chamada.
- Então é o seguinte: a directora do colégio deu-me o seu contacto para me dar as informações que necessito para este caso.
- Claro. Há alguém que se arma em engraçado.
- Ando a tentar ter acesso à certidão de nascimento da professora de Espanhol.
O inspector afirmou com a cabeça.
- Por isso é que me adiantei e tenho aqui a cópia da certidão de nascimento dessa tal professora.
O inspector entregou os papéis ao detective.
- Obrigado. Irei analisar estes papéis e logo lhe comunico algo se precisar de mais informação.
O detective saiu dali e foi ter ao seu escritório. Sentou-se na sua cadeira e começou a ver a certidão.
“Hum...Emília Alexandra Pires Alves. Nome da mãe, Cecília, nome do pai...Que raio?! Onde está o nome do pai? Ela é filha de pai incógnito? Que estranho! É filha única e é casada. Casada com Artur...Alves. Isto é o nome do professor de Literatura. Que coisa mais estranha!”
De uma coisa, o detective agora tinha a certeza: ela estava casada com o professor de Literatura. E se ela não tinha nome de pai então ela podia ser filha ilegítima do dono do terreno.

Capítulo 21

Segunda-feira chegou e o detective foi falar com a directora antes das aulas.
- Quando tive acesso à certidão de nascimento dela descobri algo.
- O quê?
- A professora de Espanhol está casada com o professor de Literatura.
- Eles dão-se tão mal.
- Deve ser só um disfarce, algo mais estranho ainda foi ver que ela não tem o nome de pai. Só tem o nome da mãe, o que pode significar que ela pode ser a filha ilegítima do dono do terreno. Mas não diga nada do que ouviu aqui.
- Claro.
- Queria lhe fazer umas perguntas.
- Claro, diga.
- É a dona disto ou foi arrendado?
- Foi arrendado.
- Hum...e sabe onde mora o dono?
- Mora aqui perto, chama-se Júlio Domingues.
- Obrigado pela sua informação.
Apertou a mão da directora e saiu do gabinete. Caminhou por entre o corredor e entrou na sala dos professores.
- Eduardo, será que o colega podia me ajudar aqui? -perguntou a professora de Espanhol ao falso professor de informática.
- Claro. -ele encaminhou-se para perto dela.
- Como faço isto?
- Clique no ficheiro, clique na terceira opção e está feito.
- Obrigado Eduardo.
- Quando quiser, disponha. -disse ele sorrindo.
As aulas começaram e depois de os professores saírem todos, o detective ligou ao inspector.
- Bom dia! Preciso de uma certidão de um homem chamado Júlio Domingues, dono do terreno. Encontramo-nos no café amanhã às 20:00. Agora tenho uma aula. Até amanhã!
O detective desliga a chamada e vai dar a sua aula.

Um dia depois, de manhã, o detective vai ter com a directora.
- Desculpe incomodá-la mas podia me dizer como é o historial do dono do colégio?
- Porque razão quer saber isso?
- Acho que talvez o pai da professora de Espanhol seja o dono do colégio. Se não for, porque razão ela faria isto?
- A professora está casada com o professor de Literatura mesmo sabendo que é contra as regras.
- Sim mas duvido que seja só pelas regras que impôs.
- Bem, o Júlio é um homem muito simpático, tem um feitio muito...digamos que é um homem muito fechado.
O detective afirmou com a cabeça.
- Obrigado.
Apertou a mão da directora e saiu do gabinete.

Eram 19:49 quando o detective entra no seu carro. O céu estava escuro e prometia chuva. O vento já estava a soprar levemente. Girou a chave na ignição e conduziu até ao café. A distância era curta. Assim que chega, estaciona no parque e sai do carro. O estacionamento estava quase vazio. Quando entra no café, encontra o inspector já sentado.
- Boa noite! Desculpe o atraso, nestas horas torna-se complicado sair do colégio.
- Não há problema.
O inspector entrega-lhe a certidão de nascimento de Júlio Domingues.
- Obrigado. Em breve lhe comunicarei para conseguir mais informações.
Deu um aperto de mão ao inspector e saiu do café. Entrou dentro do carro e conduziu até ao seu escritório. Ao entrar, pegou na pasta que continha a certidão de nascimento da professora de Espanhol e colocou as certidões, uma ao lado da outra na sua secretária. Sentou-se na cadeira e viu...enfim...nada. Nada era igual, nada comprovava que a professora fosse filha do dono do terreno. O detective respirou fundo vendo que tinha voltado à estaca 0, mas não se fizera de vencido. Algo estava estranho. A professora não tinha nome de pai na sua certidão e se o pai dela não fosse o dono do terreno porque razão ela estava a fazer isto? Pegou no seu telemóvel e ligou ao inspector.
- Boa noite! Desculpe incomodá-lo outra vez mas podia me arranjar a cópia da certidão de nascimento da mãe da professora Emília? A que tem o nome de Cecília? Obrigado.
O detective terminou a chamada e respirou fundo. Não conseguia descobrir por um lado, iria por outro.

Aqui está. Pronto. Espero que tenham gostado. 
Será que é a professora de Espanhol a culpada pelas "assombrações" no colégio?
Irão ter resposta a isto muito em breve.
Se gostaram, ou se não gostaram, comentem por favor. Quero a vossa opinião.

Bjs :)

21 comentários:

  1. a culpada é a professora.só pode ser ela!

    ResponderEliminar
  2. tá lindo.
    posta logo.

    Beijos,
    Natasha Alyosha.

    ResponderEliminar
  3. Espero por um novo capítulo.Está um mistério muito bom! Só podia ser teu!

    ResponderEliminar
  4. Adorei!
    Eu acho que não é a professora mas como estás a ligar muito a ela.Não sei.Talvez seja.
    Posta logo.

    Beijos,
    Juh :)

    ResponderEliminar
  5. adorei <3
    gostei do mistério!

    ResponderEliminar
  6. Quero novo capítulo!Estou muito ansiosa!

    ResponderEliminar
  7. Espero que seja outra pessoa, alguém que ninguém suspeite. Beijinhos!

    galerafashion.com

    ResponderEliminar
  8. continuo a pensar que não é a professora.

    ResponderEliminar
  9. É a professora?Não!É muito esquisito isso.

    ResponderEliminar
  10. é a professora??????!!!!!!!!
    eu quero outro depressa!

    ResponderEliminar
  11. adorei.posta outro depressa!

    ResponderEliminar
  12. Porque é que a professora ia causar tão mal estar aos alunos?Não faz sentido.

    ResponderEliminar
  13. Só pode ser um aluno.Não pode ser a professora!Mas se for é muito mistério!

    ResponderEliminar
  14. adorámos!
    é a professora mesmo??não pode ser ela!

    ResponderEliminar
  15. Engraçado o que fizeste.A história é diferente das outras.Parabéns pelo feito!Estás a evoluir.
    Continua!

    ResponderEliminar
  16. Posta depressa!Está um mistério em volta da professora...

    ResponderEliminar

Obrigada pelo comentário, a sua opinião é importante para o escritor.