domingo, 27 de junho de 2010

Capítulo 7

(Observação da autora no dia 11/09/2018 - Corrigi possíveis erros ortográficos deste projeto chamado "A Escola do Terror I". Já é possível relê-lo de forma mais adequada. Não alterei nada no enredo, porque é apenas a versão blogue. A versão em livro encontra-se na página "Livros" ).


Os alunos e os professores estavam todos a encaminharem-se para o pátio e o director, ao ver que as turmas e os professores estavam todos, começou a falar:
 Tenho outra má notícia para vos dar e uma informação. Vou começar pela informação: o funeral da professora Susana é depois de amanhã, ou seja, sexta-feira, às 20:30. Espero que os professores compareçam. Digo isto porque é melhor os alunos não comparecerem no funeral por serem menores e por alguns não quererem nem terem disponibilidade para irem a funerais. A escola não vai fechar, mas se os professores quererem faltar às suas aulas da manhã, podem faltar que não irão ter falta. Agora passando à notícia: a professora de F.Q, Gabriela, foi morta hoje em casa. Neste momento não há suspeitos nem há marcas. Já disse tudo o que tinha a dizer. Podem ir para às aulas.
O director retirou-se e os alunos e professores foram para as aulas. Os alunos da turma do 9º C iriam ter Educação Visual na sala EV1. Chegaram à sala e esperaram pela professora. A professora apareceu uns minutos depois. Chamava-se Maria João. Assim que pôs a mala na sua mesa, apresentou-se e começou logo de seguida a aula. O Bernardo, o José e a Diana não gostaram da atitude da professora, mas ficaram calados o resto da aula. O Bernardo, no meio da aula, rasgou um bocado de papel do seu caderno e escreveu algo. De seguida, mandou à Carolina. A Carolina apanhou o papel e leu-o, dizia o seguinte:"Hoje estás muito bonita, aliás estás bonita todos os dias, mas hoje nota-se de longe". A Carolina olhou para o Bernardo e sorriu-lhe. O Bernardo retribuiu o sorriso.
A Diana na mesa ao lado da do Bernardo viu aquilo e mandou-lhe um olhar zangado como se aquilo que fez fosse proibido. Isso até era verdade. No grupo ninguém podia ter amizade com alguém fora do grupo, nem sequer podiam falar com pessoas fora dele. O Bernardo deu um sorriso falso à Diana e ela virou-lhe a cara. A Carolina e o Bernardo continuaram a falar pelo papel até ao final da aula. Quando a aula acabou, o Bernardo fez sinal à Carolina para irem para um lugar a sós. Ela entendeu e saíram da sala. O Bernardo foi para um lado e a Carolina foi para outro para não darem suspeitas.
A Diana, que já suspeitava do que eles iriam fazer, foi atrás da Carolina sem que a Carolina percebesse. Reparou que a Carolina tinha parado num corredor sem ninguém e esperou que o Bernardo aparecesse. O Bernardo apareceu uns segundos depois e foi falar com a Carolina. A Diana captava cada movimento dos dois.
– Então, gostaste da aula de E.V? – Perguntou o Bernardo à Carolina.
– Sim. – Respondeu-lhe a Carolina, a sorrir.
– No próximo intervalo quero falar contigo. – Disse ele, a piscar o olho.
– Está bem. – Disse ela, a sorrir.
O Bernardo saíu do corredor num lado e a Carolina saiu do corredor pelo outro lado. A Diana, escondida, sorria com uma ideia na mente.
"Agora é que o Bernardo ficou tramado, se eu abrir a minha boca e dizer o que sei, ele vai sair do grupo. Acho que vou matar dois coelhos de uma vez".


Fim do Capítulo 7.


Questionário:
1- Gostaram do capítulo?
2- O que acontecerá a seguir?

Retomar a Música da Semana

Olá, Pessoal!
Hoje já podem pedir músicas. A Música da Semana foi retomada.

domingo, 20 de junho de 2010

A Música da semana vai ser interrompida

Olá, Pessoal!
Até Domingo, a música da semana vai ser interrompida. Não vou ter tempo nesta semana para ver os pedidos, esta semana vai ser complicada de modo que não vai haver Música da Semana. Só nesta semana. Desculpem.

Música da Semana!

Olá, Pessoal!
A Música desta Semana é...

STROMAE - ALORS ON DANSE




sábado, 19 de junho de 2010

Capítulo 6

(Observação da autora no dia 11/09/2018 - Corrigi possíveis erros ortográficos deste projeto chamado "A Escola do Terror I". Já é possível relê-lo de forma mais adequada. Não alterei nada no enredo, porque é apenas a versão blogue. A versão em livro encontra-se na página "Livros" ).


No dia seguinte ás 9:45,  os alunos da turma do 9º C iriam ter língua-portuguesa. A professora Rosário começou a dar a sua aula. Falou Do Auto Da Barca Do Inferno de Gil Vicente. Disse que tinham de fazer grupos para apresentarem as personagens. O Gonçalo não gostou, o Bernardo e o José começaram a rir-se, a Diana estava entusiasmada para fazer a alcoviteira Brizida Vaz e a Carolina e a Angelina estavam a rir-se pelas asneiras que estavam no texto. A Elisa e a Bruna não queriam fazer o trabalho, a Juliana e o Ricardo estavam a trocar olhares de raiva e a Patrícia não prestava atenção a aula. A aula parecia um tribunal!
Depois de terem passado noventa minutos, os alunos saíram da sala e foram almoçar a casa. Quando ligaram as televisões, por volta das 12:30, viram uma noticia. A professora de F.Q foi morta em casa. Os alunos do 9º C ao verem aquilo ficaram pasmados.
QUEM MATOU A PROFESSORA?
A Angelina, a Carolina, a Inês, a Mariana e a Cristiana ao verem na televisão da casa da Angelina não conseguiam acreditar. A Diana e a Márcia, na casa da Márcia, estavam a pensar que tivesse sido o Gonçalo o assassino. O Ricardo em casa estava a pensar que se calhar tivesse sido o Gonçalo. A Juliana estava a pensar que o Ricardo matou a professora quando ela não estava por perto. O Francisco, o Miguel, o Diogo e o Luís estavam a pensar que fosse um assassino. Enfim, a turma tinha respostas diferentes.
Depois de terem almoçado, foram a correr para a escola:  o Gonçalo foi à procura dos amigos e viu-os a falar da noticia. Foi ter com eles e perguntou:
– Quem matou a professora?
Eles olharam todos para o Gonçalo com os olhos arregalados. Não era o Gonçalo. Então quem matou a professora?
O Ricardo pensou logo no seu primeiro lugar de chefe do grupo e disse:
 Fui eu que matei a professora.
Eles olharam para o Ricardo de boca aberta. A Juliana não queria acreditar que tinha perdido. O Ricardo mandou-lhe um sorriso maldoso. Ela retribuiu com outro sorriso. As campainhas nesse momento começaram a fazer um som e o director da escola disse:
 Venham todos ao pátio.
O som das campainhas tinha passado.
 O que será que aconteceu? – Perguntou o José.
– A morte da professora. – Respondeu-lhe o Bernardo, como se o José tivesse feito uma pergunta absurda.


Fim do Capítulo 6.


Questionário:
1- Agora quem para vocês pode ser o culpado da morte da professora?
2- O que será que o director vai dizer?

sexta-feira, 18 de junho de 2010

Morreu um grande escritor Português

Faleceu hoje um grande escritor Português, José Saramago, com 87 anos de idade. Famoso por várias histórias, como exemplos temos: o romance Terra Do Pecado, a Viagem A Portugal.
Perdemos um grande escritor Português.

terça-feira, 8 de junho de 2010

Relembrar a turma 9ºC para sempre!!

Olá, Pessoal!
Isto é só para os meus colegas e amigos de turma.
Foi uma turma muito boa. Grandes amigos nos tornámos. Foram três anos de amizade, três anos de trabalho em que tivemos de conviver uns com os outros, foram uns míseros três anos que mudaram a nossa vida. Para melhor.
Conhecemo-nos, conversámos, convivemos, chorámos e ri-mos nestes três anos todos juntos. Não é o fim. É só uma pequena paragem para conhecermos pessoas novas. Vai ser um pouco estranho entrar num 10º ano e não ver as caras das mesmas pessoas, mas sabemos que a vida continua e que podemos ver-nos num fim de semana.
Mas, para que esta turma fique relembrada, escrevi uma "coisa" entre ontem e hoje:

Entrámos para a Escola Vieira Da Silva
e na turma do 9ºc nos encontrámos,
Desde então nos conhecemos
e grandes amigos ficámos.

Um grupo de amigos,
Uma família,Uma união,
Momentos e memórias
Guardados no coração.

Ninguém se vai esquecer da turma 9ºC
Porque desculpas nunca vão haver,
Laços como os que se formaram,
dificilmente se vão perder.


E o meu colega e amigo Gonçalo fez uma música:




Acho que já não tenho nada a dizer. Está tudo dito. Esta turma não será esquecida.

sexta-feira, 4 de junho de 2010

Capítulo 5

(Observação da autora no dia 11/09/2018 - Corrigi possíveis erros ortográficos deste projeto chamado "A Escola do Terror I". Já é possível relê-lo de forma mais adequada. Não alterei nada no enredo, porque é apenas a versão blogue. A versão em livro encontra-se na página "Livros" ).


Os alunos e os professores estavam todos a encaminharem-se para o pátio e o director da escola, ao ver que as turmas e os professores estavam todos, começou a falar:
– Tenho uma má noticia para vos dar: a professora Susana de matemática foi morta em casa, como de certeza viram hoje de manhã nos jornais e nos canais de televisão. A turma do 9º C vai ter uma nova professora na próxima semana. De momento os polícias não sabem de nada, só viram umas marcas de ténis na porta de casa, mas, de momento, não há suspeitos. É tudo o que sabemos. Agora está feito o aviso, podem ir para as aulas.
O director retirou-se e os alunos foram para as aulas. Os alunos da turma do 9º C iriam ter aula de F.Q. Foram com passo apressado para a sala e sentaram-se nas cadeiras à espera da professora.
A professora não tardou a aparecer: era alta, com cabelos e olhos castanhos e chamava-se Gabriela. A professora apresentou-se à turma e começou a aula. Fizeram o mesmo que nas aulas do dia anterior: revisões à matéria dada no ano passado e nova matéria. A aula durou noventa minutos e, depois de uns quantos bocejos, lá acabaram por sair da sala...
As seguintes aulas eram de Inglês e de Educação Física. A professora de Inglês chamava-se Helena. Era simpática, tinha cabelos castanhos e olhos verdes e devia ter por volta dos seus trinta e sete anos. A professora de Educação Física chamava-se Sofia, era alta e muito simpática também.
O dia de aulas da turma acabava às 17:30 e todos saíram, todos excepto o Ricardo, que estava à espera da professora de F.Q para a matar e ter o seu primeiro lugar de chefe do grupo.
Quando viu a professora a sair da escola, já eram 18:15 e foi segui-la. A professora estava a seguir por uma rua sem saída e o Ricardo achou estranho, mas não deixou de seguir a professora. Foi quando, ao longe, viu a Juliana a aproximar-se da professora para falar com ela. O Ricardo ficou com raiva da Juliana, pois a Juliana viu-o a ir ter com a professora e, mesmo assim, a professora meteu-se com ela.
"A Juliana está a começar a irritar-me" – Pensava ele.
A Juliana acompanhou a professora até à porta de casa e depois foi ter com o Ricardo e disse-lhe:
– Parece que eu destruí as tuas ideias. – Disse a Juliana, a rir-se.
– Há! Há! Há! Que piada! – Disse o Ricardo, irónico.
– Querias ser o primeiro chefe do grupo, mas já não vais ser. Tens de passar primeiro por cima do meu cadáver. – Disse-lhe a Juliana.
E dizendo isto saiu, deixando o Ricardo parado no meio da rua.


Fim do Capítulo 5.


Questionário:
1- O que acham que o Ricardo vai fazer?