domingo, 25 de julho de 2010

domingo, 18 de julho de 2010

domingo, 11 de julho de 2010

Capitulo 9

(Observação da autora no dia 11/09/2018 - Corrigi possíveis erros ortográficos deste projeto chamado "A Escola do Terror I". Já é possível relê-lo de forma mais adequada. Não alterei nada no enredo, porque é apenas a versão blogue. A versão em livro encontra-se na página "Livros" ).


Eles aproximaram-se dos amigos e o Gonçalo perguntou-lhes:
– Onde se meteram?
O Bernardo e a Diana olharam um para o outro.
– Fomos falar com a professora de Língua-Portuguesa. – Inventou a Diana.
– Demoraram. Quiseram matá-la? – Perguntou a Mafalda.
– Não. Mas chateámo-nos com a professora. – Respondeu o Bernardo.
As campainhas da escola começaram a fazer um som e o director disse:
– Preciso de falar com todos os alunos e professores. É importante. Apareçam no pátio.
O som das campainhas passou e o José perguntou:
– O que aconteceu desta vez?
– Têm a certeza que não mataram a professora de Língua-Portuguesa? – Perguntou o Tiago, virando-se para o Bernardo e para a Diana.
O Bernardo e a Diana negaram.
– Então, vamos ao pátio. – Disse o Tiago.


Fim do Capítulo 9.


Questionário:
1- O que é que o director vai dizer? Não é a morte de nenhum professor, que se saiba, porque agora eles não mataram ninguém.

Música da Semana!

Olá, Pessoal!
A Música da Semana é...

pLK - Amor Perdido




sexta-feira, 2 de julho de 2010

Capitulo 8

(Observação da autora no dia 11/09/2018 - Corrigi possíveis erros ortográficos deste projeto chamado "A Escola do Terror I". Já é possível relê-lo de forma mais adequada. Não alterei nada no enredo, porque é apenas a versão blogue. A versão em livro encontra-se na página "Livros" ).



O Bernardo foi ter com os amigos e a Diana foi atrás do Bernardo e chamou-o:
– Bernardo!
– O que queres? – Perguntou ele, aproximando-se dela.
– Eu sei o que se passa entre vocês. – Disse ela.
– Vocês? – Perguntou ele, fazendo de conta que não sabia do que a Diana estava a falar.
– Tu sabes muito bem de quem estou a falar. Tu e a ingénua. Eu vi-os na sala de E.V e vi-os no corredor. – Disse-lhe ela, zangada.
– Ela não é ingénua. – Defendeu o Bernardo.
– Ela não é do grupo. – Disse-lhe a Diana, a falar alto.
– Chiu! Queres que eles saibam? – Disse o Bernardo.
– Às vezes até queria, tu não mereces o 3º lugar de chefe, nem sequer mereces estar no grupo. – Respondeu a Diana, não percebendo que o Bernardo fez uma pergunta retórica.
– Eu ainda não namoro com ela. – Disse-lhe ele.
– Mas também não podemos falar com essas pessoas. – Avisou-lhe ela.
– Vais contar-lhes? – Quis saber o Bernardo.
– Ah, não sei, talvez sim, talvez não. Ainda não tenho a certeza.
– Não contes a ninguém, por favor. – Disse-lhe ele.
– Agora pedes por favor? Antes estavas tão confiante. – Disse ela, a rir.
– Eu sei, mas eu não quero sair do grupo.
– Então só não digo com uma condição. – Avisou ela.
– Qual é a condição? – Perguntou o Bernardo.
– Mata alguém. Tu sozinho e, de preferência, professor para ser mais difícil. – Respondeu a Diana.
– Está bem.
Selaram com um aperto de mão. Agora o Bernardo teria de cumprir a condição da Diana, senão a Diana diria a verdade ao grupo.


Fim do Capítulo 8.


Questionário:
1- Gostaram?
2- O que será que o Bernardo vai fazer?
3- A Carolina irá acabar por saber a verdade?