AVISO...

Olá Pessoal!

Já avisei na Página do Facebook e decidi avisar no blogue também.

Na página Livros têm os links onde poderão comprar o livro "A Escola do Terror".


Aviso mais uma vez que tem alterações ao que está no blogue!


Obrigada.

sábado, 24 de novembro de 2012

Capitulo 6 - Um novo dia

Olá Pessoal! Aqui está o capitulo 6 da história Encontro com o 666. Espero que gostem.

Ana Rodrigues

Eu e a Diana voltámos à escola e felizmente encontrámos ainda as fichas dos alunos tal e qual como as tinha deixado. Respirámos de alivio. No caminho para casa, já de noite, vimos uma sombra de uma pessoa. Algo estranho já que estávamos numa rua quase deserta. Tirei a minha arma que estava no bolso das calças assim como a Diana e aproximámo-nos as duas da sombra próximas a uma parede. Eu olhei melhor e reparei que era alguém conhecido. Sussurrei à Diana para que ela baixasse a arma. Assim o fizemos e aproximámo-nos da pessoa. Era o César. Tinha algo na mão. Parecia ser droga. Tentei me certificar que o que estava a olhar era verdade. Confirmava-se. Não nos aproximámos mais. Não queríamos ser descobertas. Voltámos para casa e não contámos nada à irmã da Diana. Por medo? Não sei bem. Achámos que não era bom dissermos a ela que havia um drogado na turma dela.

Diana

Era já de noite. Preparei-me para dormir mas não sem antes conversar com a minha irmã sobre os colegas dela.
- O que achaste da turma? - perguntou-me ela.
Encolhi os ombros.
- Parece normal à primeira vista. Embora eu saiba que há alguém que anda a atormentar todo aquele edificio.
- Espero que não seja alguém com quem me dou bem.
Eu sorri.
- Esperemos que não.
Despedimo-nos e a minha irmã foi para a cama. Amanhã seria mais um dia comprido. Peguei no meu caderno azul. Andava com ele para todo o lado pois ajudava-me a colocar a minha cabeça em ordem quanto ao assassino. Respirei fundo e o abri. Todas as folhas estavam brancas. Com uma caneta preta comecei a escrever os nomes dos alunos. Com uma caneta vermelha terminei escrevendo: "Inicio". Era o inicio de tudo. Chegou a hora de encontrar o "666".

Aqui está!
Um pouco pequeno este e com pouco emoção mas o próximo será melhor. Alguma pista que queiram sobre o próximo capitulo já sabem: Facebook.

Bjs :)

Capitulo 12

Olá Pessoal! Aqui está o capitulo 12. Obrigado pelos vossos comentários aos capitulos anteriores. Tenho uma pergunta para vocês: Querem que eu coloque algo sobre a personagem Angelina no lado direito do blog só para relembrá-la? Vocês mesmos podem me dar as vossas frases. Acredito que assim, muitas pessoas irão se sentir melhor com a despedida da personagem. Enfim, aqui está o capitulo 12. Espero que gostem!


- O quê? -gritou a Diana.

- A minha filha não. -dizia a mãe da Angelina.

- Fizemos tudo o que pudemos...com licença. -disse o médico saindo dali.

- Ela não podia! -disse a Diana -a culpa é toda tua Bernardo!

- Minha? -perguntou ele.

- Sim, tua. -gritou ela.

Depois respirou fundo e olhou para o José.

- E tu também és o culpado.

- Eu? -perguntou o José sem perceber.

- Sim, tu. A Angelina dormiu contigo na noite de anos dela.

- O quê? -disse o Gonçalo.

- Tu fizeste isso José? -gritou a Sofia.

- Desculpa Sofia, eu não fiz por mal. -disse o José.

- Não quero saber! Enganaste-me José! Como fez o teu amigo Bernardo às minhas três amigas e uma delas acabou por falecer, percebes? -gritou a Sofia.

O José baixou a cabeça. A Sofia virou-se de costas para sair do hospital mas lembrou-se de dizer outra coisa.

- Não me faças mais nenhuma destas José, senão conto a toda a turma o teu segredo. 

O grupo ficou assustado. A Sofia era mesmo capaz de descobrir? Ou já descobriu e não contou no hospital?

Aqui está! Uma pergunta para pensar.
Comentem! Bjs :)

domingo, 18 de novembro de 2012

Capitulo 9, 10 e 11 (Especial aniversário Juliana) Decisão final

Olá Pessoal! Aqui está os capitulos que tinha dito que ia fazer. Depois de muitos capitulos tensos, aqui está finalmente a resposta que procuravam: a Angelina vive ou morre?

Capitulo 9

O grupo estava a sair do hospital, num passo lento. Ninguém falava. Até que o Gonçalo quebrou o silêncio.

- Estás triste pela Angelina, Bernardo?

- Sim, porque não haveria de estar?

- Andaste a namorar com ela às escondidas. -disse a Márcia.

- Márcia, pára! Não sejas tão antipática. -pediu o Gonçalo.

A Márcia cruzou os braços.

- Diana, estás bem? -perguntou a Mafalda.

- Se a Angelina... se a Angelina morrer eu nunca mais me vou perdoar.

- Tu não tiveste culpa Diana. -disse o Bernardo.

- Claro que não. -disse a Mafalda.

- Mafalda, estás cada vez mais diferente. O que se passa contigo? -perguntou o Gonçalo.

- Comigo? Nada.

Uma pessoa do grupo ficou com uma expressão estranha. Quem era? Será que essa pessoa sabia de alguma coisa?

- Bem, quem é que chamou a Elisa e a Bruna? -perguntou o José.

- Não faço a mínima ideia. -respondeu a Juliana.

- A Sofia não tinha os contactos delas.

- E por falar em Sofia, o que se passa entre ti e ela José? -perguntou o Gonçalo. O que será que o José vai dizer?

Capitulo 10

- Entre mim e ela? Nada, somos só amigos.

- Hum, espero bem que sim. -disse o Gonçalo -bem, chegámos a minha casa. Adeus pessoal, até amanhã.

- Até amanhã. -disseram eles.

O Gonçalo foi para casa e a pouco e pouco os restantes membros do grupo também. A Diana e o Bernardo foram os únicos que não conseguiram dormir, será que a Angelina ficaria bem?

Capitulo 11

Um novo dia chegou, a Diana e o Bernardo foram a correr de manhãzinha para o hospital antes de irem para a escola. Os professores e os colegas estavam todos lá, incluindo também a mãe da Angelina e das amigas dela. Até agora ninguém soube nada da Angelina. Os médicos desde a noite anterior que não deram nenhuma notícia sobre o estado dela. Estavam todos preocupados. O director da escola também tinha chegado ao hospital e também estava à espera de notícias. Finalmente quando já estavam todos na sala de espera do hospital, chega o médico com uma cara estranha. O que terá acontecido? A mãe da Angelina, que estava sentada, levantou-se e perguntou:

- O que se passa com a minha filha?

O médico fez uma pausa.

- A sua filha teve uma overdose como viram os dois amigos a droga que ela tinha injectado...

Todos olharam para a Diana e para o Bernardo.

-...Ela estava grávida de três meses...

O médico fez outra pausa. A Diana olhou para o Bernardo, o Bernardo olhou também para ela.

-...E com isto tudo ela...

O médico fez outra pausa.

- Ela o quê doutor? -perguntou a Diana.

- Ela não resistiu e acabou por falecer há minutos atrás. -disse o médico baixando a cabeça. 

 - O quê?

Aqui está!
Espero que tenham gostado. Sei que alguns de vocês não gostaram mas eu também não estou minimamente interessada. Quem realmente gosta está sempre aqui a ler. E muito obrigado a essas pessoas.

O Questionário regressou.

Questionário:

1- Afinal, a Angelina estava grávida de quem?
A- Bernardo;
B- José.

2- Qual será a possível reacção do Bernardo depois de ser descoberta a morte da Angelina:
A- Fica feliz já que não a ama;
B- Já que não tem a "verdadeira amante" dele, tenta alguma coisa com a Mariana de novo;
C- Descobre que gostava da Angelina;
D- O Bernardo inventa uma mentira para colocar a Diana da mesma maneira que ela o colocou a ele (Vai se vingar);

A primeira pessoa que responder correctamente vai ver partes do capitulo 12 mais cedo que os restantes.

Divulgações:

Bjs :)

sábado, 17 de novembro de 2012

Capitulo 5 - Um segredo descoberto

Olá Pessoal! Aqui está o capitulo 5 da história Encontro com o 666. Espero que gostem.

Ana Carretas

A minha colega afastou-se com o homem que tinha a cara a descoberto. Óptimo! Fiquei com o misterioso. Levei-o até ao balcão e pedimos bebidas. Olhei para o meu lado esquerdo e reparo que estavam os meus dois colegas de turma sentados perto do balcão. Coloquei uns óculos de sol, tirei o meu cabelo do elástico e coloquei-o mais perto da minha cara. Tinha que passar um pouco despercebida. O homem que vinha comigo falou-me nessa altura.
- Tudo bem?
Olhei para ele um pouco assustada.
- Claro.
Comecei a pensar: "Para quê isto tudo?? Eu sou a Ana Carretas/Fantasia dos Prazeres. Eu não preciso de fazer isto." Tirei os óculos de sol e voltei a prender o meu cabelo. Não são os meus dois colegas de turma que me vão tirar a felicidade. Olhei para o homem que estava ao meu lado. Sinceramente, ele era-me familiar. Eu tenho que saber quem é ele.
Passámos um tempo a beber as nossas bebidas enquanto conversávamos. Vi os meus dois colegas a saírem do bar e logo de seguida saí com o homem que estava comigo. Fomos para um hotel ali perto.

Pedro Guerra

Eu tinha ido a casa da Carolina. Estava preocupado com ela. Ela não devia beber demais. Nessa altura, vejo a Ana Carretas com um homem mascarado. A Ana Carretas olhou para mim assustada. Falou algo com o homem e de seguida vi ele a afastar-se. Ela pegou no seu ipop e colocou uma música da Lady Gaga a tocar. Ela adora a cantora. Foi ter comigo e eu, chocado, falei com ela.
- Porque é que estás assim vestida?
- Gosto de me vestir assim.
Foi a única coisa que me respondeu. Eu já tinha percebido tudo e ela entendeu isso pois parou a música e apontou o dedo indicador para mim.
- Ai de ti se contas à turma inteira sobre este meu segredo.
Eu fiquei sem entender nada.
- Mas o que te fez fazer isto?
Ela teve de me contar o que a levou a fazer aquilo. A família dela é pobre.
Eu ouvi tudo aquilo que ela dizia atentamente. Ninguém diria. Ela contou-me e fez-me prometer que não contava nada a ninguém. A questão que coloco é: Será que conseguirei não contar nada a ninguém?

Aqui está!
A Ana Carretas foi descoberta. O que será que o Pedro Guerra vai fazer?!
Descobrirão no próximo capitulo.

Capitulo 7 e 8 Especial aniversário Ricardo

Olá Pessoal!
Espero que esteja tudo bem convosco. Aqui estão mais dois capitulos da história A Escola Do Terror III. Estes dois capitulos são um especial aniversário do Ricardo. Acho que vocês já o conhecem ele faz parte da equipa do Terror 666. E, antes que nos matem, nós, equipa do Terror 666 iremos postar em breve. Pedimos desculpa pelo atraso a novos posts mas temos tido alguns problemas. Ainda antes dos dois capitulos tenho algo a dizer: Eu já coloquei no Facebook a informar-vos.
"Primeiro que tudo quero agradecer a todas as pessoas que comentaram o último capitulo do blog. Fiquei muito feliz com o que li, porém não fiquei feliz com a reacção de algumas pessoas. Algumas pessoas (anónimos) não gostaram muito da maneira como eu poderei estar (TALVEZ) a matar a personagem Angelina. Algumas delas até disseram que iriam parar de ler a história graças à possível morte dela e até deram a hipótese de matar o Bernardo ou até mesmo a Mafalda em vez dela. Fiquei chocada! A Mafalda? Faria todo o sentido matar a chefe (ironia)! Aí sim a história acabaria mais cedo que o esperado.
Eu, sinceramente, não quero guerras nem brigas entre vocês e também não me importo minimamente se vocês vão parar de ler a história ou não. O que realmente me interessa são as pessoas que gostam da história e que não é por uma personagem morrer que vão deixar de ler a história. Compreendo que possa até ser a vossa personagem favorita mas eu coloquei a pergunta no blog e ganhou a 3ª opção que dizia exactamente que ela morria, logo a decisão foi vossa, não minha. Aceitem o diferente! Esta história não é a Vida de Sombra, nem de longe. A única semelhança que tem é o género. Todos vocês já sabiam as consequências. Algum personagem secundário teria que morrer. Infelizmente pode ser um dos vossos favoritos mas é assim que acontece com os thrillers. Infelizmente, as pessoas não estão acostumadas a algo tão diferente. Pensam que tudo acaba com um final feliz independentemente do género de história que tiver pela frente. Se se "encaixar" naquilo que a sociedade "pede" tudo é positivo mas se isso não acontecer acabou! Comigo é diferente, comigo e de certeza com muitos outros escritores. Vou continuar a história mesmo sabendo que há umas míseras pessoas a não gostar mas, a sério, adorei a vossa persistência para ler as duas partes da história e nesta última parte desistirem já quase no final. Eu recomendaria que lessem mais pois posso mudar um pouco o rumo da história e ainda há uma segunda parte a ser revelada. Se mesmo assim não quiserem ler, eu deixo-vos irem às vossas vidas e obrigado por terem lido o meu blog e contribuído para o número de visualizações e comentários."
Foi isto, que escrevi no Facebook e não tenho mais nada a dizer depois disto. Quem ainda continuar a ler a história agradeço. Agora sim, vamos aos dois capitulos.

Capitulo 7

Na casa da Sofia, o José recebeu a chamada do Bernardo.

- Estou? O que se passa? O quê? A Angelina? Claro, claro que aviso. Vou já para aí. Até já.

A Sofia ficou preocupada.

- O que se passa?

- A Angelina desmaiou em casa dela depois de uma discussão com a Diana.

- Coitada!

- Tens dinheiro para ligares a algumas pessoas?

- Sim.

- Liga para as raparigas da turma por favor, eu encarrego-me dos rapazes.

- Está bem.

- Enquanto ligamos para eles vamos ao hospital ter com a Diana e com o Bernardo. A Sofia afirmou com a cabeça.

Capitulo 8

Minutos depois, todos estavam na sala de espera do hospital preocupados com a Angelina.

- A culpa foi minha, não devia tê-la deixado lá sozinha. -disse a Diana triste, quase a chorar.

- Tu não sabias. -disse o Bernardo.

- A Diana tem toda a razão, Bernardo. Ela foi a culpada de tudo isto. -disse a Márcia.

- Márcia! -repreendeu o Gonçalo.

- O quê? É verdade!

- Mas o que é que aconteceu? -perguntou o Miguel indo ter com eles seguido pela mãe, a directora de turma e a professora de história.

- A Diana teve uma discussão com a Angelina e aconteceu isto. -disse o Bernardo.

- Meu deus! -disse a mãe do Miguel, a professora de português.

- Alguém ligou para a mãe da Angelina? -perguntou a Diana.

- Eu liguei, ela diz que vem. -disse a directora de turma.

A mãe dela apareceu.

- Estávamos mesmo a falar de si. -disse a directora de turma.

- Como está a minha filha?

- Ainda não sabemos. -disse a directora de turma.

- Vocês deviam ir para casa, amanhã têm aulas. -disse a mãe do Miguel.

- É, tem razão. Vamos pessoal! -disse o Gonçalo falando para as pessoas do grupo.

A Diana suspirou mas lá foi com o grupo para casa.

Espero que tenham gostado. Estes capitulos são de pura tensão. Anda tudo preocupado com a Angelina.

Bjs :)

P.S - Amanhã, talvez haja um outro capitulo. A Juliana Dindarova também faz anos. O capitulo 5 de Encontro com o 666 vem já a seguir. Aguardem.

sábado, 10 de novembro de 2012

Capitulo 4 - Vida louca

Olá Pessoal! Aqui está o capitulo 4. Como o nome indica "Vida louca" este capitulo será para as duas personagens Ana Carretas e Ana Catarina. É um capitulo, digamos, cómico ou com a tendência para isso. Espero que gostem.

Miguel

Estava no cinema com a Andreia, o Pedro Magalhães, a Bruna e o Pedro Guerra. Cinco idiotas a falar sobre a turma. Tive a sensação que a Diana não me achou muita graça mas também tenho um ano inteiro para tentar ser simpático se é que já não fui simpático hoje. Fomos ver o novo filme com o Johnny Depp. Melhor coisa não podia ser. Passámos um final de tarde divertido.

Ana Catarina

Saímos da escola e fomos as duas arranjarmo-nos para a noite. Iria ser longa já que iriamos ter clientes novos. Chegámos ao local combinado e esperámos pelos nossos clientes.
Ficámos estupefactas quando os vimos. Um deles era desconhecido por nós mas o outro, com uma máscara na cara...

Henrique

Estava num bar com o meu colega João. A nossa conversa era sempre a mesma: 666, Diabo.
 - Quem é que achas que pode ser o 666?
O João olhava com um olhar vazio para o seu copo com vodka.
- Não sei.
Eu tirei um caderno da minha mochila.
- Até tenho um caderno para apontar as novidades e assim ajudar-nos para saber quem é o assassino.
O meu colega olhou e riu-se para mim.
- Vais apontar tudo nesse caderninho minúsculo?
Vamos lá ver: não era assim tão pequeno. Era um bloco de notas.
- Mas é um bloco de notas.
O meu colega riu ainda mais.
- Está bem Henrique, faz como quiseres.
Eu fiquei sem entender nada.
- Mas, eu não percebo. Isto é deveras interessante. É uma boa ideia!
O meu colega não parava de rir e eu não sabia a razão para tanta alegria.
- Henrique, com tudo o que estamos a passar duvido que consigas escrever as novidades todas aí por muito que tenhas a letra pequena. E agora pára por momentos por favor. Não estamos na escola. Comporta-te por favor.
Desta vez fui eu a rir. É, sem dúvida, era bom fazer-me de idiota.
- Está bem. Vamos continuar: o que achaste das novas alunas? Como é que elas se chamam mesmo? - comecei a pensar, a tentar lembrar-me.
- Ana e Diana. - respondeu o meu colega com prontidão enquanto encolhia os ombros - Umas alunas normais.
- Achas que elas entraram na escola por coincidência?
Vi que o João olhou para mim com uma questão na mente.
- O que é que queres dizer com isso?
- Sei lá, elas podem saber quem é o 666.
O meu colega respirou fundo e abanou a cabeça.
- O que eu sei é que já estamos há quase um ano a tentar encontrar esse idiota e nunca o encontramos.
Eu olhei para o meu lado direito. Era o álcool ou eu estava mesmo a ver bem? Era...Era as duas raparigas da turma vestidas de forma sensual ao lado de dois...ora bem, como eu hei-de dizer isto? ... Dois homens. Comecei a chamar o meu colega com o braço enquanto continuava a olhar boquiaberto para o meu lado direito.
- Aquelas não são as nossas duas colegas de turma? As "Anas"?
O meu colega olhou na mesma direcção que eu e comprovou o que tinha visto. Afinal ainda não estava sob o efeito do álcool. O meu colega pegou nos seus óculos de sol e colocou-os na cara para puder vê-los sem que nenhuma pessoa que estava no bar desse por isso.
- Elas são...- tentei encontrar uma resposta sem tentar entrar no calão - ...prostitutas?!
O meu colega olhou para mim. Se não fosse os óculos de sol que ele tinha na cara que me impedia de olhar para os olhos dele jurava que estava a mandar-me um olhar de repreensão.
- Elas são acompanhantes de luxo. Não vês as vestes deles? Eles parecem ser empresários.
- Mas elas são nossas colegas! - Disse eu chocado.
- És polícia. Alguma coisa te choca?
Eu pensei na pergunta do meu colega.
- Não. Na verdade já nada me choca. - E com um olhar de gozo, acrescentei - Mas aquilo é uma vida louca.
O meu colega mandou um pequeno riso. Com que então as nossas duas colegas são acompanhantes de luxo! Um segredo desvendado. 666 nem à vista!

Espero que tenham gostado.
No próximo sábado há mais um capitulo.

Capitulo 5 e 6

Olá Pessoal! Obrigado pelos comentários. Antes de mais tenho a dizer que o meu Blogger não anda a funcionar muito bem ultimamente de modo que peço desculpa se não tenho comentado como eu queria. Se não fosse incomodar podiam informar-me aqui no blog ou na página do Facebook. Obrigado. Agora sim, vamos a mais dois capitulos de A Escola Do Terror III. Espero que gostem.

Capitulo 5

Entretanto com a Sofia e com o José em casa dela.

- Porque é que o Gonçalo e a Mafalda estavam tão desapontados com o que o Bernardo fez?

- Como assim?

- Toda a turma ficou chocada mas os dois pareciam desapontados.

- hum...não reparei.

A Sofia notou que ele estava estranho.

- José, se tu me andares a esconder coisas termino aqui a nossa relação.

- Eu Sofia, a esconder coisas de ti, não. Não sou rapaz disso.

- Espero bem que não porque se fores como o Bernardo eu vou te denunciar à turma toda.

- Eu não sou como o Bernardo.

Ele dizia aquilo sério mas depois lembrou-se da noite que passou com a Angelina no dia de anos dela.

- Espero bem que não.

A Sofia ficou desconfiada. Será que o José é descoberto?

Capitulo 6

A Diana e o Bernardo foram a casa da Angelina e encontraram a porta entreaberta. Acharam estranho mas mesmo assim entraram. A Diana avançou para a sala enquanto o Bernardo ficou a olhar para a cozinha.

- Bernardo! -gritou a Diana.

- Sim. -respondeu ele se dirigindo para a sala.

- Foi tarde demais.

A Angelina já estava caída no chão, desmaiada. O Bernardo olhou incrédulo para o corpo da Angelina e ficou uns segundos sem reacção.

- Liga para a ambulância, depressa. -disse a Diana.

O Bernardo pegou no seu telemóvel e ligou para a ambulância.

- Preciso de uma ambulância, uma amiga minha está desmaiada no chão da casa dela. Vou dar-lhe a morada.

O Bernardo deu a morada, de seguida desligou a chamada e ligou a outra pessoa.

- O que é que estás a fazer? -perguntou a Diana.

 - Vou ligar ao José para ele vir ter connosco.

Aqui está!
Espero que tenham gostado.

Bjs :)

sábado, 3 de novembro de 2012

Capitulo 3 - Conhecer os alunos

Olá Caros leitores e comentadores! Bem, pessoal, aqui está o capitulo 3. Obrigado pelos vossos comentários. Obrigado também aos meus colegas de turma que também comentaram. Espero que gostem deste capitulo também.

Ana Rodrigues

Reparei que a Diana estava a aproximar-se e decidi apresentá-la ao grupo. Ela olhava para mim como se quisesse uma explicação. Apenas sorri.
Todos a cumprimentaram. O Henrique, sempre a sorrir e a dizer barbaridades disse-lhe olá. O rapaz dava vontade de rir.
- Estávamos aqui a falar com a tua amiga, Diana. Se quiserem entrar no grupo que entrem mas não falem muito com o resto da turma. Não queremos que outras pessoas entrem a menos que queiram. - disse a Catarina.
Olhei para a minha amiga séria. Estranho? Sim. Muito estranho. O clima entre nós mudou repentinamente mas um tal de João resolveu falar.
- Então, gostam da escola?
A Diana riu.
- Antes odiava esta escola mas depois...- vi que ela tentava encontrar a palavra adequada - ...achei-a muito interessante.
Eu baixei a cabeça enquanto tentava esconder um sorriso. 666 na mente!
Até era engraçado estarmos numa escola a tentar encontrar um assassino em série que podia estar até mesmo agora a falar connosco. Nunca trabalhei assim numa escola com ele tão perto mas ao mesmo tempo tão longe.

Ana Martins

As aulas passaram e fui para casa na companhia da minha irmã e da Ana. Confio na Ana embora nós não falarmos muito uma com a outra. Saímos da escola e vimos os três rapazes da turma, o César, o Ailton e o Miguel, a fumar perto da paragem. Comecei a rir com as caras das minhas duas acompanhantes. Vestiam-se pareciam drogados. Cheguei a comentar com elas quando já estávamos longe.
- Houve lá, a tua mãe não te ensinou a não falar mal das pessoas?
A Diana "ralhava" comigo mas tudo na brincadeira.

Diana

Chegámos a casa. A minha irmã foi para o seu quarto e eu e a minha colega ficámos na sala. Os meus pais ainda não tinham chegado a casa o que nos facilitava conversar nesse lugar da casa.
- Tens as fichas dos alunos? - perguntei.
A minha amiga colocou a mão na testa.
- Esqueci-me disso na escola.
Olhámos as duas uma para a outra assustadas.
- Temos que ir à escola antes que vejam e nos descubram. - disse eu.
Dissemos à minha irmã que íamos voltar à escola e saímos de casa.
Espero que não tivéssemos sido apanhadas!

Aqui está.
Será que elas não são descobertas?

Descobrirão no próximo capitulo.

Capitulo 3 e 4

Olá Pessoal! Estes dois capitulos são muito dramáticos. Espero que estejam já mentalizados e não seja um choque para vocês.

Capitulo 3

 - Eu não fiz por mal, houve várias coisas que me obrigaram a não te contar.

- Pensava que podia confiar em ti mas enganei-me.

- Tu podes confiar em mim.

- Cala-te sua mentirosa! Sai da minha casa. -disse ela apontando para a porta.

A Diana ficou sem reacção, como estátua.

- Sai da minha casa já! -ordenou a Angelina.

A Diana obedeceu. Assim que ela saiu, a Angelina começou a chorar descontroladamente.

- Porque é que ela teve de relembrar tudo de novo? Eu estava a tentar superar.

Devagar, pegou na droga que estava dentro de uma caixa num canto da sala de jantar.

- A minha vida não tem sentido, namorei com um traidor, engravidei, uma pessoa que eu confiava plenamente traiu-me. Não aguento mais, sofro muito por dento. Para quê viver se a minha vida é cheia de traições e ilusões, sonhos mal concretizados e ideias mal criadas. Não aguento mais.

Pegou na droga e injectou-a, sem pensar. Segundos depois, perdeu os sentidos.

Capitulo 4

A Diana foi a cada do Bernardo. Ela estava a chorar.

- O que é que se passa?

- Posso entrar? Precisamos mesmo de falar. É sério.

- Sim, entra.

Ela entrou. Foram-se sentar no sofá.

- O que é que se passa? -perguntou ele, preocupado.

- A culpa é toda tua. -gritou ela.

- O quê?

A Diana levantou-se do sofá seguida pelo Bernardo.

- A Angelina odeia-me e a culpa é toda tua. Todos os teus esquemas estúpidos. Metes-te com a Carolina, depois passas a noite com a angelina, chegas a namorar com a Mariana. Tu és incrível!

- Começo a achar que tu és bipolar. No último dia de aulas do 2º período estavas muito calma mas agora...Calma aí, quem estragou tudo foste tu, com as tuas condições.

- Mas não fui eu que te pedi para teres uma noite com a Angelina.

O Bernardo baixou a cabeça.

- A Carolina fez bem em trair-te com o Miguel. Tu merecias. -disse ela parando de chorar e começando a olhar para ele zangada.

- E tu sabias de tudo.

- Mas é claro que sim.

- Tu deixaste a Angelina sozinha? Depois da conversa?

- Sim, em casa dela, ela ficou a chorar.

- Não, porque a deixaste?

- Ela não me queria lá mas porquê?

- Porque ela vai se matar.

- O quê? Como sabes isso?

- Ela falou comigo depois da Carolina dizer aquilo, não te lembras? Tu estavas lá. 

A Diana começou a lembrar-se das palavras dela.

- Temos de ir a casa dela.

Aqui está!

Será que a Angelina se livra da morte?
Comentem para saberem. Já a seguir vem o terceiro capitulo de Encontro com o 666.