sábado, 24 de dezembro de 2011

Conto: A Separação (Parte II)

(Observação da autora no dia 16/09/2018 - Corrigi possíveis erros ortográficos deste conto. Ganhou título: A Separação).


O João não estava a perceber.
  O que é que tu queres dizer com isso?
  A Matilde foi abandonada pela mãe verdadeira, foi a Adelaide que cuidou dela. Eu e a Matilde somos amigas mais ou menos desde que nascemos. Numa conversa que a Adelaide teve com a minha mãe, percebi que ela era mãe de um rapaz que era um ano mais velho que nós.
  Um rapaz?
 – Sim, esse rapaz és tu, João.
  Mas o meu pai disse que a minha mãe andava desaparecida.
  E talvez andasse. A Adelaide nunca teve um único homem na vida dela.
  Mas a Adelaide sabe que eu e a Matilde não somos irmãos. E se ela contar à Matilde?
  Vais ter que continuar com ela.
 – Não, vou ter que matar alguém.
  João, a Adelaide é tua mãe.
  Eu não acredito numa única palavra que tu dizes. Até acredito a parte de a Matilde ter sido abandonada, para ser tão louca.
  A Matilde não é louca, ela só não está saudável.
 – O que seja, Vera. Vou ter com a Matilde.
E dizendo isto, saiu de casa da Vera. Ele podia ter dito à Vera que não acreditava, mas a verdade é que era mentira. Ele tinha acreditado em tudo o que ela lhe tinha dito...

***

Horas mais tarde, a polícia chegou a casa da Matilde. Vera estava no local, ela sabia que algo iria acontecer. Reparou que o João estava no local e foi ter com ele.
 – O que é que aconteceu?
  A Adelaide foi morta.
  Como pudeste?
  Não fui eu, Vera, porque é que tu não me disseste que a Matilde tinha um revólver em casa dela?
A Vera não estava a acreditar.
  O estado dela piorou, João.
João abanou a cabeça.
  Não temos muito tempo. Vem comigo!
Ele e a Vera encaminharam-se para dentro do carro dele. Vera, ao entrar, reparou que a Matilde também estava presente.
  João, o que é que ela está aqui a fazer?
  Não faças perguntas.
Minutos depois estavam numa rua deserta.
  O que é que se passa aqui?  Perguntou a Vera.
  Tu vais ver o final.  Respondeu o João.
 – O final?  Perguntou Vera, sem perceber.
O João foi à mochila que trazia consigo e tirou de lá umas bolachas.
  A Adelaide estava a fazer isto antes de morrer. Acho que era para a Matilde, não sei.  Disse ele, com um sorriso.
Vera percebeu tudo, foi ele que matou a mãe e é ele que vai envenenar a Matilde.
  Matilde, não fazes nada?  Perguntou a Vera, a achar estranha a atitude dela.
  Claro que não, Vera, ela confia mais em mim do que na melhor amiga dela.  Disse ele, a sorrir.
E aconteceu... Matilde em minutos comeu uma das bolachas que o João trazia. Era o paraíso... a morte, porque a recebia dele.

***

Meses mais tarde, Matilde andava desaparecida, tinha saído da psiquiatria onde tinha estado. João estava morto, sepultado no cemitério de Lisboa, graças àquele incidente que aconteceu naquela rua deserta. Vera estava viva, mas suspeita pela morte de João. Foi João quem matou Adelaide, pois quando chegou a casa de Matilde, viu que esta já sabia a verdade. Vera, naquela rua deserta, ia sendo morta por Matilde, que trazia o revólver que pertencia não a ela, mas a João. Vera trabalhava com o pai de João que era da Polícia Judiciária, mas pouca gente sabia. Com um revólver que trazia consigo, matou João antes que Matilde pudesse fazer uma loucura. Matilde saiu a correr dali, encontraram-na e internaram-na numa clínica psiquiátrica. Porém, fugiu. Vera saiu dali, mas esqueceu-se de apagar as provas ficando suspeita pela morte de João. As bolachas estavam envenenadas e, de alguma forma, Matilde sabia disso e não engoliu a que João lhe tinha oferecido. João queria separar-se de Matilde, e, de alguma maneira, conseguiu.
Ninguém sabe nada de Matilde, mas todos sabemos que João irá atormentar a pessoa que lhe acabou a vida. A Vera.


Fim de "A Separação".

Conto: A Separação (Parte I)

(Observação da autora no dia 16/09/2018 - Corrigi possíveis erros ortográficos deste conto. Ganhou título: A Separação).


Um exercício criado pelo professor de Filosofia. As primeiras frases são do professor.


 – E agora? – Perguntou a Matilde.
  Não sei o que fazer.  Comentou o João.
  O teu pai já sabe?
  Não, não lhe disse nada ainda...
Sentados na mesa de café habitual, onde se reúnem normalmente com os amigos, encontravam-se os dois frente-a-frente com aquele problema sobre os ombros. Para já, ainda sem a seriedade de que os adultos lhe iriam dar, porque não tinham dito nada a ninguém.
  Olha  Disse o João  Acho que o melhor é...
  Espera, e se falássemos primeiro com a minha amiga Vera?
  Acho até uma boa ideia.
  Queres ir lá agora?
 – Podemos ir?
  Claro.
Eles saíram do café e foram a casa da amiga Vera. Vera era uma velha amiga da família da Matilde. A mãe da Vera era amiga da mãe da Matilde. Conheceram-se nos tempos da primária e a partir daí, foram-se tornando melhores amigas. Eles respiraram fundo e bateram à porta.
  Olá, Matilde e tu és o João. Vocês não se tinham chateado?
  Vera, a tua mãe está em casa?  Perguntou a Matilde.
  Não não, podem entrar.
A Matilde e o João entraram em casa, nervosos, e a Vera pediu-lhes que se sentassem no sofá.
  Então, algum problema com vocês? Eu não sou nenhuma consultora amorosa. – Disse a Vera, a rir.
  Vera, estou a falar a sério. Eu e o João não podemos continuar juntos. Descobrimos algo que estraga todos os nossos planos.  Disse a Matilde.
A Matilde e o João namoravam há algum tempo, mas com a descoberta tiveram que se separar. A Vera ficou preocupada.
  O que aconteceu?
  A Matilde achou estranho uma conversa que a mãe dela teve com a tua.
A Vera ficou parada, subitamente. A Matilde achou estranha a atitude dela.
 – O que se passa, Vera? – Perguntou a Matilde.
 – Já soubeste a verdade?
  Mas tu sabias a verdade?
O João olhou para a Vera. Um olhar cortante.
  Não, não.  Disse ela, olhando de relance para o João.
  Então - Disse a Matilde, desconfiada  A verdade é esta. Eu e o João podemos ser irmãos.
  Podem ser?
 – Sim, Vera, ainda não temos provas e parece que o meu pai não sabe de nada.  Explicou a Matilde.
A Vera não sabia o que dizer.
 – Bem, talvez... quer dizer, podem ir para casa. Eu depois te direi alguma coisa, Matilde.
  Ok, amiga, até já.
Eles despediram-se da Vera e saíram de casa dela.
 – Mas o que é que se passa contigo, João? Estás diferente.
  Diferente? Não, Matilde, o meu pai é que já deve estar preocupado. Tenho de ir almoçar.
 – Sabes que ele pode não ser teu pai.
João respirou fundo. Estava a ficar cansado da conversa.
 – Matilde, tu não tens provas.
 – Ok, João. Falamos depois.

***

Horas mais tarde, João vai a casa da Vera.
  O que é que estás aqui a fazer, idiota? Vem para aqui, antes que alguém te veja.  Disse a Vera, puxando-o para dentro de casa.
  Preciso de falar contigo.
 – Do que é que queres falar?
  Não te faças de idiota. Qual foi a tua jogada de dizeres à Matilde que eu e ela somos irmãos?
  Eu não lhe disse nada. Ela é que pensou mal. Não eras tu que querias acabar o namoro com ela? Estás a conseguir.
  Eu queria, mas não assim.
  Não assim? Assim como? Inventando coisas? Não é muito longe da verdade.
 – Agora vais me dizer que somos meios irmãos, não?
  Não. Vou te dizer que a mãe dela, a Adelaide, não é a mãe dela.


Fim da Parte I.

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Capitulo 12 (A Escola Do Terror II)

(Observação da autora no dia 16/09/2018 - Corrigi possíveis erros ortográficos deste projeto chamado "A Escola do Terror II". Já é possível relê-lo de forma mais adequada. Não alterei nada no enredo, porque é apenas a versão blogue. A versão em livro encontra-se na página "Livros" ).


Aviso: Este capítulo foi postado no meu aniversário.


Obrigada pelos parabéns. Obrigada pelo vídeo, Juliana. Obrigada pelos posts, minhas queridas seguidoras. Obrigada pelos parabéns dados pelo Facebook e por SMS. Obrigada a todos!




A Diana tinha acabado de chegar a casa do Bernardo. Ele abriu a porta e ela entrou. Tinha muitas coisas para lhe dizer.
 O que é que se passa?
 Tenho coisas para te contar. Fui a casa do José.
 Fazer o quê?
Eles foram se sentar no sofá da sala.
 Tinha de lhe falar sobre a gravidez da Angelina.
 Mas porquê?
 Ela envolveu-se com ele na festa de aniversário.
O Bernardo abanou a cabeça.
 E agora ela está grávida de quem? Se é que está grávida.
A Diana encolheu os ombros.
 Na sexta-feira vou com ela ao médico.
 Fazes bem. Mas o que é que aconteceu na casa do José?
 Tu sabias que ele anda com a Sofia?
 Sim.
 Sabes que ele namora com ela?
 Namora?
 Sim. Ela estava em casa dele hoje quando fui lá eu vi eles quase a beijarem-se. Parece que não és o único a trair as regras.
 E o que lhe mandaste fazer?
 Vai ter que se tornar amigo da Elisa e da Bruna.
 Da Elisa e da Bruna? Vai ser difícil.
 Eu sei é um desafio para ele. Quanto a ti, tens só de raptar a Mariana e a Cristiana.
 As duas ao mesmo tempo?
 Sim, mas agora sem a minha ajuda.
O Bernardo afirmou com a cabeça.
 Está bem.
A Diana levantou-se do sofá.
 Bem, vou andando.
 Está bem.
A Diana saiu de casa do Bernardo.


Fim do Capítulo 12.

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Selo!

Olá, Pessoal!
Recebi esse selo:


5 músicas/artistas que gosto:

1- Eminem;
2- Jennette Mccurdy - Stronger;
3- Britney Spears - Criminal;
4- Tinie Tempah Ft Ellie Goulding - Wonderman;
5- Michael Jackson.

5 músicas/artistas que não gosto:

1- Adele;
2- Justin Bieber;
3- Katy Perry;
4- Joe Jonas - Just In Love;
5- Lady Gaga - Born This Way.

Passar para 5 blogs:

1- Amores Imperfeitos
2- L'amour, la vie et nous
3- Eu sempre quis ter você
4- Uma história de Amor
5- (Para quem quiser fazer)

É isso!

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Para a Cristiane

Olá, Cristiane! Quando vim ao blog não quis acreditar que alguém tinha comentado nesse post. Até achei que fosse alguma das pessoas que queriam fazer parceria. Até ia esperar para ler mais tarde, mas não, eu continuei e li. E não me arrependi.
Cristiane, primeiro que tudo temos que ter fé, pois tudo irá se resolver. Isso é só uma maré de azar que com o tempo irá passar. Se tivermos pensamento positivo tudo irá melhorar.
É bom saber que as minhas histórias têm sido muito importantes para ti. Esse teu comentário me aumentou a auto-estima quanto a nível da escrita, porque tudo o que eu pensava era que as minhas histórias não eram nada de especial.
Emocionei-me com o teu comentário. Muito obrigada por existires e por leres as minhas histórias. E podes ter a certeza que quando eu querer desistir dos blogs por parvoíce minha, que irei a este post ler o teu comentário, pois me dará força para continuar a escrever. E como tu disseste: "não desista de seus sonhos e continue escrevendo e nos fazendo feliz" é isso que eu vou fazer, Cristiane.
Muito obrigada pelo comentário. Muito obrigada mesmo!
E esse comentário não é grande, é emotivo :)

Que tenhas força para continuar pois com fé e pensamento positivo tem-se tudo.

Muito obrigada (outra vez)

Beijinhos :)

domingo, 11 de dezembro de 2011

Parcerias a começar

Olá, Pessoal!
Vim dizer que irei começar com algumas parcerias. Quando acabar a minha história começarei as outras parcerias que restam. Quem quiser ainda fazer parcerias avise lá em cima.

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Capitulo 11 (A Escola Do Terror II)

(Observação da autora no dia 16/09/2018 - Corrigi possíveis erros ortográficos deste projeto chamado "A Escola do Terror II". Já é possível relê-lo de forma mais adequada. Não alterei nada no enredo, porque é apenas a versão blogue. A versão em livro encontra-se na página "Livros" ).


Entretanto a Mafalda estava em casa do Luís, o irmão do Tiago, a pedir desculpa daquilo que tinha acontecido em casa dela.
 Desculpa Luís, eu não queria mas... quero dizer...
Ela suspirou.
 Eu... eu... gosto de ti.
O Luís olhou para ela sem qualquer expressão facial, ou pelo menos que parecesse.
 Estás a brincar.
O Luís não tinha feito uma pergunta, mas a Mafalda percebeu que pudesse ser e respondeu:
 Não estou.
 Porque é que não vais ter com o Gonçalo?
 Porque não gosto dele.
O Luís começou a rir-se.
 Pára com essas mentiras... chegas a meter-me nojo.
 Eu chateio-me com ele, como posso gostar dele? Ele é um tarado, um estúpido, um antipático, um quer... ah, um que quer todas.
A Mafalda iria dizer “um querido”, mas travou-se a tempo. O Luís nem sequer notou no que ela ia dizer.
 Não consigo acreditar em ti.  Disse ele.
 Dá-me uma chance, Luís. É sério.  Disse ela, quase a pôr-se de joelhos à frente dele.
Ele começou a pensar.
 Está bem, também parecia mal dizer não a uma rapariga que está quase de joelhos no chão à minha frente.  Disse ele, com um sorriso, quase a rir.
Ela também sorriu.


Fim do Capítulo 11.

terça-feira, 29 de novembro de 2011

Estou disponível para parcerias

Olá, Pessoal!
Venho avisar que quem quiser fazer parcerias comigo está a vontade, seja de que género quiser. E seja no YouTube ou no Blogger, mesmo assim ainda vou tentar incluir os blogs da Sapo.

A única coisa que precisam de fazer é mandar um comentário neste post ou lá em cima dizendo que querem e que coloquem estas informações.

(Quero fazer parceria.)
Nome:
Msn: (para nos contactarmos sem ser por blog/YouTube).
Blogs ou série no YouTube que tenham: (se tiverem) para eu ver, seguir e comentar.
Género que querem fazer: (só para eu ter uma ideia) Caso não tenham pensado deixem em branco depois com o inicio da história logo se vê que género fazer.
Atenção: Podem ser de todos os géneros desde a terror, como até mesmo romance, talvez eu até aprenda a escrever um bom romance :)
Personagens: (podem ser da Disney, Nickelodeon, Crepúsculo ou até mesmo criadas)
Casais de preferência: (caso tenham dito em cima Disney, Nickelodeon ou Crepúsculo)
Atenção: Pode ser qualquer casal desde a Niley ou Nelena, Jemi ou Nemi ou Jiranda, Nathan com Jennette, Zanessa ou qualquer outro.
Vilões: (caso tenham dito em cima Disney, Nickelodeon ou Crepúsculo)
Atenção: Só não quero que coloquem a Camilla Belle como vilã, como vocês devem ter reparado ela é uma das minhas atrizes favoritas.
Onde querem fazer: YouTube ou blogger.

É isto!
Como vocês devem ter já reparado, estou a fazer uma série no YouTube com a Juliana Dindarova que está no canal dela:

Julianaoli505

E estou a ajudar a Natasha S. no blog dela:

Amores Imperfeitos

Estou disponível para mais parcerias por isso quem quiser avise!

Daqui a uns dias direi a data final para pedir parcerias.

sábado, 26 de novembro de 2011

Capitulo 10 (A Escola Do Terror II)

(Observação da autora no dia 16/09/2018 - Corrigi possíveis erros ortográficos deste projeto chamado "A Escola do Terror II". Já é possível relê-lo de forma mais adequada. Não alterei nada no enredo, porque é apenas a versão blogue. A versão em livro encontra-se na página "Livros" ).


Com o José e a Diana em casa dele. O José estava apavorado pelo que a Diana lhe estava a dizer.
 O quê? Deves ter estado a beber. Aquelas duas nem sequer dizem bom dia a ninguém, a não ser que digam uma à outra.
 Pois, por isso mesmo. É um desafio.
 Diana, não podes fazer isso.
A Diana começou a rir-se.
 Pareces o Bernardo. Ele também começava a dizer isso quando via que as coisas eram difíceis.
 És muito malvada!
 Pois sou. Mas só de vez em quando.
Houve uns segundos de silêncio e depois a Diana disse:
 Tenho de ir.
 Está bem. Adeus.
 Adeus.
A Diana saiu de casa do José. Ela sabia que tinha de falar com uma pessoa e dizer-lhe o que tinha acabado de saber. Os pensamentos dela foram interrompidos com o José a chamar a Diana ao pé da porta de casa dele.
 O que se passa?  Perguntou ela.
 Tinhas uma coisa para me dizer quando entraste em casa. O que era?
A Diana começou a pensar: “Era sobre a Angelina, mas eu não posso lhe contar isso”. Ela respirou fundo e disse:
 Esquece, era só para ter a certeza que namoravas com a Sofia.
Ele fez um “sim” com a cabeça como se dissesse “está bem” e entrou em casa. A Diana continuou a andar e a pensar.


Fim do Capítulo 10.

Questionário:
1- Qual será a pessoa que a Diana tinha de falar?
Têm 3 opções: A) Bernardo; B) Angelina; C) Gonçalo.

Selos

Aqui está um selo que a Natasha S. me enviou:


Passe para 10 blogs:
1- L'amour, la vie et nous de Cathie
2- Eu sempre quis ter você de Isa
3- Fix a heart de Nelena e Jemi Forever

Se haver aí mais gente, responda.



Perguntas:

1- De todas as histórias que criou qual foi a que gostou mais de escrever? E a que gostou menos?
2- Qual foi o seu objetivo ao criar essas histórias? Diga uma por uma a lição que queria dar (se for só uma história fale só dessa).
3- Se pudesse dizer algo para os personagens que mais aparecem na sua história mais recente/deste blog (se for só uma diga só dessa) o que diria?

1- A que gostei mais foi a Escola Do Terror eu diria que era todas as partes mas se quiserem uma em especial diria que era a terceira parte. A que gostei menos foi a História De Uma Adolescente, porque foi a primeira e isso devia ser bom, mas a história não faz o meu género.

2- História De Uma Adolescente - a lição que queria dar era que as pessoas não fossem tão egoístas ao ponto de quererem tudo para elas. Uma Vida De Sombra - Não se iludem com os sonhos, pois nem tudo é um mar de rosas. A Escola Do Terror I - Deixem de brincar com os sentimentos das pessoas.

3- Angelina - Deixa de fazer confusões e vai logo fazer o teste, assim acaba logo o stress. Bernardo - Deixa de ser estúpido e impõe-te, homem! Carolina - Deixa de andar a enganar os rapazes e diz logo a verdade. Diana - Deixa de ser mesquinha e de te tentares "preocupar" com os outros com essas regras estúpidas. José - Olha por ti e cuida da pessoas que amas, não ligues aos outros. Sofia - Olha bem para o que está à tua volta. Mafalda - Deixa de ser tão malvada! És chefe, mas já ninguém te atura.

Passa a 3 blogs:

1- Amores Imperfeitos de Natasha S.
2- L'amour, la vie et nous de Cathie
3- Eu sempre quis ter você de Isa

É isto!

sábado, 12 de novembro de 2011

Capitulo 9 (A Escola Do Terror II)

(Observação da autora no dia 16/09/2018 - Corrigi possíveis erros ortográficos deste projeto chamado "A Escola do Terror II". Já é possível relê-lo de forma mais adequada. Não alterei nada no enredo, porque é apenas a versão blogue. A versão em livro encontra-se na página "Livros" ).


A Carolina estava em sua casa com o Miguel:
 Já não tenho falado muito com o Bernardo.  Disse ela.
 Estás a esquecê-lo?
 Acho que sim.
O Miguel abraçou-a.
 Que bom!

***

Com o Diogo e a Inês. Estes estavam em casa dela a falar de uma festa. Eles faziam um mês de namoro no sábado.
 Como é que vamos fazer a festa do nosso um mês de namoro? – Perguntou o Diogo.
 Podemos fazer na tua casa. Trazíamos as minhas amigas e os teus amigos ou talvez a turma toda.  Respondeu a Inês.
 Isso mesmo.
O Diogo começou a apontar tudo num caderno. Não era preciso dizer que eles estavam atarefados a tentar criar a festa deles. Eles e não só. A Alexandra e o Francisco também estavam a pensar fazer uma festa pelos seus quatro meses de namoro. Será que se vão realizar sem bebidas e dormidas pelo meio?


Fim do Capítulo 9.

Série no YouTube com parceria da Juliana Dindarova

Olá, Pessoal! Venho também informar que estou a fazer uma série no Youtube em parceria com a Juliana, vocês devem conhecer:

Juliana Dindarova

Eu vou postar nos blogs também para conseguirem ler por aqui.

Vejam os dois primeiros capítulos e a introdução.








Deeu para perceber que a série se chama Vidas Marcadas e que as personagens são as conhecidas do público o que geralmente nas minhas histórias não acontece o mesmo.

Espero que gostem!

Selos!

Olá, Pessoal!
Venho dizer que recebi mais dois selos.


1- O que acha da história/fic que anda escrevendo?
2- De todos os género/s de fics/histórias que está escrevendo qual é o próximo género que você se arriscaria a escrever?
3- Irá acontecer algo misterioso na sua história/fic?

1- A Escola do Terror foi a história que mais me fez pensar. De todas as histórias que já escrevi, esta é sem dúvida a melhor em termos de pensamento e até da parte da escrita. Foi um desafio escrever esta história.
2- Romance. Não tenho nenhuma assim e estou mesmo a pensar escrever desse tipo.
3- Já está a acontecer com a fase que a personagem Angelina está a passar. Mas irá acontecer mais.

Passe para 3 blogs:

1º - L'amour, la vie et nous da Cathie
2º - Vidas de adolescente da Natasha S.
3º - Eu sempre quis ter você da Isa



Perguntas:

1- Porque escreve histórias de drama?
2- Nos dê uma dica do próximo capitulo.
3- Acontecerá algo mais dramático na sua história?

1- Nem eu sei, mas o drama juntamente com terror dá uma mistura perigosa.
2- Vou falar do capitulo 10, porque o 9 vou postar a seguir a isto. Então é o seguinte: Esse capitulo fala do José e da Diana que conversam sobre o desafio que ele vai ter que fazer e também sobre a questão da Angelina.
3- Sim, aliás o drama aparece mais na 3ª parte da história.

Vou passar para o blog da Cathie: L'amour, la vie et nous

É isto.

sábado, 5 de novembro de 2011

Capitulo 8 (A Escola Do Terror II)

(Observação da autora no dia 16/09/2018 - Corrigi possíveis erros ortográficos deste projeto chamado "A Escola do Terror II". Já é possível relê-lo de forma mais adequada. Não alterei nada no enredo, porque é apenas a versão blogue. A versão em livro encontra-se na página "Livros" ).


O José estava com a Sofia em casa dele.
 Estás muito calado.
 Não é nada.  Disse ele.
– Estás a pensar em quê?
 Em nada.
 Então fala comigo.
 Mas eu estou a falar contigo.
Nesse momento alguém bate à porta. O José foi abrir a porta e viu a Diana. Ela entrou dentro de casa zangada.

 Preciso de falar contigo.  Disse ela.
O José pensou: “Ai, antes o Bernardo, agora é a Diana, o que é que eu vou fazer com a Sofia?”
 Quem está aí?  Gritou a Sofia.
A Diana não estava a acreditar que estava uma rapariga com o José. Entrou disparada dentro da sala e viu a Sofia. Pôs a mão na cabeça.
 José, o que é que ela está aqui a fazer?
Nesse momento, a Diana lembrou-se do dia em que tinha estado no parque.
 Ah... Sofia podes sair?  Perguntou ele.
 Sim, claro.
A Sofia era para dar um beijo ao José, mas ele desviou-se e olhou para a Diana, para a Sofia perceber, mas a Diana era esperta e também percebeu o sinal dele. Ela agora tinha a certeza que o José andava com a Sofia. Ela não iria falar da gravidez da Angelina agora que soube que o José andava com ela. Assim que a Sofia saiu de casa, a Diana perguntou um pouco zangada.
– Tu traíste a regra nº 3, José?
O José olhou para a Diana.
 Ah... não trai.
 Por isso é que aquilo que se tinha passado no parque podia ser verdade. Que burra! Porque não pensei nisso antes?
 O que é que estás para aí a dizer?
– José, porque é que namoras com a Sofia?
O José ficou uns segundos calado a tentar encontrar uma resposta.
 Então?
 Ah... está bem eu admito... estou a namorar com a Sofia.
Ele não encontrou nenhuma desculpa.
A Diana suspirou.
– Tens a noção que ela não é do grupo?
 Sim, mas eu nunca gostei dessas regras. São regras sem pés nem cabeça.  Disse ele.
 Também tendo em conta que algumas delas foram feitas por uma rapariga estúpida e que anda com todos como a Mafalda.
 E por um rapaz que se acha o melhor como o Gonçalo.
A Diana e o José olharam-se por uns segundos com caras de parvos, depois começaram a rir.
 Afinal também não gostas das regras.  Disse o José, a rir-se.
 Só sigo aquelas que o Gonçalo criou.
O José olhou para ela como se perguntasse: “Tens alguma coisa com o Gonçalo?”. A Diana percebeu e respondeu com cara de nojo.
 Ai, nem pensar.
 Não sei, como só deixam que namorem com alguém do grupo pensei que estivesses para o Gonçalo, porque foi o Gonçalo que criou essa regra.
 Esquece isso. Que nojo.
O José começou a pensar.
 Ah... já sei quem é.
A Diana olhou para ele.
 O Bernardo.
 Ah, esse é outro traidor como tu. Trai as regras todinhas.  Disse ela.
 A sério? Por isso é que andas sempre atrás dele, para o matar.
 Matar não, mas fazer-lhe a vida um pouco mais complicada, isso sim.
O José riu-se.
 E o que é que vais fazer-me?
A Diana fez de conta que estava a pensar.
 Vais ter de dizer a verdade ao Gonçalo.
O José olhou para a Diana.
 O quê?
 Foi isso mesmo que ouviste.
 Estás a brincar, não estás?
 Está bem, eu estou a brincar  Disse ela, sem se rir.
Houve uns segundos de silêncio.
– Vais ter de te tornar amigo da Elisa e da Bruna.  Disse a Diana.


Fim do Capítulo 8.

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Capitulo 7

(Observação da autora no dia 16/09/2018 - Corrigi possíveis erros ortográficos deste projeto chamado "A Escola do Terror II". Já é possível relê-lo de forma mais adequada. Não alterei nada no enredo, porque é apenas a versão blogue. A versão em livro encontra-se na página "Livros" ).


Entretanto a Mafalda estava com o Luís, o irmão do Tiago, na casa dela. A Patrícia não estava em casa.
 Porque é que me trouxeste aqui?  Perguntou ele.
 Porque quero fazer uma coisa.
Ela foi mais para perto dele. O Luís ao perceber o que ela queria disse:
 Vai fazer isso ao Gonçalo.
E saiu de casa dela, deixando a Mafalda triste e zangada.


***

A Angelina estava em casa da Diana a falar do que aconteceu.
 Eu estive com o José.
 Mas como foste capaz, Angelina?
 Não sei, eu estava bêbeda.
A Diana estava sentada no sofá e levantou-se.
 Onde está o José?
 O que é que vais fazer?  Perguntou ela, levantando-se.
 Vou lhe dizer o que ele fez contigo para ele saber que se calhar tem um filho.
 Não, não faças isso.
A Diana sentou-se de novo no sofá e a Angelina imitou-a.
 Está bem.
Houve um momento de silêncio e depois a Diana levantou-se e disse:
 Tenho de ir. Podes sair?
 Sim, claro.
Elas saíram da casa da Diana e a Diana foi tentar encontrar o José. Ela não vai obedecer à Angelina.

Fim do Capítulo 7.

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Capitulo 6

(Observação da autora no dia 16/09/2018 - Corrigi possíveis erros ortográficos deste projeto chamado "A Escola do Terror II". Já é possível relê-lo de forma mais adequada. Não alterei nada no enredo, porque é apenas a versão blogue. A versão em livro encontra-se na página "Livros" ).


No dia seguinte, à tarde, a Angelina foi a casa do Bernardo. Tinha de lhe dizer algumas coisas. Bateu à porta e ele abriu. Ela entrou em casa dele disseram “olá” e a Angelina começou a falar.
 Preciso de falar contigo.
O Bernardo pensou: “Será que vais dizer aquilo que a Diana me disse: Tu talvez estejas grávida?”
 O que se passa?  Perguntou.
A Angelina sentou-se no sofá.
 Quero namorar contigo.
O Bernardo olhou admirado para ela.
 Estás a falar a sério?
A Angelina afirmou com a cabeça.
O Bernardo pensou: “E agora a Diana, o que vai fazer se saber disto? E a Carolina? Eu namoro com ela. Paciência! O meu namoro com a Carolina está horrível.”
 Está bem.
A Angelina levantou-se do sofá.
 A sério?
 Sim.
A Angelina e o Bernardo beijaram-se.

Fim do Capítulo 6.

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Capitulo 5 (A Escola Do Terror II)

(Observação da autora no dia 16/09/2018 - Corrigi possíveis erros ortográficos deste projeto chamado "A Escola do Terror II". Já é possível relê-lo de forma mais adequada. Não alterei nada no enredo, porque é apenas a versão blogue. A versão em livro encontra-se na página "Livros" ).


Às 20:30 chegou e a pouco e pouco foram chegando as pessoas. A Diana foi a primeira a chegar, porque estava ansiosa por saber se a Angelina estava mesmo grávida ou não. As duas foram para o quarto da Angelina e tiveram a falar.
 Então, estás grávida ou não?
A Angelina olhou para baixo.
 Não cheguei a saber, não consegui.
A Diana suspirou.
 Tens de saber, mais cedo ou mais tarde.
 Eu sei, mas não sei se tenho coragem.
 Se quiseres, combinamos e vamos as duas.
 Sexta à tarde está bem para ti?
 Sexta à tarde... sim está bem para mim. Depois das aulas?
 Sim.
 Está bem.

***
A noite correu bem. A Angelina recebeu prendas de todos mas... ela fez um erro às 23:50. Bebeu muito e acabou por passar a noite com o José. A Sofia iria ficar zangada, sem falar do Bernardo. Agora seria mais difícil saber se a Angelina estava grávida do Bernardo ou do José já que iria saber só na sexta com a companhia da Diana. A única que sabia que o José e a Angelina estavam juntos era a Diana, que, nessa noite, viu-os a entrarem no quarto da Angelina completamente bêbados. Mas, a Diana não sabia que o José estava a namorar com a Sofia, só tinha uma pequena ideia.


Fim do Capítulo 5.

sábado, 15 de outubro de 2011

Capitulo 4 (A Escola Do Terror II)

(Observação da autora no dia 16/09/2018 - Corrigi possíveis erros ortográficos deste projeto chamado "A Escola do Terror II". Já é possível relê-lo de forma mais adequada. Não alterei nada no enredo, porque é apenas a versão blogue. A versão em livro encontra-se na página "Livros" ).


A Diana estava já em casa do Bernardo.
– Se for mais alguma das tuas condições, olha que agora estás enganada, eu não fiz nada que traísse as regras do grupo. – Dizia o Bernardo.
– Tens a certeza?  Perguntou ela, com um sorriso.
 Tenho.
 Então senta-te que eu vou relembrar-te.
Eles sentaram-se no sofá da sala de estar e a Diana contou-lhe do dia em que ele e a Angelina passaram a noite. O Bernardo não queria acreditar que a Diana sabia aquilo.
 Como soubeste isso? – Perguntou ele.
 Eu não estava bêbeda. Já devias saber que eu nunca fico completamente bêbeda só por beber uns cinco copos de vodka ou cerveja.
O Bernardo baixou a cabeça.
 O que é que tenho de fazer agora?
– Espera... calma! Tenho de te dizer uma coisa.
 O que é?
 A Angelina pensa que está grávida.
 Mas ela é tão nova.
 Vais parar de dizer isso se eu te disser que o filho que ela, se calhar, espera é teu.
O Bernardo ficou uns segundos calado a tentar digerir o que tinha acabado de ouvir.
 Tens a certeza?  Perguntou ele.
A Diana fez um sim com a cabeça.
– Mas ainda não está nada confirmado. Ela vai saber agora.
 Agora?
 Sim.
– O que é que vai ser de mim se ela estar grávida? Eu namoro com a Carolina. Não pode ser. Eu não posso.
 Bernardo, tu tens de aceitar a criança. Não queiras que a Angelina faça um aborto. Ela faz anos hoje.
 Eu sei, mas eu não gosto dela.
 Devias pensar nisso antes de fazeres o que fizeste. – Disse a Diana.
 O que é que eu tenho de fazer agora?
 A parte de ela estar grávida eu não vou contar, isso é para vocês, mas se não queres que eu diga que passaram uma noite juntos tens de fazer uma coisa.
 O quê?  Perguntou ele.
 Rapta a Mariana e a Cristiana.

Fim do Capítulo 4.

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Selos recebidos

Olá, Pessoal!
Desta vez recebi selos sobre terror vindos da Juliana.
Obrigada :)


1- Porque escreve histórias de terror?
2- Acha que escreve bem?
3- Dê 3 livros de suspense/terror que goste?

1- Talvez porque gosto, porque me sinto bem a escrever terror/suspense do que comédias.
2- Talvez. A maioria das pessoas acha que sim. Acha que escrevo melhor terror que comédia ou aventuras.
3- O Legado 731, A Lista da Morte e O Riso do Assassino.


Eu não faço ideia a que blogs eu passo, porque eu não conheço nenhum blog de histórias de terror por isso, se houver aí alguém que tenha histórias dessas, comente aqui neste post que eu repasso.

Capitulo 3 (A Escola Do Terror II)

(Observação da autora no dia 16/09/2018 - Corrigi possíveis erros ortográficos deste projeto chamado "A Escola do Terror II". Já é possível relê-lo de forma mais adequada. Não alterei nada no enredo, porque é apenas a versão blogue. A versão em livro encontra-se na página "Livros" ).


A Mafalda e o Luís A. tinham estado em casa dele a beber bebidas alcoólicas. Ficaram tão bêbados que acabaram por se envolver. Antes tinham falado sobre o grupo e os professores. Acabaram por adormecer e só horas mais tarde acordaram.
 Ai que dor de cabeça. - Disse o Luís A. se tentando levantar  O que será que o meu irmão vai dizer se me vir assim?
- Eh pá! Cala-te. Às vezes o teu irmão é pior que tu.  Disse a Mafalda, com a mão na cabeça.
Olharam-se por uns segundos até que a Mafalda começou a gritar e a tentar se levantar.
 O que é que eu estou aqui a fazer contigo?!
 Mafalda, não grites.

 Não grito? Como é que eu posso não gritar, Luís, explica-me?  A Mafalda ficou calada por uns segundos  Nós não fizemos aquilo que eu estou a pensar, pois não?

 E o que é que tu estás a pensar?  Perguntou o Luís.

 Aquilo que se faz quando se perde a cabeça e quando bebemos muito.

– Tu és virgem? Mesmo que nós não tenhamos feito nada?
A Mafalda olhou confusa para ele, mas respondeu.

– Não.
 Então não te chateies.

– E tu?
– Tu achas que um rapaz como eu seria virgem?  Perguntou ele, apontando para si mesmo com ar de superioridade.

 Não.
 Então está aí a resposta.
A Mafalda não perguntou mais nada.


Fim do Capítulo 3.

sábado, 24 de setembro de 2011

Capitulo 2 (A Escola Do Terror II)

(Observação da autora no dia 16/09/2018 - Corrigi possíveis erros ortográficos deste projeto chamado "A Escola do Terror II". Já é possível relê-lo de forma mais adequada. Não alterei nada no enredo, porque é apenas a versão blogue. A versão em livro encontra-se na página "Livros" ).


Horas mais tarde, a Angelina estava a andar numa rua solitária quando a Diana a viu e decidiu ir ter com ela.
 Olá!
A Angelina levantou a cabeça.
 Olá!
 Porque é que estás aqui sozinha?  Perguntou a Diana.
 Estou a pensar.  Respondeu a Angelina.
 Estás a pensar no quê?  Quis saber a Diana.
A Angelina ficou calada uns minutos.
– És capaz de guardar um segredo?  Perguntou ela.
A Diana fez um sim com a cabeça.
 Eu acho que estou grávida.
 Grávida? – A Diana começou a rir para si mesma.
 Sim grávida.
A Diana pensava: “ Ai, espero que seja verdade”. Depois, “transformando-se” disse:
 Mas grávida de quem?
 Do Bernardo.
 Mas és tão nova, vais fazer dezassete anos.
 É hoje.
 Ah... desculpa. Parabéns.
A Angelina sorriu.
 Obrigada.
 O que é que vais fazer?
 Não sei. – Respondeu a Angelina.
 Mas tens de dizer ao Bernardo.
 Achas que eu vou dizer? Nem pensar.
 Ele não tem namorada.  Disse a Diana.
“Na verdade até tem, mas a única pessoa que sabe sou eu, mas também não vale a pena dizer até porque a Carolina anda também com o Miguel”  Pensava a Diana. Afinal a Diana sabia que a Carolina andava com o Miguel.
 Eu sei que o Bernardo não tem namorada. – Dizia a Angelina.
 Então não sei qual é o problema de lhe dizeres que estás grávida.
 Eu tenho de ter a certeza.
 E vais agora saber?
 Sim.
– Desculpa, mas eu não posso acompanhar-te. Tenho coisas para fazer antes de ir à tua casa logo à noite.  Desculpou-se a Diana.
 Não faz mal. Não digas nada ao Bernardo, por favor.
– Está bem, fica descansada.
“ Na verdade, é melhor não ficares descansada” – Pensou a Diana.
 Está bem, adeus.
 Adeus, até logo.
A Angelina seguiu o seu caminho e a Diana foi a casa do Bernardo. Será que lhe irá contar da gravidez da Angelina?


Fim do Capítulo 2.

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

A história "O Colégio Interno" está acabada

Olá, Pessoal!
Vim dar aqui só uma passadinha no blog e vou passar só pelo Facebook, porque não tenho muito tempo.
Vim só avisar que a história "O Colégio Interno" está acabada!
É verdade! Foi antes do ano de 2012 o que eu previa. Este ano tenho tido mais tempo para escrever histórias. É bem provável que em 2012 não acabe de escrever nenhuma.

domingo, 18 de setembro de 2011

Capitulo 1 de A Escola Do Terror, parte II (Estreia)

(Observação da autora no dia 16/09/2018 - Corrigi possíveis erros ortográficos deste projeto chamado "A Escola do Terror II". Já é possível relê-lo de forma mais adequada. Não alterei nada no enredo, porque é apenas a versão blogue. A versão em livro encontra-se na página "Livros" ).


As férias acabaram! As aulas do 2º período começaram!
A Angelina e o Bernardo estavam cada vez mais envolvidos. A Carolina estava mais perto do Miguel e a Diana estava a descobrir pouco a pouco os segredos dos três (Carolina, Bernardo e Angelina). A Mafalda e o Gonçalo não paravam de discutir e a Juliana e o Ricardo também não.
O aniversário da Angelina estava quase aí a chegar e a Angelina estava muito mal disposta. Enjoos atrás de enjoos. A Diana era a única que tinha um pequeno palpite do que seria: gravidez. E de quem? Do Bernardo. A Diana torcia para que fosse verdade.
Os primeiros dias passaram até à véspera do dia de anos da Angelina. Era uma sexta-feira. A Angelina combinou com a turma para estarem no dia seguinte às 20:30 em casa dela para celebrarem o aniversário. Esta era a ocasião para a Diana saber mais sobre a Angelina e o Bernardo.

***

O dia seguinte chegou. De manhã, o José foi a casa da Sofia. A Sofia não tardou a abrir a porta.
 Olá!  Exclamou ela.
 Olá! Entra. – Pediu a Sofia.
O José entrou dentro de casa e a Sofia fechou a porta. Foram-se sentar no sofá da sala.
 O que queres? – Perguntou ela.
O José suspirou.
– Quero-te fazer um pedido.
 Um pedido?
 Sim, um pedido.
 Qual é?
O José ajoelhou-se no tapete da sala e agarrou a mão da Sofia. A Sofia olhava para ele sem piscar os olhos. Estava muito atenta aos movimentos dele.
 Queres namorar comigo?
A Sofia olhou para ele por uns segundos.
“ O que é que ele acabou de dizer? Não consigo acreditar.”  Pensou ela.
 Achas que isto vai correr bem, José? - Perguntou ela, com receio.
– Mas é claro que vai correr bem, confia em mim.
A Sofia suspirou.
 Por favor! – Suplicou ele.
 Está bem. Vamos ver o que isto vai dar.
O José sorriu e pensou para si mesmo: “casamento, casamento.”
A Sofia olhou para ele.
 Estás ainda aí especado de joelhos porquê?
O José riu e, de seguida, levantou-se. Saiu da casa da Sofia e nem se despediu dela. A Sofia tinha ficado pensativa.

Fim do Capítulo 1 (da segunda parte).